Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de maio de 2019.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça Eleitoral

Edição impressa de 07/05/2019. Alterada em 07/05 às 03h00min

Atuação de juízes federais em vara eleitoral causa polêmica no TSE

A atuação de juízes federais em varas eleitorais, com objetivo de julgar crimes comuns conexos a crimes eleitorais, foi alvo de controvérsia em audiência pública realizada na sexta-feira no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A sessão colocou em lados opostos entidades representativas da magistratura e presidentes de tribunais regionais.
A questão veio à tona após o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) ter decidido, em março, que cabe à Justiça Eleitoral julgar casos que envolvam simultaneamente caixa-2 de campanha e outros crimes conexos, como lavagem de dinheiro e corrupção, que até então vinham sendo julgados pela Justiça Federal, no âmbito de operações como a Lava Jato.
A decisão do Supremo causou polêmica no meio jurídico, após críticas de procuradores e juristas de que a decisão abriria uma brecha para a impunidade. O principal argumento dos críticos é o de que a Justiça Eleitoral, cuja primeira instância é hoje composta exclusivamente por juízes estaduais, não teria recursos suficientes para julgar um grande número de processos envolvendo crimes complexos de competência federal.
Para lidar com a questão, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao TSE que permita a atuação de juízes federais em varas eleitorais, posição que é defendida pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe).
"Nós temos que encarar essa realidade, a Justiça Eleitoral precisa ter uma restruturação adequada para que possa julgar crimes que não foram concebidos para a sua estrutura", disse o presidente da Ajufe, Fernando Mendes. "A principal proposta é que dentro de uma zona eleitoral possam trabalhar dois juízes, um juiz estadual e um juiz federal", acrescentou.
Já o presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros, Jayme de Oliveira, foi contra a proposta. "O combate à corrupção no Brasil não é titularidade de algumas pessoas e de alguns juízes, ela é de toda a magistratura brasileira", defendeu.
Para Oliveira, a Constituição é clara ao dar exclusividade ao juiz estadual para atuar nas varas eleitorais, que são a primeira instância da Justiça Eleitoral. "Não há nenhum problema (juiz federal atuar na esfera eleitoral), desde que alterada a Constituição", ponderou.
Para os defensores da atuação dos juízes federais nas varas eleitorais, a expressão "juízes de direito", que na Constituição especifica os magistrados que devem atuar nas varas eleitorais, poderia ser interpretada de modo a incluir juízes federais, e não somente os estaduais, como é o entendimento corrente.
"Nós colocaríamos o juiz federal em reforço. Ficariam lá dois juízes, não há nada de anormal", defendeu o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí, Rocha Sobral. "Não adianta jogar palavras ao vento, dizendo que há essa estrutura (para julgar crimes complexos), não há", disse.

Próximos passos serão decididos por Rosa Weber

O ministro do TSE Og Fernandes pretende entregar em 14 de maio um relatório para a presidente do tribunal, ministra Rosa Weber, a quem caberá decidir sobre os próximos passos. Há no TSE ao menos dois pedidos, da PGR e da Ajufe, para que seja permitida a atuação de juízes federais em varas de primeira instância.
Por se tratar de questão constitucional, é possível que a atuação de juízes federais em varas eleitorais seja discutida ainda no Supremo, onde ao menos um ministro, Alexandre de Moraes, já se manifestou publicamente no sentido de que para isso seria necessário modificar a Constituição.
 
leia mais notícias de Jornal da Lei
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia