Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de outubro de 2019.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 25/10/2019.
Alterada em 24/10 às 21h41min
COMENTAR | CORRIGIR

A vida futura

MAURO VIEIRA/DIVULGAÇÃO/JC
Menina dos olhos do ministro Osmar Terra há décadas, o Criança Feliz do titular da pasta da Cidadania foi apresentado no Fórum de Desenvolvimento, organizado pelo Centro para Pesquisa Internacional sobre Desenvolvimento, organização do Conselho de Estado da China. Terra reafirmou que o governo federal aposta no desenvolvimento integral das crianças, principalmente na primeira infância, de zero a três anos, período que define a sua qualidade de vida futura.
Menina dos olhos do ministro Osmar Terra há décadas, o Criança Feliz do titular da pasta da Cidadania foi apresentado no Fórum de Desenvolvimento, organizado pelo Centro para Pesquisa Internacional sobre Desenvolvimento, organização do Conselho de Estado da China. Terra reafirmou que o governo federal aposta no desenvolvimento integral das crianças, principalmente na primeira infância, de zero a três anos, período que define a sua qualidade de vida futura.
 

O boi manco

Do ponto de vista constitucional, está correta a prisão de réu só depois de esgotados todos os recursos, mais de 30, até o fim do mundo e mais além. A saída seria limitar o número de recursos e fixar prazo. Mas, na terra de Macunaíma, é difícil. Tudo que for para complicar anda a jato, mas, para descomplicar, a velocidade é de carroça com apenas um boi. E manco.

Proteção contra vazamentos I

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que começa a vigorar em 2020, é realmente geral. Impossível captar o enorme leque do que pode e do que não pode. A advogada Fernanda Girardi Tavares abordou o tema na reunião-almoço desta quinta-feira na Câmara Brasil Alemanha. Vai ser um desafio para as empresas emissoras de mensagens do e-commerce como até nas relações condominiais.

Proteção contra vazamentos II

Para se ter uma ideia da complexidade da LGPD, a lista de informações que podem ser enviadas sem anuência do receptor é muito mais curta que a lista do que não pode. Certo é que dados pessoais, como CPG, Carteira de Identidade, Título de Eleitor etc. não podem ser capturados. Preparem-se para uma drástica diminuição de spams e um aumento enorme de solicitações para envio dessas mensagens, como a página comentou na quinta-feira.

Um novo nicho

Não precisa ser adivinhão para prever desde já um enorme mercado para especialistas em LGPD, advogados ou não. E como em tudo nesta Pátria Amada Brasil, espertalhões usarão a desinformação das pessoas para auferir vantagem que o receptor não quer, mas cai na conversinha de sempre.

Dia do Fico

A nove meses do final do seu mandato como presidente da Fiergs/Ciergs, Gilberto Porcello Petry se disse surpreendido ao saber, na reunião do Conselho de Representantes, que havia 99 pedidos para que continue no comando. Petry se disse surpreso ao saber desse apoio. Vai ter que encarar, presidente. Faça como D. Pedro I. Diga ao povo que fica.

Saúde bucal

Para marcar a passagem do Dia Nacional da Saúde Bucal, Panvel e Colgate se juntaram para realizar, nesta sexta-feira, uma ação na AACD, no bairro Jardim do Salso. Serão entregues 700 kits para crianças e adolescentes atendidos pela instituição

Historinha de sexta

Parcerias entre pessoas e animais são comuns, mas parceria com aves para ganhar dinheiro é incomum. Pois foi o caso de um funcionário do governo do Estado chamado Abel. O causo como causo aconteceu nos anos 1950, no tempo em que o plástico mal engatinhava. Daí que empresas e pessoas tinham que utilizar metais ou madeira para uma série de fins que hoje são usados a rodo. O inventor do plástico a partir da nitrocelulose foi o químico inglês West Midlands, em 1855. A nossa CMPC tem expertise nisso, para utilização até em cápsulas de medicamentos.

Mas a preocupação do Abel era outra. Limpar osso dá um trabalhão danado e é exaustivo. Ou se faz manualmente, ou com uso de corrosivos. De qualquer forma, é caro. Então ele teve uma ideia. Morador de Gravataí, que, na época, tinha mais mato e campo do que casa, o hoje auditor fiscal recolhia bichos mortos e depositava os restos mortais de bois, vacas e outros animais numa área longe da cidade. Obviamente os urubus vinham de longe para se banquetear - essa ave de rapina sente cheio de carne podre a quilômetros.

Peritos em limpar carcaças, a ponto de não sobrar meio grama de carne ou couro, os lixeiros da natureza deixavam a matéria-prima do Abel brilhando no melhor estilo pobre mas limpinho. Assim que a força aérea terminava o serviço, Abel levava os ossos para seu destino final. Quanta gente usou pente e botão com acabamento feito pelos urubus do Abel. Fosse hoje, seria acusado de usar mão de obra escrava.

Titulo nota capitulada

Ainglesa PriestmanGoo vem desenvolvendo protótipos para refeições nos voos comerciais em que até as bandejas são comestíveis, incluindo tampas e embalagens produzidas com algas ou folhas de banana. A informação é do site Conexão Planeta. É melhor não dar ideia, porque periga as aéreas servirem apenas as bandejas.

Miúdas

  • LEI inútil: a colenda e o Contran decidiram abolir a horrorosa imagem pictórica de idosos com bengala e encurvado por outra com "60 ".
  • CONTINUA em todos os estacionamentos. Uma das exceções é o Shopping Lindoia, que teve essa sensibilidade há muito tempo.
  • LEI que seria útil, mas ainda não foi criada: placa da moto pintada no baú da tele-entrega. Pintam e bordam sabendo que não dá tempo de visualizar a placa.
  • ALIÁS, a placa das motos é tão pequena que poderia ser usada como descrição de pratos com camarão miúdo: onde estás que não te vejo?
  • TINHA razão aquele executivo alemão que disse ao colunista que invejava o Brasil. É porque aqui falta fazer tudo, explicava.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia