Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 22 de agosto de 2019.
Dia do Folclore.

Jornal do Comércio

22/08/2019 - 16h09min.
Alterada em 22/08 às 16h09min
COMENTAR| CORRIGIR

Braskem inclui robô na rotina de trabalho

Robô opera de segundas a sextas, das 8h até a meia-noite, acompanhando os horários de turno

Robô opera de segundas a sextas, das 8h até a meia-noite, acompanhando os horários de turno


BRASKEM/DIVULGAÇÃO/JC
Sabe aquela tendência das equipes mistas, com robôs atuando lado a lado com seres humanos? Pois no Centro de Tecnologia e Inovação (CTI) da Braskem, em Triunfo, isso está acontecendo. Depois de um período de estágio, o robô colaborativo da empresa foi efetivado e já está entrando nas rotinas de operação. Ele começou a operar de segundas a sextas, das 8h até a meia-noite, acompanhando os horários de turno do CTI.
O líder dos Laboratórios Analíticos do CTI, Paulo Cezar dos Santos, explica que o robô realiza movimentos repetitivos de forma mecânica enquanto os profissionais do laboratório passarão a se concentrar na análise dos dados, que chegarão em maior quantidade e velocidade. “A grande vantagem é que as tarefas que ofereciam algum risco à saúde e segurança dos nossos profissionais agora serão feitas pela máquina, sem falar nos ganhos de produtividade”, observa.
O robô tem 17 dispositivos de segurança validados pela norma NR12, o que é fundamental na medida em que atua lado a lado com pessoas. “Se ele encostar em algum obstáculo, como um ser humano, ele para, evitando que alguém se machuque”, conta Santos.
As pessoas passaram por treinamento para atuar lado a lado com o equipamento. Até porque, são elas que fazem os ajustes e efetivar melhorias para obter resultados mais precisos. “O robô precisa do ser humano para programá-lo. Queremos maximizar o melhor da máquina com o melhor do ser humano. É um avanço na direção da Indústria 5.0, que é a total integração humano-robô”, aponta.
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patrícia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.