Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de novembro de 2019.
Dia Mundial da Televisão. Dia da Homeopatia e Dia do Homeopata.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 20/11/2019.
Alterada em 20/11 às 08h48min
COMENTAR | CORRIGIR

Um outro olhar

CHRISTIAN ALBRECHT/DIVULGAÇÃO/JC
Quando todo mundo olha para dentro, é hora de alguém olhar para fora para ver o panorama visto da ponte. No caso, da Arena do Grêmio. Acostumados em ver só o jogo, quase ninguém se lembra que um outro mundo é possível, o mundo do trevo de acesso da BR-448 em toda sua complexidade.
Quando todo mundo olha para dentro, é hora de alguém olhar para fora para ver o panorama visto da ponte. No caso, da Arena do Grêmio. Acostumados em ver só o jogo, quase ninguém se lembra que um outro mundo é possível, o mundo do trevo de acesso da BR-448 em toda sua complexidade.

Entrando pelo canudo

Lei draconiana mesmo é a proibição do uso do canudo pela Câmara de Vereadores de Lagoa Vermelha. Fica proibida a comercialização e a utilização de canudos de plástico - exceto os biodegradáveis - em qualquer estabelecimento do município. As multas começam com 10 VRM (Valor de Referência Municipal), o que dá R$ 122,44, e vai até 50 VRM. Depreende-se que o usuário flagrado bebendo algum líquido com canudo também será multado. Vão ter que criar o pardal do canudo para dar conta.

Leis, ora as leis

O fato de a Câmara de Vereadores ter aprovado lei que proíbe a atuação dos flanelinhas é o mesmo que zero. Em primeiro lugar, há dúvidas sobre a regulamentação e como a Guarda Municipal faria a fiscalização. Nem que ela triplicasse seu efetivo teria como coibir os guardadores de carros, especialmente em dias de shows, jogos etc. Quem os segura? Uma lei? Não nos façam rir. Sem falar que há o perigo de parte deles se tornarem agressivos e descarregarem nos carros.

Recuar para frente

O presidente do STF, Dias Toffoli, recuou e não exige mais os dados confidenciais de 600 mil pessoas que ele obrigou o ex-Coaf a fornecer. Ele teve todos esses dias para copiar os dados solicitados ou, pelo menos, dar uma boa escarafunchada neles, ora bolas. Então, que recuo é esse, cara-pálida?

Festival de cores

O Inep anulou uma questão da prova de ciências humanas e suas tecnologias da aplicação regular do Enem: a questão 90 do Caderno Azul; questão 78 do Caderno Amarelo; questão 66 do Caderno Branco e questão 72 do Caderno Rosa. O Inep identificou que a referida questão fez parte do Caderno de Questões Braile e Ledor da aplicação do Enem 2018 (questão 56 do Caderno Laranja). Ah, bom, bem fácil de entender.

Poluição aérea

Quando, há anos, os primeiros drones alçaram voo, a página já advertia que haveria um congestionamento aéreo causado por essas engenhocas, e que, mais cedo ou mais tarde, as autoridades perderiam o controle do seu uso. Dito e feito. Agora, a Infraero se diz preocupada com eles e alerta para o risco de acidentes. Em 2018, o número deu um salto de 55%, e estima-se que, hoje, eles somem mais de 70 mil cadastrados. Fora os piratas.

Não lembraram de mim

Hoje, todos festejam o aniversário do gol mil de Pelé, mas, na época, o criticaram acerbamente porque, depois do gol, ele chorou copiosamente e soltou a frase "lembrem das criancinhas". Essas palavras foram motivo de escárnio de boa parte da esquerda, afirmando que o milionário Pelé estava fazendo demagogia. O Brasil sempre foi ruim.

Coworking na colenda

A Câmara Municipal de Porto Alegre inaugura, em novembro, um novo espaço de convivência destinado aos mais de 600 servidores públicos municipais, que, agora, ganham um espaço de coworking, com cozinha coletiva e vestiários. A instalação foi idealizada e executada durante a gestão do então presidente do Legislativo, vereador Valter Nagelstein (MDB).

Titulo n Causa justa ota capitulada

S e a iniciativa privada promove avaliações de desempenho dos seus funcionários, por que o funcionalismo público não deveria passar por ela? Mais ainda pela própria definição de "público". Afinal, quem paga essa conta é o contribuinte.

Miúdas

  • TÃO logo o dólar caia, um monte de gente terá ganho um montão de dinheiro e um montão de gente terá perdido um montão de dinheiro.
  • REDES sociais podem não ter esse poder todo para eleger sozinhas um candidato. Mas podem destroçá-lo.
  • STJ bloqueia R$ 581 milhões resultantes de venda de sentenças na Bahia, informa Fausto Macedo, colunista do Estadão.
  • EM função de processos judiciais, existem R$ 149 bilhões em obras públicas paralisadas, informação do CNJ.
  • NO Brasil, irregularidades sempre se medem em centenas de bilhões. Só o que é medido em alguns mil reais é o salário do contribuinte.
  • DA série Onde Andará: faz tempo que a imprensa esportiva não usa mais "estado anímico" do time ou do jogador.

Finais

  • MAGIFÓRMULA Farmácia de Manipulação, na avenida Getúlio Vargas, 1.107, de Oiara Hoffmann, completa, amanhã, 15 anos de atividades.
  • TEUTÔNIA recebe, dia 28, o I Fórum Internacional de Agronegócio 4.0.
  • CALÇADOS Bibi inaugura o primeiro quiosque no estado de Santa Catarina, em Chapecó.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia