Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 24 de julho de 2020.
Notícia da edição impressa de 07/11/2019.
Alterada em 06/11 às 21h49min

A fenda

ALEXANDRE GARCIA MARTINS/DIVULGAÇÃO/JC
A população já se acostumou com os contêineres - lembram quando tocavam fogo neles? -, mas os contêineres não se acostumaram com a população. Esse exemplar, colocado na rua Barros Cassal, 190, é um atentado ao bom senso e à mobilidade. Para começar, como é que um cadeirante passaria pelo espaço mais estreito que sanga no verão? Voando?
A população já se acostumou com os contêineres - lembram quando tocavam fogo neles? -, mas os contêineres não se acostumaram com a população. Esse exemplar, colocado na rua Barros Cassal, 190, é um atentado ao bom senso e à mobilidade. Para começar, como é que um cadeirante passaria pelo espaço mais estreito que sanga no verão? Voando?
 

Trinca de damas I

O Tá na Mesa de ontem, da Federasul, reuniu três mulheres bem-sucedidas em suas áreas. Maria de Lourdes Anselmi (à esquerda, na foto abaixo), da malharia de mesmo nome, de Farroupilha, contou que saiu da colônia e estudou já adulta. "Tudo que tenho é porque sou curiosa" e "vamos deixar de ser moscas para ser abelhas". Liana Bazanela (ao centro), presidente da Associação Riograndense de Propaganda, focou a nova cultura na relação agência-cliente. Em vez de meios de comunicação de massa, ela prefere "massa dos meios de comunicação".

Trinca de damas II

pg3 Helen Machado (Carris) Liana Brazanela (ARP) Maria de Lourdes Anselmi (Malharia Anselmi) - Rosi Boninsegna

ROSI BONINSEGNA/DIVULGAÇÃO/JC
Já a presidente da Carris, Helen Machado (à direita), é um caso à parte. Tirar uma empresa pública da ineficiência e passar do vermelho para um balanço azul é uma senhora façanha. Helen é uma executiva do mercado, não indicação política, que, aliás, explica os sucessivos prejuízos anteriores com gestores "nada a ver". Ela contou que sentiu o tamanho da bronca com funcionários cujo único objetivo na vida era se aposentar. Enfim, ela é A CARA. E seja quem for o novo prefeito, entrará errando se a tirar do cargo e errará em dobro se colocar um político.
 

Alto risco

O pouco caso que petroleiras internacionais demonstraram no leilão do pré-sal pode ter causa mais profundas. Há vários fatores envolvidos, como o alto custo de exploração, o risco de não achar nada ou pouco, o veloz avanço das energias alternativas, a diminuição do uso de motores de combustão interna. Petróleo é um negócio a longo prazo, e o mundo está mudando a curto prazo.

Por falar em mudanças...

...vem ao caso o que falou o presidente da Opep quando do primeiro choque do petróleo, em 1973. O xeique Yamani desdenhou os protestos do mundo automotivo dizendo que o mundo ainda aplaudiria a Opep, porque o alto preço dos combustíveis forçaria pesquisas por energias alternativas. "Mas não se enganem. A última gota do petróleo não será usada no automóvel, será usado na petroquímica."

Banquete de mendigos

Desde que começou a onda de emancipação dos municípios, sabia-se que muita bananeira não daria cacho, como não só não deu como derrubou a bananeira. Economistas como o gaúcho Roque Klering diziam que a multiplicação de pequenos municípios evitaria o êxodo para a cidade grande. Se assim foi, por outro lado, a maioria dos emancipados não tinha as mínimas condições de sobrevivência. Voltar ao município-mãe pode ser apenas um banquete de mendigos.

O fim da boca livre

Nestes tempos bicudos em que até jacaré nada de costas para não ser comida de piranha, os políticos fazem das tripas coração para vender seu peixe. O deputado Sebastião Melo promove, neste sábado, um churrasco e bate-papo sobre seu mandato, mostrando e ouvindo. Só que cada um leva sua carne para compartilhar, sistema chamado "encosta-carne". Isso, sim, que é assado comunitário.

Titulo Os imperdoáveis nota capitulada

Por melhor que seja um conjunto de medidas para melhorar a economia, tudo esbarra no Congresso. No choque, ficam mais cacos que coisas inteiras. É o que vai acontecer com o pacote do Guedes. Suas excelências são peritas em destruir o que é bom e multiplicar o que não presta.

Miúdas

  • ALGUNS postos de combustíveis estão oferecendo serviço de tele-entrega de gasolina em pequenos recipientes. Prático, mas perigoso.
  • UMA das mais conhecidas Leis de Murphy diz que nada está tão ruim que não possa piorar. O Inter é o exemplo perfeito.
  • NUNCA, na história do clube, um presidente como Marcelo Medeiros herdou tamanha soma de pepinos.
  • BANCO Central prepara pacote para baixar os juros do cheque especial. Bom, agora, sim, estão falando nossa língua.
  • NOS tempos do carburador, era o motor e sua regulagem que mostravam defeito já na saída da fábrica.
  • HOJE, motor praticamente não dá galho. Em compensação, a parte elétrica/eletrônica é um festival de erros. Muita luzinha.
  • REFLEXÕES de um ET: Não entendo os terráqueos: gastam um monte de dinheiro para comprar calças rasgadas.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Fernando Albrecht
Fernando Albrecht
Informações exclusivas em notas curtas, objetivas e bem-humoradas. Bastidores da política, observações econômicas, causos do cotidiano e um olhar diferenciado sobre a vida urbana estão na coluna Começo de Conversa.