Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 06 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

03/10/2019 - 15h53min.
Alterada em 06/10 às 17h05min
COMENTAR | CORRIGIR

'A elite acordou para a China como potência inovadora', diz Geromel

Evento promovido pela 4all, no Tecnopuc, teve auditório lotado

Evento promovido pela 4all, no Tecnopuc, teve auditório lotado


MARIANA CARLESSO/JC
Quer saber como vai ser o futuro? Não precisa ter uma mente brilhante. Basta pegar um avião, encarar algumas conexões, 25 horas de voo e desembarcar em território chinês. O conselho é do CEO da StartSe China e autor do livro Poder da China, Ricardo Geromel.
Quer saber como vai ser o futuro? Não precisa ter uma mente brilhante. Basta pegar um avião, encarar algumas conexões, 25 horas de voo e desembarcar em território chinês. O conselho é do CEO da StartSe China e autor do livro Poder da China, Ricardo Geromel.
Cerca de 600 brasileiros devem embarcar nessa aventura até o final do ano nas missões organizadas pela StartSe. Até o momento, foram 400. “A elite do Brasil acordou para a China como super potência inovadora. As massas ainda têm imagem do país como a fábrica do mundo, o que, de fato, já foi um dia, mas hoje é a China que faz o futuro”, analisa.
Um exemplo é a revolução que está acontecendo no varejo. Na China, 25% das compras já são feitas on-line. Nos Estados Unidos, esse percentual fica em torno de 10% a 15% e, no Brasil, de 2% a 4%. “Os chineses são os líderes mundiais nesse segmento e muitos empresários brasileiros estão indo para lá com a meta de entender para onde esse mercado vai”, conta. O mesmo vale para as fintechs. Sem falar em Inteligência Artificial (IA). “A China coloca mais dinheiro nessa tecnologia que os Estados Unidos, e essa aposte já se reflete em áreas importantes, como na educação”, afirma Geromel.
Sim, o sobrenome não engana. Ele é irmão do ídolo gremista Pedro Geromel. Na sua estada em Porto Alegre, inclusive, foram duas as paradas obrigatórias: a presença na Arena para ver o primeiro jogo da semifinal da Libertadores e a participação na 1ª edição do The Fourth, evento promovido na noite de quarta-feira pela 4all na Tecnopuc.
O encontro, que teve auditório lotado, debateu o fato de a China estar cinco anos à frente do resto do planeta do resto do planeta e teve ainda a participação de José Renato Hopf, CEO e co-fundador da 4all. Ele, aliás, esteve recentemente na China e destacou o quanto a questão cultural é fundamental para a transformação pela qual o país vem passando. “Disciplina, pragmatismo e meritocracia ajuda a explicar hoje o sucesso da China”, analisa Hopf.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Patrícia Knebel
Patrícia Knebel
Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.