Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 24 de outubro de 2018.
Dia das Nações Unidas - ONU.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 22/10/2018.
Alterada em 24/10 às 11h11min
COMENTAR | CORRIGIR

Importância dos canais para a navegação é debatida em evento

Grande Canal chinês remonta há quase dois mil anos e tem 590 quilômetros

Grande Canal chinês remonta há quase dois mil anos e tem 590 quilômetros


THIAGO COPETTI/ESPECIAL/JC
Maior e mais antiga via de navegação do mundo construída pelo homem, o Grande Canal chinês remonta há quase dois mil anos e tem 590 quilômetros. Ao fazer a interconexão com rios naturais, como Yangtze e o Huai, canal integra quase 2 mil quilômetros de vias navegáveis. Para valorizar a importância econômica, histórica e cultural dos canais em todo o mundo, há 10 anos especialistas se reúnem anualmente na cidade de Yangzhou, província de Jiangsu.
Realizada no início deste mês, o World Canal Cities Forum envolveu dezenas de cidades e países onde essas obras de engenharia se tornaram uma marca. A ideia é debater estratégias, trocar experiências de gestão e preservação das águas, um tema que vem ganhando importância no grupo.
Na edição de 2018 do fórum estiveram, por exemplo, representantes do Panamá, Dislaken (Alemanha), San Antonio (EUA) e Orleans (França), além de líderes de diferentes entidades, como Unesco, e países, como Irlanda. A globalização dos canais se expressa por números: existem grandes canais de navegação em quase 30 países e, em suas margens existem mais de 3 mil cidades.
"Os canais de navegação mudaram processos de produção, agricultura, sistemas industriais, elevaram os níveis da navegação mundial e promovem o desenvolvimento econômico e social ao longo do tempo e em diferentes nações", resumiu Liao Liqiang, diretor do departamento de gestão de assuntos estrangeiros do Ministério de Relações Internacionais da China.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Thiago Copetti

A convite do Centro Internacional de Imprensa da China, o repórter está participando de um intercâmbio no gigante asiático. No blog Conexão China, apresentará, além de informações econômicas e políticas da segunda maior economia do mundo, também curiosidades culturais e gastronômicas, dicas de turismo e como é o cotidiano da vida em Pequim.