Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 14 de julho de 2018.
Feriado na França - Queda da Bastilha. Dia do Propagandista.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 09/07/2018.
Alterada em 14/07 às 16h07min
COMENTAR | CORRIGIR

A fama de má qualidade dos produtos chineses é válida?

Luo Jun explica que produção de baixa qualidade existe porque há demanda de importadores

Luo Jun explica que produção de baixa qualidade existe porque há demanda de importadores


THIAGO COPETTI/ESPECIAL/JC
Pequim

Sim, muitos produtos "made in China", especialmente aqueles de massiva exportação, são de baixa qualidade, e há muitos produtos falsificados. A China, porém, está em uma luta interna para mudar essa história, e investe cada vez mais em pesquisa e desenvolvimento de tecnologia própria e bons produtos.
Aqui, você não verá um chinês "médio" com produtos ruins em mãos. Todos querem bons telefones, boas roupas e tudo original. O "pirata" é vendido, sim, mas facilmente identificado pelos baixos preços. E a qualidade tem seu preço. Aqui, produtos eletrônicos dos bons saem, no máximo, cerca de 30% mais baratos que no Brasil.
Há quem diga que a China manda as coisas ruins para o Brasil e fica com as boas. Não é verdade. São os importadores que compra porcarias. Os bons produtos existem, estão à venda para qualquer um, mas têm seu preço. A produção de baixa qualidade existe, ressalta Luo Jun, diretor-geral do Escritório de Relações Internacionais da província de Guangdong, somente porque há demanda dos importadores.
Luo diz que muitos vêm para a China querendo comprar por cinco yuanes (moeda local), exemplifica, um produto que custaria, normalmente, 10, e o fabricante, erroneamente, aceita a encomenda. "Um produto de cinco yuanes não terá a qualidade de um de 10. No mínimo, será muito mais frágil. Quando chega na mão do consumidor, põe-se a culpa na China. Compradores e importadores também deveriam rejeitar esses produtos", recomenda Luo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Thiago Copetti

A convite do Centro Internacional de Imprensa da China, o repórter está participando de um intercâmbio no gigante asiático. No blog Conexão China, apresentará, além de informações econômicas e políticas da segunda maior economia do mundo, também curiosidades culturais e gastronômicas, dicas de turismo e como é o cotidiano da vida em Pequim.