Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de novembro de 2018.
Dia Nacional da Consciência Negra. Dia Universal das Crianças.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 19/11/2018.
Alterada em 18/11 às 22h19min
COMENTAR | CORRIGIR

Quer vender mais? Conheça o gigante asiático

Guerra comercial com EUA tornou o Brasil um importante fornecedor para o mercado chinês

Guerra comercial com EUA tornou o Brasil um importante fornecedor para o mercado chinês


/THIAGO COPETTI/ESPECIAL/JC
Thiago Copetti
O principal fato econômico mundial de 2018, com certeza, é guerra comercial travada entre Estados Unidos e China. E, claro, tudo que afeta o gigante asiático respinga no Brasil, já que o país é nosso maior comprador internacional e também principal destino de nossas exportações. E este ano mostra que os primeiros reflexos do embate entre as duas potências tornou o Brasil um fornecedor ainda mais importante para a China.
A expansão das vendas do Brasil para a China após o início da guerra comercial se revela por diferentes lados. Os chineses compraram 21,8% de tudo que o Brasil exportou em 2017. Neste ano, entre janeiro e outubro, a China passou a ser  o destino de 26,7% das nossas vendas externas, de acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). Maior parte da alta puxada pela soja. Em 2017, o Brasil respondia por cerca de 50% de toda a oleaginosa importada pelo gigante asiático. Até setembro de 2018, segundo a embaixada do Brasil em Pequim, esse índice saltou para próximo de 70%.
Nas lista dos embarques agropecuários, os compradores chineses ainda alimentam boa parte das vendas brasileiras de frango e fumo, por exemplo. E deve, em breve, se abrir para a compra de miúdos de gado. Ok, vender commodities não é o melhor dos mundos, porém necessário, e é peça fundamental da engrenagem econômica do País. Vale ressaltar que a China está cada vez mais aberta a comprar produtos industrializados mundo afora. E a maior prova disso foi a primeira feira internacional de importações, realizada em Shanghai, evento no qual o Brasil foi convidado de honra.
O Brasil, porém, não tem conseguido tirar proveito dessa "boa vontade" chinesa em comprar mais manufaturados de outros países. A venda de produtos manufaturados para o gigante asiático caiu de US$ 1,52 bilhão entre janeiro e outubro de 2017 para US$ 1,33 bilhão nos 10 primeiros meses deste ano. Há potencial de vender mais serviços (como tecnologia da informação), moda, bebidas e café, por exemplo. Mas o que fazer além de vislumbrar o mercado? Os chineses reclamam que os brasileiros pouco conhecem a China. A dica para quem quer realmente ampliar seus negócios com o país é ir até lá, conhecer a cultura, as empresas e os empresários, os importadores e os governantes, de cidades a distritos (que têm grande poder econômico, em alguns casos).
Os chineses dizem que o empresário quer vender e comprar, mas nunca colocou os pés por lá. E lá, boa parte se faz por "guanxi" ou relacionamento. Ou seja, o empresário precisa ir até a China e conhecer mais sobre o gigante asiático. E foi justamente com esse objetivo, de apresentar melhor o país aos brasileiros que o Jornal do Comércio ficou por seis meses baseado em Pequim.

Siga acompanhando a coluna pelo site

Hoje a coluna se despede dos leitores, ao menos fisicamente. O blog Conexão China segue no ar, no site do JC, para que você siga acompanhando a economia, a política, a cultura e as curiosidades do nosso maior parceiro comercial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Thiago Copetti

A convite do Centro Internacional de Imprensa da China, o repórter está participando de um intercâmbio no gigante asiático. No blog Conexão China, apresentará, além de informações econômicas e políticas da segunda maior economia do mundo, também curiosidades culturais e gastronômicas, dicas de turismo e como é o cotidiano da vida em Pequim.