Porto Alegre, terça-feira, 17 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 17 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tecnologia

- Publicada em 03h00min, 17/11/2020.

Ambev financiará sistema de delivery para bar e restaurante

Medida deve impactar domínio de aplicativos de entrega como o iFood

Medida deve impactar domínio de aplicativos de entrega como o iFood


/LUIZA FLORENZANO/DIVULGAÇÃO/JC
A Ambev irá financiar o Open Delivery, sistema de entregas para bares e restaurantes que a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) pretende lançar em março de 2021 para unificar as entregas no setor, medida que deve impactar o domínio de aplicativos que oferecem o serviço, como iFood e Uber Eats.
A Ambev irá financiar o Open Delivery, sistema de entregas para bares e restaurantes que a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) pretende lançar em março de 2021 para unificar as entregas no setor, medida que deve impactar o domínio de aplicativos que oferecem o serviço, como iFood e Uber Eats.
A informação sobre o apoio da Ambev foi dada pelo presidente da Abrasel, Paulo Solmucci, e confirmada pela empresa. Segundo a companhia, a iniciativa é uma forma de apoiar o setor de bares e restaurantes.
“Queremos colaborar com o projeto através da startup Get In, que faz parte do grupo de startups parceiras da Ambev e tem como missão ajudar bares e restaurantes em sua gestão”, afirma a empresa em nota.
De acordo com Solmucci, presidente da associação, a iniciativa Open Delivery não terá custo para donos de bares e restaurantes e irá ampliar a concorrência em um ambiente de monopólio. Hoje, o iFood detém, segundo Solmucci, 70% do mercado.
“Não é uma plataforma, não é um aplicativo. O Open Delivery é um código de aberto de informação que padroniza a informação e vai conversar com todos os softwares”, disse.
Segundo o presidente da Abrasel, a iniciativa é uma demanda de empresários do setor insatisfeitos com as altas taxas cobradas pelas principais empresas de entregas por aplicativos, que cobram entre 15% e 30% do valor da operação.
“Hoje, os bares e restaurantes acabam recebendo pedidos de vários aplicativos. O código aberto irá permitir que todas as empresas adotem cardápio e horário de funcionamento em um único lugar”, afirma.
Além do apoio da Ambev, a Abrasel diz que está negociando com outras empresas interessadas no projeto. Em nota enviada à reportagem, a varejista Magazine Luiza confirmou que “representantes do Magalu, de fato, participaram de uma reunião recente com executivos da Abrasel, promovida por um de seus fornecedores”, mas não fechou acordo.
A empresa afirma, em nota, que apesar do encontro, em nenhum momento, porém, houve qualquer posicionamento do Magalu no sentido de participar da iniciativa, que a empresa respeita mas da qual não tem conhecimento profundo. A Google também confirmou à reportagem que foi procurada pela Abrasel para apresentação do projeto. Em nota, a empresa afirma que não firmou parceria com o ‘Open delivery’.
“Reforçamos nosso compromisso em apoiar todos os atores do ecossistema local, entre associações, donos de estabelecimentos, empresas de tecnologia e outros, na busca por produtos e recursos para facilitar e melhorar cada vez mais o dia a dia das pessoas,” afirma a empresa em nota.
Solmucci afirma que o Open Delivery reúne todas as empresas de tecnologia que atuam no setor, que o movimento é de âmbito nacional e poderá ser integrado ao Pix. “O Pix vai poder levar todo o pedido do cliente já junto com o pagamento”, disse.
Comentários CORRIGIR TEXTO