Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 27/01/2020.
Alterada em 27/01 às 03h00min

Nello vê mercado positivo para fusões e aquisições

A empresa faz um mapa das melhores oportunidades no País

A empresa faz um mapa das melhores oportunidades no País


/FREEPIK/DIVULGAÇÃO/JC
O mercado de fusões e aquisições de empresas tende a aquecer este ano no Brasil, por causa dos juros baixos e a economia que dá sinal de reação em alguns setores. Dentro deste cenário, no Rio Grande do Sul, a Nello Investimentos é uma das poucas empresas dedicadas a condução e assessoria exclusiva em processos de fusões e aquisições.
O mercado de fusões e aquisições de empresas tende a aquecer este ano no Brasil, por causa dos juros baixos e a economia que dá sinal de reação em alguns setores. Dentro deste cenário, no Rio Grande do Sul, a Nello Investimentos é uma das poucas empresas dedicadas a condução e assessoria exclusiva em processos de fusões e aquisições.
 A Nello liderou, inclusive, dois grandes processos de venda de companhias gaúchas para fundos de investimento em 2019. No setor de saúde, a venda da CCG Planos de Saúde, com sede em Porto Alegre, para o fundo Kinea, do grupo Itaú, e a venda da Transportadora Translovato, de Caxias do Sul, para o grupo BBM Logística, do fundo Stratus.
 Fabricio Scalzilli, um dos sócios fundadores da Nello, hoje radicado nos Estados Unidos, mas que vem ao Brasil mensalmente e que tem em sua rotina uma média de 10 contatos diários com fundos private equity e investidores sobre estratégia e alvos no País, avalia que a tendência para o mercado de fusões e aquisições no Brasil é de se manter aquecido. "Todos, não só os rentistas, terão de se expor mais a riscos, caso a intenção seja ter melhores retornos que a tradicional renda fixa. O mercado imobiliário é um caminho, mas naturalmente não absorve toda demanda de capital", comenta.
 Scalzilli diz que as expectativas para o mercado gaúcho são de se manter alinhadas com a realidade brasileira. "O Estado tem os seus problemas estruturais já conhecidos e muitas vezes uma cultura reativa ao investidor de fora, que assusta aquele que pretende investir no Sul. Por outro lado, tem muito boas empresas, com governança sólida, números atrativos e potencial de crescimento. Essas as companhias, familiares ou não, que entram no nosso radar" cita.
 O especialista explica que a Nello tem com diferencial uma longa e constante relação de proximidade com os fundos de investimento no Brasil e no exterior, entendendo na prática como enxergam o Brasil, quais segmentos fazem sentido investir, sinergia com empresas já investidas e sua estratégia de alocação de recursos. "Com isso claro, mapeamos as oportunidades nos três estados do Sul e em São Paulo, onde atuamos, e tentamos levar ao empresário as vantagens de um processo de venda e/ou entrada de um sócio financeiro ou estratégico", informa.
 De acordo com ele, a maioria das pessoas ainda acha que o preço do negócio é o dinheiro. "Não é. Primeiro, na minha visão, vem um conceito antropológico. Entender o ser humano, por trás do executivo e empresário. O sucesso da Nello vem muito alinhado com esses princípios", explica.
 "O nosso foco são empresas com faturamento acima de R$ 80 milhões, sendo que a média são operações entre R$ 150 milhões a R$ 500 milhões. Acima disso começamos a concorrer com os grandes bancos", acrescenta.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Osni Machado
Osni Machado
A trajetória de empresas contada com foco no que de melhor essas instituições têm a oferecer para o mercado. Produtos, serviços e novas estratégias são apresentadas todas as semanas na coluna Empresários & Cia.