Porto Alegre, segunda-feira, 09 de agosto de 2021.
Dia Internacional dos Povos Indígenas.
Porto Alegre,
segunda-feira, 09 de agosto de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 15h13min, 08/08/2021. Atualizada em 13h29min, 09/08/2021.

Para os transportadores, sucesso do e-commerce passa pela última milha

Desde o início da pandemia, e-commerce brasileiro vive uma escalada intensa nas compras pela internet; redução do prazo de entrega vira arma para conquistar clientes

Desde o início da pandemia, e-commerce brasileiro vive uma escalada intensa nas compras pela internet; redução do prazo de entrega vira arma para conquistar clientes


Multilog/Divulgação/JC
Vanessa Ferraz
O trajeto final que uma mercadoria percorre quando sai do centro de distribuição até a casa do consumidor é chamado de última milha. Esse processo começa quando o cliente entra em um portal de vendas on-line em busca de um produto: analisando o preço, o valor do frete e o tempo de espera até que a compra chegue na porta de casa. A agilidade no recebimento do produto, assim como o baixo custo, tem sido fundamental na escolha de qual site comprar.
O trajeto final que uma mercadoria percorre quando sai do centro de distribuição até a casa do consumidor é chamado de última milha. Esse processo começa quando o cliente entra em um portal de vendas on-line em busca de um produto: analisando o preço, o valor do frete e o tempo de espera até que a compra chegue na porta de casa. A agilidade no recebimento do produto, assim como o baixo custo, tem sido fundamental na escolha de qual site comprar.
Os impedimentos causados pelas medidas de isolamento social durante os meses mais críticos da pandemia trouxeram um olhar novo para os benefícios do consumo virtual no Brasil - o reflexo disso percebe-se nos 301 milhões de compras realizadas on-line em 2020, atingindo um faturamento de vendas por e-commerce de R$ 126,3 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).
A estimativa é que o crescimento continuará, mesmo que em velocidade menor do que a do ano passado. "Tivemos a entrada de milhares de novos consumidores on-line em 2020, a popularização de compras em diferentes categorias que incluem os produtos de bens duráveis até os itens de farmácia e supermercado demonstram o novo comportamento do consumidor", esclarece André Dias, diretor de inteligência de Mercado da ABComm.
A consequência do boom no comércio digital é a explosão na demanda de entrega desses produtos. As grandes empresas, referências em e-commerce, estão expandindo os seus centros de distribuição próximo aos principais centros urbanos no País - o objetivo é reduzir, ao máximo, o tempo de entrega. Só assim as empresas de logística se manterão competitivas na última milha.
Operadores logísticos são as empresas capacitadas em realizar os serviços de transporte em qualquer modal, armazenagem e controle de estoque. O aquecimento do setor gerou R$ 100,8 bilhões em faturamento bruto e gerou 1,5 milhões de postos de trabalho no ano passado, segundo a Associação Brasileira de Operadores Logísticos (ABOL).
A diretora executiva da ABOL, Marcella Cunha, conta que o setor se aliou à mudança que o mercado demandou, ou seja, da expansão para atender a necessidade maior de entregas voltadas para o consumidor final, e também, de auxílio aos clientes que não possuíam um sistema atualizado de atendimento.
Além de novos centros de distribuição, o atendimento omnichannel subiu enormemente, assim como a promoção de novas soluções logísticas para as empresas que optaram por desenvolver seus próprios portais de vendas eletrônicas personalizadas ao invés de filiar-se aos já conhecidos marketplaces.
A necessidade de eficiência, ainda com as dificuldades impostas pelas pandemia, desenhou um cenário de busca por soluções tecnológicas inovadoras. "Nesse contexto, vimos o advento de várias startups que propõem desde entrega no mesmo dia - otimizando a última milha - até soluções específicas para empresas mais antigas e consolidadas, introduzindo novas tendências em automação e robotização", enfatiza Marcella.

Aumento da demanda exige investimento tecnológico

Além do preço, consumidor busca sites que oferecem agilidade na entrega e segurança nas compras
Além do preço, consumidor busca sites que oferecem agilidade na entrega e segurança nas compras
Multilog/Divulgação/JC
Uma das barreiras vencidas no período da pandemia foi o medo de comprar on-line. O impedimento de entrar em uma loja física fez com que as pessoas mais resistentes à adesão de comprar por clique se rendessem à facilidade de visitar vários estabelecimentos sem sair de casa. O relatório da Ebit|Nielsen aponta que 83% das pessoas que compraram pela internet no ano passado voltariam a comprar em razão das experiências satisfatórias.
A mudança de cultura de consumo que vem se estabelecendo fomentou diversos setores a colocar seus produtos nas prateleiras virtuais, acirrando um outro tipo de concorrência feita no porta-a-porta. Além da confiabilidade da empresa, o consumidor quer ver quem oferece mais qualidade, rapidez e segurança com os mecanismos de acompanhamento do seu pedido, depois que o pagamento foi realizado.
A transportadora LS Translog viu sua operação crescer exponencialmente após o início da pandemia. A empresa, que foi criada para atender demandas de entregas farmacêuticas, viu a procura por seus serviços explodir em razão da demanda do e-commerce. Desde 2017 a operação registrava crescimento médio de 10% ao mês. Contudo, no ano passado, esse índice triplicou graças à forte demanda, relata o supervisor de TI da empresa, Leandro Rebustini.
Com o foco na entrega de última milha, a LS Translog decidiu expandir os seus centros de distribuição que, atualmente, estão na capital paulista, além de Campinas, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. No Rio Grande do Sul, a empresa realiza a coleta na própria loja do cliente levando ao consumidor final - focada, essencialmente, no serviço de última milha. Em 2019, a empresa contava com 600 entregadores, e hoje, são 1,6 mil funcionários.
Com o fluxo de 30 mil entregas por dia no País, a companhia precisou qualificar sua parte tecnológica para uma versão mobile de última geração. "Agora o sistema integrado dispara um aviso quando o motociclista está indo em direção ao endereço de destino e, por um link ,o consumidor acompanha o entregador em tempo real, fora os canais de comunicação que atendem o cliente das empresa que a transportadora presta serviço", relata Rebustini.  
 

Portal reúne soluções tecnológicas para o setor logístico

Voltér Trein é um dos gestores do Next Log e CEO da eSales
Voltér Trein é um dos gestores do Next Log e CRO da eSales
Leandro Costa/Divulgação/JC
Como no caso da LS Translog, que precisou procurar uma tecnologia para atender a alta demanda e otimizar o trabalho que já era desenvolvido, muitas empresas do setor também estão fazendo esse movimento. Vendo a transformação e a necessidade do mercado, as empresas uMov.me, eSales e Mutuus Seguros se uniram em torno da ideia de criar um portal que reúne todas as soluções tecnológicas que vêm sendo desenvolvidas em só lugar, a Next Log.
"Já somamos mais de dez parceiros que aderiram a esse projeto, todos atuantes no processo de inovação e de desenvolvimento da área de logística através da tecnologia", conta o CEO da uMov.me, Alexandre Trevisan. O site é aberto ao público e sem a necessidade de assinatura - lá, as empresas interessadas irão encontrar expostas várias soluções inovadoras para vertentes distintas do ramo logístico. O CRO da eSales Voltér Trein explica como a Next Log pode ajudar quando cita a seguinte hipótese: "Se preciso aumentar o número de contratação do meu frete, dentro da plataforma eu encontro a empresa parceira que pode propiciar que o meu serviço seja visto, e assim receba mais ofertas".
Abertos para outras empresas que queiram ser parceiras, as mantenedoras do projeto também pretendem contribuir para a produção de conhecimento com a realização de uma pesquisa que já está sendo realizada e deve se tornar pública nesta semana com o nome de "Espelho Logístico", antecipa Trevisan.
A ideia é que setor se torne mais integrado e também mais acessível para as empresas de médio e pequeno porte que precisam transformar o seu processo, e muitas vezes, não sabem por onde começar. Os responsáveis garantem que será prestado o serviço de escuta e aconselhamento para transportadoras interessadas na hora de indicar qual dos parceiros pode atender melhor a necessidade demandada.

Cumprir prazo de entrega é um desafio em centros urbanos

Para o consumidor, a praticidade de comprar um bem sem sair de casa, com um bom preço e com uma entrega rápida, vem da confiança que o cliente deposita no prazo de entrega prometido.

O desafio para o setor logístico em atender a agilidade na última milha em grandes centros urbanos está cada vez mais complexos, salienta o professor e vice-coordenador do curso de MBA de Gestão da Produção, da Fundação Vanzolini e da Poli-USP, Daniel de Oliveira.

Nos estudos relacionados à área, o fluxo de tráfego, o congestionamento, os acidentes e a violência são considerados "incertezas urbanas" no planejamento logístico. "O grande problema da última milha é como lidar com essas incertezas, porque se o planejamento é que o caminhão faça dez entregas e acabou fazendo três porque deu acidente ou porque alagou, é muito desafiador justamente porque é imprevisível", destaca Oliveira.

Diversas são as iniciativas que buscam reduzir esses imprevistos, como a busca por novos centros de distribuição dentro de armazéns urbanos - como condomínios residenciais. Ao alugar esse espaço, as transportadoras abastecem os locais durante a madrugada para que, ao amanhecer, o último percurso seja cumprido mais rapidamente. Outra solução em voga é transformar as lojas físicas em pontos de estocagem e retirada.

Oliveira ressalta, que as transportadoras de grande porte, normalmente, estão abertas a novas soluções tecnológicas que otimizem o seu processo de entrega, entretanto, para as médias e pequenas, a busca por reinvenção é fator importante para manter o diferencial competitivo, sem abandonar a essência do trabalho que já é feito. "Na USP, vemos um grande interesse em aprender sobre o novo momento do mercado e das tendências logísticas, onde o grande dialoga com o pequeno promovendo o mercado como um todo".

Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário