Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 06/09/2018.
Alterada em 06/09 às 15h07min
COMENTAR | CORRIGIR

Empresa de Pelotas monitora cultura do algodão na Bahia

Olímpio Leivas destaca oportunidades de expansão da startup pelo Brasil

Olímpio Leivas destaca oportunidades de expansão da startup pelo Brasil


PATRICIA KNEBEL/ESPECIAL/JC
A agilidade no monitoramento das pragas das lavouras levou a gaúcha FarmBox para o Oeste baiano. Foi lá que a startup começou a sua trajetória e é onde mantém a maior parte dos clientes, assim como no Mato Grosso. Não deixa de ser curioso, já que a empresa nasceu em Pelotas.
O gestor de vendas consultivas da FarmBox, Olímpio Leivas, explica que, quando o sistema de gestão agrícola para auxiliar os produtores a identificar onde estão as pragas na lavoura foi criado, a empresa logo começou a ser procurada por produtores de algodão, uma cultura que tem como característica ser extremamente sensível. "Enquanto a janela de monitoramento da soja pode ser feita de sete a oito dias, a do algodão tem que ocorrer de dois em dois dias", relata. Isso explica o forte trabalho realizado na Bahia.
Com o aplicativo, o técnico percorre a fazenda e faz uma verificação ponto a ponto para avaliar a incidência de praga. No primeiro sinal de internet, ele conecta e sincroniza os dados do app para visualizar onde deverá ser feita a aplicação. "Queremos diminuir o uso de defensivos na medida em que, com essa solução, é possível utilizar apenas nos pontos específicos, onde tem mais incidência", explica. A empresa, que participa dos projetos voltados para startups do Sebrae-RS, tem cerca de 60 clientes no Rio Grande do Sul e quer expandir para novos mercados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
GENESIO PEDRO BONDAN 06/09/2018 09h33min
parabéns a empresa, é muito bom evitar os agrotóxicos

Patrícia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.