Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de janeiro de 2021.
Dia Nacional do Fotógrafo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 08 de janeiro de 2021.
Notícia da edição impressa de 08/01/2021.
Alterada em 08/01 às 08h34min

O primeiro salário

"Na memória de todos nós, sabemos quando o salário foi bom, razoável ou ruim", relembra Albrecht

"Na memória de todos nós, sabemos quando o salário foi bom, razoável ou ruim", relembra Albrecht


CLAITON DORNELLES /JC
A gente nunca esquece. Através do tempo, ele variou de acordo com as circunstâncias do momento e do câmbio do dia. O senador petista Paulo Paim vivia pregando salário-mínimo de US$ 100. Hoje ele está em US$ 200 e nem por isso se pode dizer que é confortável. A inflação sempre comeu boa parte da renda dos brasileiros, e chegou até a desvalorizar em 30% em um único mês.
A gente nunca esquece. Através do tempo, ele variou de acordo com as circunstâncias do momento e do câmbio do dia. O senador petista Paulo Paim vivia pregando salário-mínimo de US$ 100. Hoje ele está em US$ 200 e nem por isso se pode dizer que é confortável. A inflação sempre comeu boa parte da renda dos brasileiros, e chegou até a desvalorizar em 30% em um único mês.
Na memória de todos nós, sabemos quando o salário foi bom, razoável ou ruim. E a pergunta-resposta inevitável é qual foi nosso melhor salário. Houve tempo em que algumas categorias ganhavam bem, e depois perderam status e poder aquisitivo.
Um bom exemplo são os bancários, hoje atropelados pela tecnologia. Até a reforma bancária, em 1967, trabalhar em banco significava status e uma boa vida pela frente. O inicial do Banco do Brasil era de 18 salários-mínimos, depois vinha o Banrisul, então chamado de Bergs. Os privados não chegavam perto, mas se podia fazer carreira, o que hoje anda meio desaparecido.
No caso dos bancos gaúchos, havia duas gratificações sobre os lucros, uma em julho e outra em dezembro, mais dois salários anuais, mais o 13º a partir de 1963, projeto do então deputado federal gaúcho Floriceno Paixão.
Quando eu tinha 17 anos, ganhava meio salário-mínimo trabalhando na secretaria do colégio onde estudava. Ao completar 18, entrei no Banco da Província como contínuo, o boy de hoje, ganhando um salário-mínimo, que era de 11,6 mil cruzeiros. Uma semana depois, ele subiu para 36 mil cruzeiros mais gratificações.
Rapaz, subi aos céus da euforia. Estava anos luz de comprar carro, essas coisas, mas dava para ficar arrumadinho e cheirosinho. Comecei a tirar o brevê no Aeroclube de Montenegro, comprei um pulôver preto com listas vermelhas e um par de sapatos zero bala na Casa Müller.
Lembro que fiquei tão contente que perguntei para meu pai se ele precisava de uma ajuda financeira. Ele riu. Bom, pensei, fiz o que tinha que ser feito.
No dia do primeiro pagamento, que foi acompanhado por um talão de cheques, não teve mulher pobre na cidade. Eu era rei.
O melhor salário é sempre o primeiro que se recebe.

A dura vida do seu José

PG3 A dura vida do Seu José no Centro de Porto Alegre

FERNANDO ALBRECHT/ESPECIAL/JC
Com 75 anos na cacunda, seu José vive dos trocados que recebe dos passantes da Rua da Praia, perto da General Câmara. Os olhos azuis intensos começam a desbotar, seu arremedo de pandeiro já perdeu até as argolas, e mesmo assim ele o chacoalha no ritmo de uma música que só ele ouve. Triste sina.

Vai passar I

A democracia americana vai resistir, porque é muito mais sólida do que milícias insufladas por um bilionário birrento que deve ser castigado. Mas daí a dizer que ela está em perigo, vai uma distância enorme. Ela tem anticorpos. Arranhões que se transformam em fraturas geralmente acontecem em países latinos, entre outros.

Vai passar II

Uma das provas foi o fato de as bolsas americanas não terem sofrido grandes abalos, e ontem mesmo já abriram em alta. Os Estados Unidos convivem com dezenas, talvez centenas de milícias radicais armadas até os dentes. Elas ficam no seu quadrado, mas quando saem dele, a resposta é dura, o que deverá acontecer.

Menu rotativo I

Com o preço salgado da carne bovina, o prato do dia e os bufês de comida a quilo vem oferecendo as seguintes variações sobre o mesmo tema: 1) frango à parmegiana; 2) filé (?) de frango grelhado; 3) filé de frango à milanesa; 4) coxa e sobrecoxa; 5) risoto de frango feito com o que sobrou do dia anterior.

Menu rotativo II

Antes do frango ficar barato, a partir do início dos anos 1970, com o frango nos espetos rotativos nas máquinas conhecidas como televisão de cachorro, dizia-se que, quando pobre comia galinha, um dos dois estava doente. No máximo, galinhada com galinha na terceira idade.

Rei morto, rei posto

Elon Musk (Tesla) suplantou Jeff Bezos (Amazon) e é o homem mais rico do planeta, com patrimônio líquido de US$ 188 bilhões. Grande coisa, como se diz na Fronteira Oeste, amanhã aparece outro mais rico anda. Provavelmente um chinês comunista.

Invasão

Um lagarto com cerca de um metro de comprimento apareceu no estacionamento da colenda porto-alegrense. As aparições deste réptil estão se tornando comuns em vários bairros da cidade. Leitores tem enviado relatos com frequência.

Miúdas

  • FECHARAM um bingo em Capão da Canoa. Fechá-los é como enxugar gelo.
  • ANAC autorizou a americana Southern Air a operar no Brasil.
  • POR enquanto, pequenos negócios só pegam no tranco. Está difícil.
  • QUANDO se pergunta como vão os negócios, a mão faz o sinal de mais ou menos.
  • GRÃO Natural, uma das lojas de produtos naturais mais antigas do Rio Grande do Sul, está completando 15 anos.
  • PAULO José Kolberg Bing e Carlos Alberto Abbud tomaram posse como presidente e vice do Grêmio Náutico União.

Palanque grátis

Me desculpem, mas parlamentar que reduz seus subsídios quer é palanque gratuito disponibilizado pela mídia. Começa que ele não pode reduzir, só pode doar.

Comentários CORRIGIR TEXTO
Fernando Albrecht
Fernando Albrecht
Informações exclusivas em notas curtas, objetivas e bem-humoradas. Bastidores da política, observações econômicas, causos do cotidiano e um olhar diferenciado sobre a vida urbana estão na coluna Começo de Conversa.