Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de setembro de 2019.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

26/09/2019 - 18h28min.
Alterada em 26/09 às 18h51min
COMENTAR | CORRIGIR

BRDE reforça investimentos em startups

Evento marcou lançamento de edital e fundo de investimento para startups

Evento marcou lançamento de edital e fundo de investimento para startups


MARCO QUINTANA/JC
Já está disponível no site do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) o edital para contratação de uma Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) ou aceleradora, que ficarão responsáveis por buscar startups gaúchas com soluções voltadas para o agronegócio, saúde, indústria 4.0 – Internet das Coisas, tecnologia da informação, energia, educação, logística e ambiente.
Já está disponível no site do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) o edital para contratação de uma Instituição de Ciência e Tecnologia (ICT) ou aceleradora, que ficarão responsáveis por buscar startups gaúchas com soluções voltadas para o agronegócio, saúde, indústria 4.0 – Internet das Coisas, tecnologia da informação, energia, educação, logística e ambiente.
Dez startups serão selecionadas e receberão capacitação em áreas como estratégia de vendas, relações públicas e financeira. A duração do programa será de seis meses, e não haverá custos para as empresas. Ao final do programa, as três melhores colocadas receberão uma premiação de R$ 25 mil (1º lugar), R$ 15 mil (2º lugar) e R$ 10 mil (3º lugar).
A iniciativa marca a terceira etapa do Programa BRDE Labs no Rio Grande do Sul. “Temos crédito para investir em inovação”, aponta o vice-presidente do BRDE, Luiz Corrêa Noronha. A instituição tem destinado anualmente cerca de R$ 150 milhões para essa área e é hoje um dos maiores operadores do Inovacred no País, linha da Finep que financia empresas de receita operacional de até R$ 90 milhões para aplicação em desenvolvimento de novos produtos, serviços e processos ou no aprimoramento daqueles já existentes.
Na linha de capital de risco, faz parte do Criatec 3, Fundo de Investimento em Participações (FIP) criado por iniciativa do BNDES para capitalizar as micro e pequenas empresas inovadoras nas cinco regiões do Brasil. O BRDE é um dos principais cotistas do Fundo, com direito a voto no Comitê de Investimentos. “Temos estar presente em tudo que tenha a ver com desenvolvimento, sem perder de vista a auto sustentabilidade do banco”, comenta Noronha.
O secretário de Inovação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Luís Lamb, comenta que é um sinal importante que um banco de desenvolvimento esteja investindo na nova economia. “Essa visão está alinhada com a política de colocar a inovação no centro do desenvolvimento do Estado para agregar valor. É pensar não apenas na economia tradicional, mas na economia do século 21, baseada na tecnologia, nos dados, no conhecimento e nos insumos não materiais”, analisa.
No evento realizado na quinta-feira na sede do BRDE, gestores da instituição detalharam a iniciativa. O encontro contou ainda com a presença de representantes do Fundo de Investimento em Startups – FIP Anjo, iniciativa do BNDES do qual o BRDE é cotista. O objetivo é o aporte em empresas nascentes, sendo que 40% delas com faturamento anual de até R$ 1 milhão. O restante será destinado a empresas com faturamento de até R$ 16 milhões.
“Vamos coinvestir com anjos e aceleradoras em empresas em estágio inicial, que não precisam ter receita. Basta um protótipo, algum usuário usando, proposta interessante, time de valor e um mercado grande para crescer”, afirma Mario Letelier, da Domo Invest, responsável pela gestão do FIP Anjo. Ele é um dos fundadores do Buscapé, e há cerca de dez anos não está mais na operação. “Agora estamos ajudando a nova geração com conhecimento e recursos para ajudar as empresas”, relata.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Patrícia Knebel
Patrícia Knebel
Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.