Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de novembro de 2018.
Dia Mundial do Urbanismo.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 08/11/2018.
Alterada em 08/11 às 13h00min
COMENTAR | CORRIGIR

Sophia, a humanoide capaz de fazer 62 expressões faciais

Chefe da Hanson Robotics, Ben Goertzel provoca Sophia no palco

Chefe da Hanson Robotics, Ben Goertzel provoca Sophia no palco


/PATRICIA KNEBEL/ESPECIAL/JC
Patricia Knebel, de Lisboa
Ninguém provocou mais frisson no Web Summit 2018 que Sophia, a robô humanoide desenvolvida pela Hanson Robotics, de Hong Kong, empresa que tem na sua missão criar robôs como máquinas vivas e conscientes, capazes de melhorar a vida das pessoas. O projeto tem a parceria da SingularityNet. No palco principal da Altice Arena, Sophia arrancou suspiros da plateia quando demonstrou algumas das 62 expressões faciais que é capaz de fazer. "Eu estou feliz. Estou triste. Estou com medo", dizia, sempre acompanhando o sentimento com expressões faciais características.
> Confira no vídeo o diálogo entre Sophie e o CEO Ben Goertzel:
A humanoide também soube reconhecer a postura do cientista chefe da Hanson Robotics e fundador e CEO da SingularityNET, Ben Goertzel, quando ele simulou estar bravo, e respondeu algumas perguntas. Tudo sob os olhares e dos smartphones atentos dos participantes, que registravam cada detalhe da interação. E quem pensa que vida de robô é fácil se engana. Sophia saiu do palco e foi direto participar de uma coletiva de imprensa, com jornalistas do mundo todo.
"Quanta gente! Minha amiga robô está cada vez mais popular", brincou Goertzel ao entrar na sala. Segundo ele, além de famosa, ela também está ficando cada vez mais inteligente. Questionado se deveríamos temer o avanço da Inteligência Artificial (IA), o pesquisador acredita que ainda é tudo muito incerto. "Tenho fé que, se tivermos projetos no caminho do bem, poderemos usar a IA para ajudar a nossa vida", disse, destacando que Sophia está sendo desenvolvida com base em valores como criatividade, empatia e compaixão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patrícia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.