Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de abril de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de abril de 2020.
Notícia da edição impressa de 20/04/2020.
Alterada em 19/04 às 23h46min
COMENTAR | CORRIGIR

Pesquisa: de novo, de novo e de novo

Em tempos de coronavírus, se conclui: até para vivermos mais necessitamos de pesquisa. De genoma, de DNA, de dados, de pensamentos. Contra ou a favor do isolamento total? Pesquisa. Rádio, impresso, tela? Pesquisa. Como saber o comportamento pós-pandemia? Pesquisa. Não escampamos mais... Toda comunicação tem de estar baseada em pesquisa. Analista de dados, que víamos em filmes envolvendo a CIA tempos atrás, é tão importante hoje quanto um datilógrafo no século passado. Não mais apenas IBGE, censo, eleições. Pesquisa é para tudo. Porque, afinal, não há mais espaço para achismos, feeling ou indicação do amigo (ou do presidente). Ciência, dados, estatística. Pesquisa, sim. Sempre. E cada vez mais.
Em tempos de coronavírus, se conclui: até para vivermos mais necessitamos de pesquisa. De genoma, de DNA, de dados, de pensamentos. Contra ou a favor do isolamento total? Pesquisa. Rádio, impresso, tela? Pesquisa. Como saber o comportamento pós-pandemia? Pesquisa. Não escampamos mais... Toda comunicação tem de estar baseada em pesquisa. Analista de dados, que víamos em filmes envolvendo a CIA tempos atrás, é tão importante hoje quanto um datilógrafo no século passado. Não mais apenas IBGE, censo, eleições. Pesquisa é para tudo. Porque, afinal, não há mais espaço para achismos, feeling ou indicação do amigo (ou do presidente). Ciência, dados, estatística. Pesquisa, sim. Sempre. E cada vez mais.

Perfil

Maria Augusta Medeiros
Maria Augusta Medeiros
/Maria Augusta Medeiros/arquivo pessoal/DIVULGAÇÃO/JC
Ela fala um português sempre correto, ama a língua francesa e se comunica bem em inglês e em italiano. Morou na Inglaterra, foi de estagiária à sócia de uma das principais agências do Estado, a extinta Nova Forma, além de gerente de Marketing em empresas como Gang e Bettanin. Hoje, toca o próprio negócio, a consultoria Próximo Passo. O interessante é que, mesmo unindo tudo isso na mesma pessoa, Maria Augusta Medeiros passa longe de ser alguém arrogante ou esnobe. Com tom de voz sempre muito sereno, a publicitária formada pela Ufrgs tem duas características constantes: fala sorrindo e com os olhos muito claros brilhando. Saiba mais dessa profissional no Perfil de Coletiva.net.

Parceiros

Miltinho Talaveira e Bruna Paulin se unem em projeto
Miltinho Talaveira e Bruna Paulin se unem em projeto
/COLETIVA.NET/DIVULGAÇÃO/JC
Com o objetivo de criar uma corrente do bem, a jornalista Bruna Paulin e o publicitário Miltinho Talaveira lançaram um serviço de consultoria com foco em boas ações para empresas de pequeno e médio porte. Assim, eles ajudam a desenvolver uma série de ações que orientam, acalmam e apresentam alternativas para marcas que não possuem um profissional de comunicação em sua equipe. Atuando inicialmente de forma gratuita, a dupla elabora um mapeamento de pequenos negócios e oferece sua consultoria e análise de ações. Após, se for do interesse do cliente seguir com os serviços prestados por eles, é necessária a contratação dos profissionais.

Gente

Ana Cláudia Milani agora é Huia
Ana Cláudia Milani agora é Huia
JP. Mubarah/divulgação/jc
O estúdio de design e tecnologia Huia, do Grupo W3Haus, agora conta com Ana Cláudia Milani como head de Novos Negócios. Com MBAs em Business & Management pela Universidade da Califórnia Irvine e em Gestão Empresarial pela FGV, ela é jornalista formada pela Ufrgs. Com passagens pela Paim Comunicação, 8 Total Brand, Colaborativa Knowledge Builder e Box Brasil, vem se dedicando nos últimos anos a estudos de UXWriting. O desafio, segundo Ana Cláudia, será acelerar a transformação digital nas empresas, tanto nos processos internos, quanto nas formas de se relacionar com seu público consumidor.

Agências

Hype se envolve em animação para Netflix
Hype se envolve em animação para Netflix
/COLETIVA.NET/DIVULGAÇÃO/JC
  • HYPE, de Porto Alegre, é uma das empresas responsáveis pela criação da série 'Tainá e os Guardiões da Amazônia', que tem 26 episódios de 11 minutos, está disponível no Netflix e é destinada ao público pré-escolar.
  • WT.AG uniu esforços dos clientes So.Si e o Supper Rissul e apostou em uma campanha de cross-branding. A ideia foi valorizar os atributos de ambas empresas: o conforto e a flexibilidade das sapatilhas da marca do grupo Piccadilly, com a necessidade de agilidade e leveza no dia a dia das colaboradoras do Supper Rissul.

Novos comportamentos

Para entender como a pandemia do novo coronavírus está mudando o modo de vida dos gaúchos, o G5 decidiu realizar uma pesquisa para captar as tendências do novo comportamento dos consumidores. O levantamento foi realizado com mil pessoas, por meio online, entre 1º e 3 de abril. De acordo com Alex Nascimento, head de Estratégia do G5 e sócio da Sunbrand, que comandou a pesquisa, o objetivo do levantamento foi contribuir para que as empresas tenham um direcionador confiável na tomada de decisões neste momento delicado pelo qual a sociedade está passando. Entre os dados, para o futuro, consumidores querem voltar à rotina depois do distanciamento (53,8%), viajar (39%), investir em estudos (21,3%), reformar a casa (16,75), comprar automóvel (12,1%) ou trocar o veículo atual (11%).

Leituras de cenários

A Morya encomendou uma pesquisa ao instituto Amostra, que detectou que a adoção do distanciamento social como estratégia para combater a pandemia de coronavírus tem avaliação favorável de 76,7% dos gaúchos. Enquanto isso, 67,3% dos entrevistados acreditam que somente algumas atividades devem ser fechadas durante o período. A pesquisa também buscou identificar como a extensão da quarentena até meados de abril afetaria a situação financeira das famílias. Para 53% dos entrevistados, a prorrogação não coloca em risco o sustento. No entanto, para 46,3%, existe risco de ficar sem dinheiro para pagar comida e aluguel. Segundo Fábio Bernardi, o estudo nasceu de uma conversa com Margrid Sauer, do Amostra. "Nos pareceu, a partir daí, que uma pesquisa sobre como as pessoas estão encarando este momento seria interessante para a agência, não só para elaboração de nossas estratégias de comunicação, mas para termos dados científicos sobre o pensamento e o comportamento das pessoas, a fim de melhor embasar nossas recomendações aos clientes neste momento", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Márcia Christofoli
Márcia Christofoli
Notícias sobre meios de comunicação, agências de publicidade e as mudanças no mercado do Rio Grande do Sul estão na coluna Intervalo, publicada todas as segundas-feiras.