Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Frases e Personagens

Edição impressa de 12/09/2018. Alterada em 12/09 às 01h00min

Frases e personagens

Nelson Marchezan Júnior

Nelson Marchezan Júnior


MARCO QUINTANA/JC
"Porto Alegre já é líder em recuperação de dívida ativa entre as capitais do País e pretendemos manter esta posição em 2018. Técnicos de outras cidades têm vindo a capital gaúcha verificar como fazemos, para aplicar em seus municípios." Nelson Marchezan Júnior (PSDB), prefeito de Porto Alegre.
"O objetivo é zerar o estoque da dívida. Estamos fazendo o dever de casa e deveremos chegar aos R$ 200 milhões este ano." Leonardo Busatto, secretário da Fazenda de Porto Alegre.
"Defendo a atualização da planta de valores do município e questiono o PT por ser contra, pois o partido aumentou o valor do IPTU em Porto Alegre na década de 1990. E a greve do funcionalismo municipal é totalmente ilegal." João Carlos Nedel (PP), vereador da Capital.
"Parou a enganação. É inacreditável o que o PT fez, esse tempo todo sabendo que o Lula não ia ser candidato, ficou com essa enganação com dois objetivos: primeiro, vitimização; segundo proteger o Haddad, porque quando vira candidato, fica sujeito à transparência absoluta." Geraldo Alckmin (PSDB), candidato a presidente da República.
"Esse troço já deu o que tinha que dar. Isso é uma exposição, eu julgo que já cumpriu a sua tarefa." Hamilton Mourão, candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), ao defender que a campanha deve evitar explorar o episódio do esfaqueamento.
"A luta agora é para retomar os trabalhos e evitar o fechamento total. Pedirei apoio de governos e de entes privados. Vamos lançar campanha de financiamento coletivo para que as pessoas possam ajudar o museu. Queremos voltar a fazer atividades pelo menos com as crianças, que são o futuro deste País, no Horto." Alexander Kellner, diretor do Museu Nacional.
"Trata-se de uma demissão em massa, incompatível com uma instituição que conta com benefício de filantropia, o que envolve compromisso com a ordem social". Pedro Ruas (PSOL), deputado estadual, sobre as cerca de 350 demissões do Hospital Mãe de Deus.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia