Porto Alegre, terça-feira, 04 de janeiro de 2022.
Porto Alegre,
terça-feira, 04 de janeiro de 2022.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Aeroportos

- Publicada em 04/01/2022 às 03h00min.

Governo muda regras da aviação civil com MP do Voo Simples

Avaliação é que medidas irão gerar mais empregos e trazer competitividade ao setor

Avaliação é que medidas irão gerar mais empregos e trazer competitividade ao setor


ANDREAS SOLARO/AFP/JC
O governo publicou no Diário Oficial da União, no dia 30 de dezembro passado, uma medida provisória que abre caminho para a modernização dos serviços aéreos dando mais poderes para a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), que passa a ter total autonomia na elaboração das regras dos serviços aeroportuários.
O governo publicou no Diário Oficial da União, no dia 30 de dezembro passado, uma medida provisória que abre caminho para a modernização dos serviços aéreos dando mais poderes para a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), que passa a ter total autonomia na elaboração das regras dos serviços aeroportuários.
Conhecida como MP do Voo Simples, a medida vinha sendo discutida há mais de um ano entre o governo e as empresas do setor para corrigir falhas regulatórias e preencher lacunas legais, reduzindo custos e simplificando processos para a atividade aeroportuária.
Para o ministro da Infraestrutura substituto, Marcelo Sampaio, a medida vai gerar mais empregos e trazer competitividade ao setor. "Para ter uma ideia, as taxas para tirar uma habilitação [a carteira de motorista de um piloto] chegava a R$ 13 mil e a partir de agora é R$ 150 que a Anac vai estar cobrando", disse Sampaio.
"O foco é na retomada do setor, que foi um dos mais impactados pela crise sanitária", destacou Ronei Glanzmann, secretário Nacional de Aviação Civil. "Esses ajustes contribuirão para reduzir os custos do setor e os impactos causados pela Covid, gerando mais empregos."
Segundo a Secretaria de Aviação Civil (SAC) do Ministério da Infraestrutura, a regulação vigente trata a atividade de balonismo da mesma forma como regula uma empresa aérea. "Uma empresa que explora o balonismo pagava cerca de R$ 900 mil para operar, o mesmo que uma companhia aérea", falou Glanzmann. "Agora deverá ser R$ 25 mil."
Do total de 342 fatos geradores de uma taxa como essa, a MP reduz para 25 sem que isso leve a perdas de arrecadação, segundo a secretaria.
Para o diretor-presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Juliano Noman, a MP vai permitir a melhoria do ambiente de negócios, a atração de investimentos e a redução de custos para o setor.
Ao todo, mais de 69 medidas - entre portarias, resoluções, decretos e leis-- foram revistas para reduzirem a burocracia de processos e procedimentos do setor aéreo, buscando o aumento da eficiência na prestação de serviços e o desenvolvimento da aviação civil. Mais de 90% das ações já foram iniciadas ou concluídas, segundo a SAC.
O texto faz uma faxina regulatória para rever regras que se tornaram obsoletas e preencher os chamados "vazios regulatórios" que, segundo o secretário, emperravam investimentos.
Dentre as mudanças na MP constam a simplificação dos processos para fabricação, importação ou registro de aeronaves, que atualmente demandam muitas fases, podendo levar meses para se importar e registrar um avião no país.
Agora, empresas de pequeno porte e que atendem localidades remotas terão mais agilidade na prestação do serviço. Assim, a conectividade aérea, principalmente em regiões mais remotas, será beneficiada.
Companhias como Gol ou Tam poderão realizar voos comerciais de qualquer local do país para, por exemplo, o aeroporto Catarina, da construtora JHSF que fica a meia hora de carro de São Paulo. Hoje, ele só opera com jatinhos (aviação executiva).
Até hoje, havia veto a voos comerciais regulares de passageiros a aeroportos que não fossem do governo ou regulados pelo poder público. Os aeroportos em regime de concessão têm acionistas privados, mas são regulados pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Por isso, operam com voos comerciais regulares.
Esse plano favorece empresas, especialmente, em regiões mais afastadas. Na Amazônia, por exemplo, é grande o número de empresas de táxi aéreo com voos regulares. Também é grande a frota de aeronaves anfíbias (que decolam e pousam em rios, lagos ou em pistas secas). O Voo Simples baixou normas para permitir a ampliação desse negócio e melhorar a conectividade na Amazônia.
Para isso, a Anac vai simplificar exigências para a atuação no setor de táxi aéreo, adequando a regulação ao tamanho de cada empresa. Segundo a SAC, com isso, a agência permitirá que novos operadores de pequeno porte entrem no mercado para que, com um custo mais baixo, prestem serviços de transporte aéreo, aumentando a oferta de mobilidade nas áreas menos atendidas, mantendo sempre a segurança.
Apesar do estímulo à aviação de pequeno porte, a MP não trata do serviço da Uber aérea previsto em um projeto de lei que tramita no Congresso. A ideia dos parlamentares é permitir que um piloto devidamente habilitado e proprietário de uma aeronave de até seis lugares possa fazer transporte de passageiros, como se fosse Uber.
O ministério vê problemas de segurança nesse tipo de serviço e ainda discute essa nova modalidade com o Congresso.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO