Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Pandemia

- Publicada em 03h19min, 07/07/2020. Alterada em 03h00min, 07/07/2020.

Mineração é um dos setores mais resilientes à Covid-19 

Segundo relatório, empresas mineradoras têm posição forte para enfrentar riscos

Segundo relatório, empresas mineradoras têm posição forte para enfrentar riscos


VALE/DIVULGAÇÃO/JC
O setor de mineração, até o momento, vem enfrentando sem grandes dificuldades a crise provocada pela Covid-19, segundo o relatório Mine 2020, da PwC. A análise estima que o impacto da pandemia para as 40 maiores mineradoras globais, segundo o critério de valor de mercado, deva ser relativamente moderado este ano, com base em estimativas de produção e preço das commodities - e com o aproveitamento desse momento, por parte das empresas, para redesenharem suas estratégias de negócios a fim de mitigarem riscos econômicos e sociais.
O setor de mineração, até o momento, vem enfrentando sem grandes dificuldades a crise provocada pela Covid-19, segundo o relatório Mine 2020, da PwC. A análise estima que o impacto da pandemia para as 40 maiores mineradoras globais, segundo o critério de valor de mercado, deva ser relativamente moderado este ano, com base em estimativas de produção e preço das commodities - e com o aproveitamento desse momento, por parte das empresas, para redesenharem suas estratégias de negócios a fim de mitigarem riscos econômicos e sociais.
A lista (organizada de acordo com o valor de mercado em 31/12/2019) é encabeçada por BHP, Rio Tinto e a brasileira Vale, incluindo ainda produtoras importantes de commodities como carvão (China Shenhua), níquel (MMC Norilsk Nickel) e ouro (Newmont Corporation). O estudo prevê um impacto de, aproximadamente, 6% na receita das 40 maiores mineradoras em 2020, o equivalente a US$ 649 bilhões, devido à queda dos preços das commodities. Segundo o relatório, o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização e redução ao valor recuperável) deve apresentar queda do mesmo montante (6%), para US$ 157 bilhões.
Com base nestes dados, a PwC acredita que as 40 maiores empresas estejam em uma posição hábil para enfrentar com força e resistência a incerteza econômica trazida pela pandemia, com finanças saudáveis e empresas operando normalmente. "O setor de mineração tem mantido uma performance boa mesmo em situações ruins", diz Ronaldo Valiño, sócio da PwC e líder do setor de mineração. "Esse é um diferencial da mineração: as empresas estão de certa forma acostumadas a uma certa flutuação de preços, além de terem ajustado os custos, aumentado a automação e reduzido a influência humana. Isso faz com que elas possam ter essa resiliência, sentindo bem pouco os impactos da crise provocada pelo Covid-19".
Porém, apesar da perspectiva positiva, o relatório alerta as empresas para a necessidade de adaptação aos impactos causados pela pandemia no longo prazo, que ainda permanecem incertos. Entre as muitas possibilidades, estão ações ligadas à localização das cadeias de suprimento, com maior aproximação das comunidades locais como estratégia de redução de riscos. O relatório destaca a diferença nas curvas de preço das commodities minerais, com o ouro e o minério de ferro em alta, enquanto os metais básicos estão em declínio desde janeiro.
Segundo o estudo, não devem ser realizadas muitas mega-transações em 2020, devido ao aumento da incerteza econômica, bem como restrições práticas de visitas e inspeções aos sítios de mineração. No entanto, as condições atuais oferecem oportunidades para as Top 40 capitalizarem por meio de aquisições menores.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO