Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de julho de 2019.
Dia Mundial da Arquitetura.

Jornal do Comércio

01/07/2019 - 17h36min.
Alterada em 01/07 às 17h36min
COMENTAR| CORRIGIR

Com Ikon, Embraer acelera análise de dados dos voos

Coleta automática de dados passou de 12 dias para um processo imediato, fazendo que dados estejam prontos em cinco minutos

Coleta automática de dados passou de 12 dias para um processo imediato, fazendo que dados estejam prontos em cinco minutos


EMBRAER/DIVULGAÇÃO/JC
São Paulo
A análise de dados dos voos da Embraer, como temperatura externa, comandos do piloto e altitude, ganhou tração e velocidade com o lançamento do sistema de manutenção preditiva Ikon, que usa Big Data e Analytics e é totalmente baseado na plataforma da Amazon Web Services (AWS).
A meta é oferecer um ganho de produtividade em análise e processamento de dados das aeronaves E-Jets E2, estabelecendo um novo patamar em serviços e suporte aeronáuticos. Sem falar na possibilidade de identificar padrões que permitam detectar e resolver problemas potenciais de aeronaves antes que eles ocorram. “O Ikon foi concebido com o que temos de estado da arte da tecnologia. Mais do que fazer aviões, sabemos integrar sistemas complexos”, destaca o gerente de Suporte Técnico da Embraer, Henrique Heidemann.
Foram cerca de dois anos de desenvolvimento até que o Ikon fosse anunciado globalmente pela Embraer em 19 de junho, em Paris, na França. O sistema já está em operação em formato beta para algumas linhas aéreas, como Widerøe (Noruega) e Air Astana (Cazaquistão). No Brasil, a estreia comercial será no segundo semestre.
Mas, os resultados já apareceram, e são animadores. Um deles é o aumento de 96% de produtividade resultante da maior velocidade de análise dos dados do que acontece em um avião. Hoje, a segunda geração de aeronaves comerciais da Embraer produz cerca de 100GB de informações diretamente acessíveis por ano.
Graças a esse novo sistema de roteamento e análise acelerado, esse alto volume de dados pode ser transmitido para uma ação imediata. Com o Ikon, a coleta automática de dados passou de 12 dias para um processo imediato, garantindo que os dados estejam prontos para serem analisados cinco minutos após sua geração na aeronave.
No momento em que o avião pousa, os dados são transmitidos para o Ikon por meio de um módulo instalado na aeronave chamado Wireless Server Unit (WSU). Para assegurar o recebimento das informações com assertividade e agilidade, o Embraer Ground Server (EGS) utiliza a AWS para a conexão automática do avião a fim de permitir o download dos dados de voo. Na sequência, migram para a camada de Data Lake do Ikon, onde são disponibilizados para que os engenheiros analisem essas informações. “Recebemos todos os dados dos sensores existentes dentro do avião, o que nos permite otimizar o design dos nossos produtos e melhorar as condições de uso”, relata Heidemann.
Essa agilidade e maior domínio dos dados impacta diretamente o negócio. Heidemann conta que, inclusive, tem acelerado o desenvolvimento de novos produtos, como o de uma solução para melhorar o escoamento do combustível de dentro da asa para o avião. É sabido que o combustível se mexe durante voo e, muitas vezes, vai para a ponta da asa. Para que o avião tenha as melhores condições de voo, o ideal é que esse escoamento ocorra o mais rápido possível. “Como tínhamos dados de todos os voos dessa frota, uma solução que demoraria seis meses para ser desenvolvida, foi feita em um”, exemplifica.
Segundo ele, uma das importâncias do Ikon é que ele se tornou a arquitetura de referência da Embraer para esse tipo de solução de analytics. “Quando outras áreas de negócios da companhia tiverem necessidade de desenvolver uma solução que precise de Big Data e Analytics, a área de Tecnologia da Informação (TI) está capacitada a apoiar”, comenta.
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patrícia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.