Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 13/01/2020.
Alterada em 12/01 às 20h28min
COMENTAR | CORRIGIR

Os livros e as bruxas I

Jornalista montou banca/balaio com livros na plataforma de ônibus da Praça Parobé

Jornalista montou banca/balaio com livros na plataforma de ônibus da Praça Parobé


AyRES CERUTTI/DIVULGAÇÃO/JC
O jornalista Ayres Cerutti, da Revista Programa, quis fazer uma ação inusitada: promover o livro para quem não visita livrarias. Aquela história da montanha ir a Maomé. Carregou uma banca/balaio com livros cedidos pela Nova Roma e se foi para a plataforma de ônibus da Praça Parobé, Centro Histórico. Não demorou muito e chegou a Guarda Municipal.
O jornalista Ayres Cerutti, da Revista Programa, quis fazer uma ação inusitada: promover o livro para quem não visita livrarias. Aquela história da montanha ir a Maomé. Carregou uma banca/balaio com livros cedidos pela Nova Roma e se foi para a plataforma de ônibus da Praça Parobé, Centro Histórico. Não demorou muito e chegou a Guarda Municipal.
- O senhor tem autorização? 

Os livros eas bruxas II

Ele não a possuía, claro, então explicou a ideia, que não convenceu os guardiões da lei municipal, mas lhe deram 20 minutos de tolerância. Nesse tempo, vendeu dois livros por cinco pilas e quase vendeu um terceiro se o tivesse: uma mulher grávida queria livro de bruxa. Imagina se todos os camelôs e ambulantes que não ambulam vendendo coisas legais e ilegais fossem perquiridos sobre a licença que supostamente deveriam ter.

Inflação dupla

A divulgação da inflação oficial de 4,3% em 2019 vai gerar uma série de aumentos e correções. Até nisso o brasileiro é diferenciado. Já aumentam os preços antes de a inflação ser oficializada e, novamente, o fazem depois. Preventiva e corretiva. Sempre a mais, claro. 

Fácil, fácil

É fácil ganhar dinheiro com uma peça medíocre no Brasil. Basta criar um conteúdo ofensivo para essa ou aquela crença e esperar a proibição, depois anulada pelo Judiciário. Algo que teria repercussão limitada se transforma em uma notícia nacional e até mundial. E sem investir um só pila em publicidade. 

No ar

Com a nova legislação, os sindicatos estão fazendo das tripas coração para se manter. O Sindicato dos Radialistas-RS está convocando a categoria para decidir, no dia 16, a venda da sua sede na rua Barão de Teffé, 262. 

Redução tributária

A propósito da nota sobre os penduricalhos tributários das contas da CEEE, o leitor Cid Krahn sugere a criação de uma CPMF com alíquota variável para substituir todo o cipoal tributário. Por ser insonegável, evitaria caixas-2 e traria benefícios gerais especialmente para quem ganha menos. A questão é: toda a cadeia pública e privada que vive desse cipoal gostaria da ideia? Cabe lembrar que, de R$ 100,00 arrecadados pelos tributos federais, apenas R$ 12,00 chegam ao seu destino final.

Não estamos sós

"O atual presidente encontrou o Judiciário, como outros segmentos do País, com um funcionamento mais como órgão de um governo do que como um órgão de Estado. No caso da Justiça, os fatos são públicos, e levará muitos anos, ou até gerações, para fazer com que o Judiciário federal se paute mais pela Constituição do que por pontos de vista pessoais de seus membros."
Não, não é o Brasil, trata-se dos Estados Unidos. Saiu no jornal norte-americano BRT. 

O menino malvado

Nos anos 1980, houve uma seca braba que obrigou a prefeitura da Capital a usar caminhões-pipa para molhar alguns canteiros de avenidas, tão esturricadas que estavam as plantas e até arbustos. Na época, o Executivo municipal podia dar atenção até a detalhes como esse. Houve um ano, 1982, em que a temperatura era a mesma das últimas semanas, quente como o diabo de dia e ligeiramente "frio" de noite. No início do ano, terminou a moleza. Depois, veio uma enchente daquelas. Foi a primeira vez que se ouviu falar de El Niño e La Niña, e de seus efeitos no continente.

A faltaque ela faz I

As idas e vindas sobre o valor do DPVAT trilhadas pelo presidente do Supremo, Dias Toffoli, mostram como as excelências em geral não têm a mínima ideia dos dissabores que causam ao contribuinte com sua caneta oscilante. No Olimpo, onde moram, essas coisas vãs são resolvidas por prestimosos auxiliares, que nem ousam incomodar o chefe com picuinhas burocráticas típicas da plebe rude. É quem paga as contas, afinal. 

A faltaque ela faz II

Não é por maldade que agem assim os Poderosos da Caneta. Se comportam dessa forma porque o céu dos semideuses fica muito longe da superfície. É como um faraó se preocupar com a falta de barro de um oleiro. Poderia ser diferente se descessem à terra de vez em quando. Falta-lhes conversa de bar, metafórica e fisicamente falando. Ouvir a conversa de frequentadores do pé-sujo da esquina bebendo uma cachacinha abriria novos horizontes. 

A morte como banalidade

Mais três pessoas morreram em acidente na BR-290, na sexta-feira, em Minas do Leão. Só no Brasil a duplicação de uma rodovia com intenso movimento como essa não é questão de honra para um governo - governos, pois ninguém fez nada quando essa condição se fez premente. Chegará o tempo em que o trânsito será tão intenso que a pessoa que mora de um lado não conseguirá ir para o outro. 

Imposto canino

O jornal suíço Le Temps mostra que, por lá, os donos dos cães pagam imposto, informação passada pelo leitor Alexandre Henrique Gruszynski. Mas nem todos gostam, então haverá plebiscito sobre o tema. Ele acha que seria razoável copiar a ideia para compensar a sujeira feita pelos donos que não recolhem os dejetos e deixam os pets urinarem nas paredes e nos portões dos prédios. 

O partido do vice

O PRTB (Partido Renovador Trabalhista Brasileiro), legenda do General Hamilton Mourão, está no Rio Grande do Sul com nova comissão executiva estadual, nomeada pelo presidente nacional do PRTB, Levy Fidelix. A comissão estadual é presidida por Marco Dangui Pinheiro. O nome remete ao partido MTR - Movimento Trabalhista Renovador (sigla que tinha como slogan "o partido de mãos limpas"), criado pelo dissidente do antigo PTB, sigla fundada por Getúlio Vargas e Fernando Ferrari no início dos anos 1960. 

Miúdas

NOS últimos dias, sopraram ventos abrasadores. Ar-condicionado, hoje, é artigo de primeira necessidade.
O QUE seria dos elevadores e dos consultórios sem conversas de estranhos sobre o tempo iniciando por "hoje tá demais!"?
CAFÉ com leite em lancherias é o famoso 3 em 1. Tem leite, café e a água com que se prepara a rubiácea.
PESSOA mais importante de Gramado, hoje, é motorista de caminhão-pipa. O autor da blague é o jornalista Miron Neto.
POSTO de emissão de passaportes no Shopping Praia de Belas é elogiado por leitores.
DEU para molhar as plantas, mas, para repor os mananciais, São Pedro precisa ter mais tenência. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia