Porto Alegre, terça-feira, 26 de abril de 2022.
Dia de Prevenção e Combate à Hipertensão.
Porto Alegre,
terça-feira, 26 de abril de 2022.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Meio Ambiente

- Publicada em 26/04/2022 às 03h00min.

Construção gera cerca de 70 mil caçambas de resíduos

Em Porto Alegre, cada empresa do segmento recolhe, em média, 2 mil m³ de caliça mensalmente

Em Porto Alegre, cada empresa do segmento recolhe, em média, 2 mil m³ de caliça mensalmente


MARCELO G. RIBEIRO/ARQUIVO/JC

Em média, uma empresa que recolhe resíduos sólidos provenientes da construção civil, encaminha mensalmente para reciclagem 2 mil m³ da chamada caliça . São cerca de 500 caçambas a cada 30 dias. Sem contar com o serviço clandestino, o movimento pode ultrapassar 70 mil caçambas/mês. Os dados são da Associação dos Transportadores de Caçambas Estacionárias de Porto Alegre.

Em média, uma empresa que recolhe resíduos sólidos provenientes da construção civil, encaminha mensalmente para reciclagem 2 mil m³ da chamada caliça . São cerca de 500 caçambas a cada 30 dias. Sem contar com o serviço clandestino, o movimento pode ultrapassar 70 mil caçambas/mês. Os dados são da Associação dos Transportadores de Caçambas Estacionárias de Porto Alegre.

A entidade possui entre seus quadros, 41 empresas registradas. A presidente, Guacira Ramos, diz que ainda existem outras 100 empresas que não integram a associação. Há, ainda, um número impreciso de pessoas que oferecem um serviço não regularizado. "Empresas pequenas movimentam cerca de 200 caçambas por mês e outras empresas de grande porte podem chegar a 800", explica Guacira.

A empresária destacou que, nos dois últimos anos, viveu o melhor momento para seu negócio. Apesar de ter negociado a demissão de funcionários por medo de ficar sem trabalho durante a pandemia por Covid-19, Guacira conta que foi surpreendida com um movimento acima da média. "Dobrei o número de caçambas, aumentei a quantidade de caminhões e tive que contratar mais trabalhadores do que tinha", garante.

Segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos (instituída pela Lei 12.305/ 2010), os Resíduos da Construção Civil (RCC) são aqueles gerados nas construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, incluídos os resultantes da preparação escavação de terrenos para obras civis. Conforme o Conselho Nacional do Meio Ambiente são resíduos da construção tijolos, blocos cerâmicos, concreto em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas madeiras e compensados, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica etc.

As obras residenciais ou comerciais que utilizam processos construtivos convencionais, ou seja, estrutura de concreto armado associada a vedações em alvenaria com blocos de concreto ou cerâmicos, geram entre 0,10 e 0,15 metros cúbicos de RCCs por metro quadrado de área construída. Deste total, 50% desse volume se referem à alvenaria, concreto, argamassas e cerâmicos; 30% à madeira; 10% ao gesso; 7% ao papel, plástico e metais; e 3% são constituídos de resíduos perigosos e outros resíduos não recicláveis, inclusive rejeitos.

Na prática, quatro iniciativas podem ajudar a controlar os resíduos na construção civil: uso de materiais de construção sustentáveis; reutilização de matéria-prima de demolição; reciclagem de materiais e sistemas de contenção de resíduos no canteiro de obras.

Gesso é um dos insumos que demanda cuidados no descarte

Sebastian Pereira, diretor da recicladora de gesso Sebanella
Sebanella produz 2,5 mil toneladas de gesso reciclado por mês, informa Sebastian Pereira
Sebanella/Divulgação/JC

Entre os materiais provenientes da construção, demolição ou reforma de residências e prédios comerciais ou residenciais, está o gesso. De baixo custo-benefício se comparado a outros produtos frequentemente utilizados pelas arquitetos, o gesso é um material de fácil manuseio, podendo ser modelado de diversas formas, o que faz com que a decoração do ambiente seja original e possa transmitir a personalidade do cliente. Contudo, quando é preciso retirá-lo de um ambiente para uma reformulação no design, deve ser descartado de forma correta.

Devido às suas características físicas e químicas, o gesso não pode ter contato direto com o meio ambiente. Constituído de sulfato de cálcio di-hidratado, em contato com o oxigênio da água oxida-se e torna-se tóxico para o meio ambiente. Ou seja, a dissolução do material provoca a sulfurização dos solos e a contaminação dos lençóis freáticos.

No site do Departamento Municipal de Limpeza Urbana da Capital (DMLU), há uma cartilha que informa o destino correto de todo lixo produzido em Porto Alegre. Especializada na reciclagem de resíduos de gesso, a empresa Sebanella é a pioneira nesse segmento. Localizada em Canoas, possui outros 108 pontos de coleta no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Resíduos provenientes da construção civil, como gesso acartonado (drywall), gesso convencional (é a placa que não contém papel), moldes de gesso originados em diferentes segmentos (indústrias matrizarias de sapato, louças sanitárias, gerados na criação de objetos decorativos e até moldes dentários), são transformados de forma ecológica, em uma fonte de insumos para outros processos e aplicações.

A Sebanella produz 2,5 mil toneladas de gesso reciclado por mês. A empresa recebe o material também dos estados de Santa Catarina e Paraná. Sebastian Pereira, diretor da recicladora, conta que todo o material processado é vendido para a indústria de cimento. "No futuro, queremos investir em duas fábricas: uma de blocos de gesso reciclado e outra de gesso agrícola ensacado", conta. O gesso reciclado tem seu uso no campo como corretor da salinidade do solo. O gesso agrícola no solo também visa aplicar cálcio e enxofre e melhorar o ambiente em subsuperfície.

Outro projeto da empresa é a parceria com condomínios, para facilitar o descarte do material proveniente de reformas nas unidades residenciais. Na última semana, a Sebanella concedeu o selo EcoFriendly ao Condomínio Panamby, localizado na Zona Leste de Porto Alegre. Composto por torres com um total de 342 apartamentos mais um conjunto de 22 casas, o condomínio conta com uma caixa específica para o recolhimento do gesso proveniente de obras, intervenções de design e outros.

Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO