Porto Alegre, domingo, 19 de julho de 2020.
Nelson Mandela Day.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 19 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria automotiva

- Publicada em 03h27min, 23/06/2020. Alterada em 03h00min, 23/06/2020.

Frota de veículos envelhece há seis anos consecutivos

Existem 33 milhões de carros e caminhões acima de cinco anos de idade, 72% do total em uso no Brasil

Existem 33 milhões de carros e caminhões acima de cinco anos de idade, 72% do total em uso no Brasil


/JOÃO MATTOS/JC

A frota brasileira de veículos vem ficando mais velha há seis anos consecutivos. Com o tombo das vendas de modelos novos previsto para este ano - de cerca de 40%, segundo previsão dos fabricantes -, a idade média dos automóveis em circulação no País deve superar 10 anos.

A frota brasileira de veículos vem ficando mais velha há seis anos consecutivos. Com o tombo das vendas de modelos novos previsto para este ano - de cerca de 40%, segundo previsão dos fabricantes -, a idade média dos automóveis em circulação no País deve superar 10 anos.

Hoje essa média é de 9 anos e 10 meses, um ano e 4 meses a mais do que em 2012, quando o mercado registrou venda recorde de 3,8 milhões de veículos novos. A idade média dos caminhões é ainda maior, de 11 anos e 7 meses, segundo o mais recente estudo do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) com base em dados de 2019.

O relatório mostra que, entre os pouco mais de 2 milhões de caminhões em atividade, 45% têm entre 11 e 20 anos e 13% têm mais de duas décadas. Entre os 37,9 milhões de automóveis, 18% têm até três anos (considerados seminovos), taxa que era de 25% em 2014. "A renovação da frota está ligada à proporção de veículos novos que entram no mercado", diz Elias Mufarej, diretor do Sindipeças e responsável pela pesquisa. Se a venda de zero quilômetro cai, a idade média aumenta.

O setor ainda não conseguiu repor a queda de vendas de carros novos registrada de 2013 a 2016, de quase 50%, mesmo com a melhora apresentada nos últimos três anos. Com a retração de 40% esperada para este ano, a idade média dos automóveis vai passar de uma década, "o que é muito ruim pois quanto mais velhos, mais poluentes e mais perigosos os veículos se tornam", diz Mufarej.

O diretor do Sindipeças pondera, contudo, que os automóveis atuais tem mais qualidade, tecnologia e segurança e podem durar mais - o que significa que o consumidor também pode demorar mais a fazer a troca por outro mais novo, colaborando assim com o aumento da idade média.

O presidente da Bright Consulting, Paulo Cardamone, reforça que veículos mais antigos aumentam o número de acidentes e de mortes. Ele cita também que a permanência de uma frota mais antiga retarda a evolução tecnológica dos veículos.

Outro dado, ressalta Cardamone, é a maior emissão de poluentes nocivos à saúde como NOX e particulados. "Veículos com mais de cinco anos podem emitir até 2,5 mais CO2 que os atuais", exemplifica. Em todo o País há cerca de 33 milhões de veículos acima dessa faixa, ou 72% da frota atual.

Brasil está em sexto lugar no ranking mundial

Na soma de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, a frota brasileira hoje é de 45,9 milhões de veículos, a sexta maior do mundo. Segundo o diretor do Sindipeças, está atrás de Estados Unidos (264 milhões), China (172 milhões), Japão (77 milhões), Rússia (51 milhões) e Alemanha (48 milhões). Já a frota de motocicletas é composta de 13 milhões de unidades com idade média de oito anos.

Com essa posição no ranking global, Mufarej afirma que o Brasil é um mercado atraente para o chamado after marketing (mercado de reposição de peças) e coloca o País na rota de investimentos no setor, inclusive internacionais. "Essa frota demanda muitas peças, produção local, trabalho e gera mão de obra", diz. Como exemplo, ele cita a quantidade de velas e de baterias que os veículos demandam anualmente.

Do total de veículos em circulação, 64,3% estão concentrados em São Paulo (que sozinho fica com 30% da frota), Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Há cinco anos esses estados abrigavam 72,8% dos veículos em circulação no País.

A queda da participação está relacionada à expansão das vendas de veículos em outras regiões, especialmente aquelas em que a economia está a reboque do agronegócio, como Mato Grosso, Tocantins e cidades do interior de São Paulo.

Uma parte dessa mudança também pode ser explicada pela tendência de desmotorização que vinha ocorrendo nos últimos anos em grandes capitais. Muitas pessoas passaram a dar preferência ao uso de veículos de compartilhamento ou mesmo por meio de aplicativos ou mesmo a bicicletas e ao transporte público a ter o carro próprio.

Número de pessoas por carro caiu na última década

O estudo mostra ainda que o Brasil tem hoje 4,6 habitantes por veículo. Há dez anos eram 6,5 pessoas por veículo, ou seja, com o crescimento mais lento da frota essa proporção tende a ser menor.

Nos Estados Unidos a relação é de 1,2 habitante por veículo, enquanto na China é de 8,4, no Japão de 1,6, na Rússia de 2,8 e na Alemanha de 2,7.

Renovação estava de novo em debate

O estudo anual do Sindipeças serve de subsídio para as empresas do setor programarem a produção de peças para o mercado de reposição em paralelo à produção para as montadoras. Parte dele, que é divulgada apenas aos associados do Sindipeças, inclui o número de veículos por modelo e até por cores, tendo como base o Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam).

A entidade gostaria que, ao mostrar a grande quantidade de veículos velhos em circulação no País, o relatório também servisse para alertar as autoridades da necessidade de um programa de renovação de frota, tema que o setor automotivo tenta colocar na pauta governamental há muitos anos, principalmente para o segmento de caminhões. As discussões não vão adiante porque exigiria adotar subsídios, como juros bem mais em conta para os proprietários renovarem.

O assunto estava voltando às discussões das empresas com o novo governo federal, e estava agora sendo tratado como um programa de reciclagem nacional. Com a crise econômica provocada pelo novo coronavírus, porém, Elias Mufarej, diretor do Sindipeças e responsável pela pesquisa, acredita que não haverá esforços governamentais para levá-lo adiante nesse momento.

Comentários CORRIGIR TEXTO