Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de março de 2020.
Notícia da edição impressa de 25/03/2020.
Alterada em 24/03 às 21h49min
COMENTAR | CORRIGIR

E restaram as pombas...

MARCO QUINTANA/JC
O antes movimentado Parque da Redenção está às moscas. Ou melhor, às pombas. Foram elas que ocuparam os disputados bancos do principal parque de Porto Alegre. Que anda vazio, mesmo nestes dias ensolarados.
O antes movimentado Parque da Redenção está às moscas. Ou melhor, às pombas. Foram elas que ocuparam os disputados bancos do principal parque de Porto Alegre. Que anda vazio, mesmo nestes dias ensolarados.

Nova coluna

Na véspera do aniversário de Porto Alegre, o Jornal do Comércio abre espaço para uma nova coluna. "Pensar a cidade" vai abordar temas relacionados a urbanismo, planejamento e desenvolvimento. A competente jornalista Bruna Suptitz é a colunista da nova página semanal do JC - nas quartas-feiras no impresso. O material também será publicado em www.jornaldocomercio.com/pensaracidade.
 

Tudo na meia luz I

Com os testes do coronavírus apenas em casos mais graves, nunca saberemos qual o número de infectados, até porque a maioria teve apenas sintomas leves, um pouco de febre - como uma gripe comum.

Tudo na meia luz II

Muita gente apresentou esses mesmos sintomas antes do alarme geral. Com isso, também se altera a relação entre o número de casos e o percentual de óbitos - estes, mais precisos ou menos imprecisos. Ou seja, a taxa de óbitos por número de casos deve ser bem menor.

Na carona do corona

Alguns parlamentares estão surfando na onda da Covid-19. Sugerem leis demagógicas ou simplesmente fora do contexto. Felizmente, até agora, não há registro de algum político dizendo que é contra o coronavírus.

Mal de conta

Saiu na rede que o número de infectados tem 62% do sexo masculino e 38% do sexo feminino. O que explica a diferença?

Capitalismo humano

Leitor teve grata surpresa com a plataforma Airbnb. Ele tinha alugado uma casa em Garopaba e quis cancelar por motivo óbvio. O prazo de cancelamento vencera há quatro meses, portanto, perderia o dinheiro. Por desencargo de consciência, consultou a plataforma. Para sua surpresa, ofereceram a devolução do dinheiro em razão da Covid-19.

Solidariedade em rede

Bons exemplos vão pipocando por todos os lados. A Petrobras doou 600 mil kits de detecção do coronavírus para o SUS. É gritante a diferença entre a cultura de desprendimento das empresas de décadas atrás com a de hoje, mesmo antes do coronavírus. O universo empresarial introjetou a ideia de que é preciso agradecer ao cliente, portanto fidelizá-lo. Mas também se observa o desprendimento especialmente em tempos de crise.

Ô de casa!

Devemos ficar em casa, certo, mas não são poucos os casos em que se fica entre a cruz e a espada. Se todos ficarem em casa, quem leva comida para casa?

Eleição no Clínicas

Em meio ao combate ao coronavírus, o Hospital de Clínicas de Porto Alegre está realizando sua eleição interna, que definirá o dirigente da instituição nos próximos anos. São dois candidatos: a atual presidente, Nadine Clausell, e o ex-presidente Amarilio Vieira de Macedo Neto. Leia matéria sobre o pleito no site do JC.

Aqui se faz, aqui se paga

O governo federal errou quando deixou o dólar subir no desejo do "câmbio alto" sem precisar o que seria alto. A opinião é do economista Sidnei Souza Nehme, na NGO. Já então havia saída massiva do capital estrangeiro. E com o vírus, deu no que deu.

O pai da criança

O governo Jair Bolsonaro e ele próprio podem ter uma montanha de defeitos, mas não têm a capacidade de criar vírus. A julgar pelo que se diz nas redes sociais, Bolsonaro não só criou como ainda importou o coronavírus. No Facebook, o inimigo parece ser ele, e não o vírus.

Vira boi, vira boiada

Mesmo que às vezes dê a impressão, o povo brasileiro não chegou a ser boi. Comentarista de TV sugeriu que fôssemos confinados, técnica usada para engordar o gado, como disse o leitor Waldyr Borges Júnior.

Ranking enganoso

A lista dos países com maior número de casos e taxa de letalidade pode ser enganosa, porque não leva em consideração as respectivas populações. Uma coisa são mil casos em uma população de 10 milhões. Outra, numa com 100 milhões. Só a cidade de São Paulo quase equivale à população do Rio Grande do Sul.

COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Fernando Albrecht
Fernando Albrecht
Informações exclusivas em notas curtas, objetivas e bem-humoradas. Bastidores da política, observações econômicas, causos do cotidiano e um olhar diferenciado sobre a vida urbana estão na coluna Começo de Conversa.