Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Edição impressa de 12/02/2019. Alterada em 12/02 às 01h00min

Trabalho das Corregedorias deve ser fortalecido para o bem da sociedade, afirma Martins

"O papel do Judiciário na sociedade a cada dia cresce de importância e, por isso, todos os olhos estão voltados para ele. Os cidadãos, os órgãos dos outros Poderes da República, a imprensa, enfim, todos se voltam para as decisões proferidas no âmbito dos processos judiciais e, consequentemente, também para a postura dos magistrados, em sua vida pública e privada." A afirmação foi feita pelo corregedor nacional de Justiça, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Humberto Martins, na abertura do 80º Encontro do Colégio Permanente de Corregedores-Gerais dos Tribunais de Justiça do Brasil, na quinta-feira passada, em Recife.
Martins proferiu a conferência inaugural do evento e afirmou que a atuação das Corregedorias deve ser, principalmente, de orientação e prevenção, buscando a melhoria e a modernização das atividades administrativas e jurisdicionais. "Sempre afirmo que a função das corregedorias judiciais é muito mais ampla do que a de um órgão sancionador, de aplicador de penalidades. Elas devem atuar como órgãos de orientação e controle, de forma a assegurar que o Judiciário exerça o papel que lhe foi traçado pela Constituição e que a sociedade brasileira espera", ressaltou o corregedor.
leia mais notícias de Jornal da Lei
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia