Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 04 de outubro de 2019.
Dia do Barman e dia Mundial dos Animais.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 04/10/2019.
Alterada em 03/10 às 21h18min
COMENTAR | CORRIGIR

Para aplacar fomes maiores

Veja como preparar um risoto de cogumelos que traz ingredientes inspirados na primavera

Veja como preparar um risoto de cogumelos que traz ingredientes inspirados na primavera


ALYSON B SILVA/DIVULGAÇÃO/JC
Homens na cozinha
Homens na cozinha
Noite dessas, em meio a um churrasco que se prenunciava insuficiente face o número de convivas, sugeri a um amigo que preparasse um risoto para aplacar apetites. Falta inspiração, alegou. Pois aqui vai uma sugestão, adequada àquele e ao propósito de vivermos temperaturas primaveris, depois de tanto calor no início da semana.
Risoto de cogumelos
Ingredientes (duas porções):
  • 1 xícara de arroz
  • arbóreo
  • 1 colher (sopa) de azeite de oliva
  • 2 colheres (sopa) de cebola roxa picada
  • xícara de vinho branco seco
  • litro de caldo de legumes quente
  • 2 xícaras de mix de shiitake, portobelo e funghi secchi
  • 2 xícaras de caldo de legumes quente
  • 1 colher (café) de açafrão
  • 1 colher (sopa) de manteiga
  • 1 xícara de alho poró picado
  • 1 colher (sopa) de nata
  • páprica picante
  • sal marinho
  • pimenta do reino preta
  • 1 colher (sopa) de
  • alfavaca picada
  • 1 colher (sopa) de salsinha picada
  • 5 tomates cereja
Modo de preparar:
1. Aquecer azeite em uma panela, refogar arroz e cebola. Adicionar vinho e, após evaporar, derramar aos poucos caldo quente, para que o arroz vá soltando seu amido.
2. Desligar o fogo após 10 minutos, ou quando o arroz estiver al dente.
3. Dissolver açafrão em duas xícaras de caldo e nele hidratar o funghi, reservando xícara desse caldo.
4. Em uma frigideira, saltear cogumelos na manteiga por dois minutos, acrescentar sal, pimenta, alho poró e deixar amolecer mais alguns minutos.
5. Juntar arroz cozido a este refogado com o caldo de funghi reservado.
6. Adicionar nata, páprica, salsinha e alfavaca e corrigir o sal.
7. Finalizar com manteiga, mexendo com garfo até ficar bem cremoso.
8. Decorar com tomate-cereja e folhas de alfavaca. Se quiser, regar com azeite de oliva, Parmesão ralado e servir imediatamente.
Enviada por chef Reinhard Pfeiffer, do Expedito (Curitiba)

Parrilla ao gosto da dona

VIV GASTRONOMIA - MUITO PRAZER - PARRILLA BARO FOTO Sérgio Ordobás
Baro abriu na Rua Barão de Ubá, e é comandado pela proprietária é Ana Carolina Reschke
SÉRGIO ORDOBÁS/DIVULGAÇÃO/JC
A Baro começou nessa quinta-feira o atendimento ao público, em nobre localização: na Rua Barão de Ubá, 9, onde era o Nobel Café. Identifica-se como parrilla, embora sequer tenha matambre no menu. Mas justiça seja feita: a proprietária é Ana Carolina Reschke, uma advogada de 38 anos, assadora desde a adolescência, que assume apenas o compromisso de servir carnes Angus e Hereford, em ambiente acolhedor, por preços justos, com atendimento impecável. Não é pouca coisa.
Para tanto conta com um chef uruguaio, que admite influências das culinárias espanhola, italiana e mediterrânea, as quais promete mostrar na coleção de molhos e saladas. As carnes: entrecôte, picanha, prime rib, assado de tira e o Baro Steak, um corte de dianteiro criado pela proprietária. Além de carta de vinhos com preços atraentes, um balcão com 15 chopeiras e cervejas especiais estarão disponíveis.
O espaço, completamente remodelado, tem 120 lugares, um deck e um mezanino para reuniões e confraternizações.

Muito prazer

VIV GASTRONOMIA ADEGA - VINÍCOLA MIOLO - Antônio, Darcy e Paulo Miolo - FOTO Emerson Ribeiro
Antônio, Darcy e Paulo Miolo (da esquerda para a direita) fundaram a vinícola que leva o nome da família
EMERSON RIBEIRO/DIVULGAÇÃO/JC
Esses três senhores da foto eu ainda não tive a honra de conhecer: são, a partir da esquerda, Antônio, Darcy e Paulo Miolo. Foram eles que, a partir de terras adquiridas por seu avô Giuseppe no século 19, fundaram a vinícola que leva o nome da família. Daquele início, em 1989, ano em que foram produzidas apenas 8 mil garrafas, até o momento, quando a Miolo cultiva em quatro consagradas regiões - Serra Gaúcha, Campanha Meridional (Seival), Vale do São Francisco e Campanha Central (Almadén) -, o crescimento foi seguro, contínuo e qualificado.
O diretor-enólogo Adriano Miolo, da quarta geração da família, é quem vive o cotidiano da empresa, que hoje elabora anualmente 10 milhões de litros de vinhos e ostenta um portfólio com 120 rótulos. O mais recente é esse espumante, nas mãos de um dos fundadores: Íride Miolo Nature Sur Lie, que passou simplesmente dez anos nas caves. Nos próximos três meses, mais 19 rótulos estarão no mercado.
Vou finalmente desarrolhar a garrafa do Lote 43 safra 1999, que possuo bem acondicionada desde o início deste século, e brindar às três décadas de sucesso da Miolo. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia