Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de outubro de 2019.
Dia Internacional do Combate à Obesidade.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Edição impressa de 11/10/2019. Alterada em 11/10 às 03h00min

Aumento das intenções de compra na Black Friday requer mais cuidado

Está crescendo muito a compra feita no ambiente digital, com retirada na loja física

Está crescendo muito a compra feita no ambiente digital, com retirada na loja física


freepik/divulgação/jc
A intenção de compras dos internautas durante a Black Friday deste ano aumentou 58% com relação ao ano passado, revela pesquisa divulgada pelo Google. Pelo menos 69% dos consumidores já sabem o que vão comprar e só estão esperando a oportunidade para isso. O gasto médio dos consumidores deve ser de R$ 1.330,00. A pesquisa mostra, ainda, que 99% dos brasileiros já conhecem a data. Ou seja, o comércio on-line precisará se adaptar para dar conta da demanda que deve surgir com a data.
A intenção de compras dos internautas durante a Black Friday deste ano aumentou 58% com relação ao ano passado, revela pesquisa divulgada pelo Google. Pelo menos 69% dos consumidores já sabem o que vão comprar e só estão esperando a oportunidade para isso. O gasto médio dos consumidores deve ser de R$ 1.330,00. A pesquisa mostra, ainda, que 99% dos brasileiros já conhecem a data. Ou seja, o comércio on-line precisará se adaptar para dar conta da demanda que deve surgir com a data.
Um dos alertas da FecomercioSP para a eficácia do e-commerce brasileiro diz respeito à logística sem papel. A entidade apresentou uma série de pedidos a órgãos públicos, e um deles defende a eliminação dos documentos impressos. A quantidade de documentos impressos em todo o processo de logística - desde a saída da mercadoria do centro de distribuição, passando pelas transportadoras até chegar ao consumidor final - é enorme. São 16 documentos fiscais impressos em cada operação de compra e venda, o que impacta toda a cadeia - gera custo, burocracia, perda de produtividade e danos ao meio ambiente.
Notícias sobre logística são importantes para você?
Em 30 de agosto de 2019, definiu-se, por meio da Portaria CAT nº 55, a dispensa da impressão do Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe) em operações realizadas pelos estabelecimentos destinadas diretamente a consumidores finais. No entanto, a medida vale somente para o estado de São Paulo. Além disso, a FecomercioSP propõe integrar todos os documentos em um único QR Code ou código de barras, em substituição aos documentos impressos; digitalização de todos os documentos; concentração no manifesto eletrônico (MDF-e) de todos os documentos fiscais; e a assinatura eletrônica via Pod Digital.
O aperfeiçoamento proposto pode gerar uma série de benefícios, como redução de custos, agilidade e segurança jurídica para todos os envolvidos na cadeia; preservação do meio ambiente; e mais controle do processo, até mesmo por parte do Fisco, que teria acesso às informações de maneira automatizada, facilitando a fiscalização e reduzindo o tempo para liberação das mercadorias nas barreiras.
A burocracia imposta ao setor nesse procedimento se converte em perda de produtividade - por ano, são 31 dias para os varejistas e 83 dias para os transportadores controlarem a emissão e a gestão de todos os documentos envolvidos nesse processo, sem falar nos danos para o meio ambiente - são 2,2 mil toneladas de papel, o equivalente a 24 mil árvores e 1,2 bilhão de litros de água por ano, segundo dados do Conselho de Comércio Eletrônico da FecomercioSP.
Além de otimizar as questões logísticas, as empresas que pretendem tirar o melhor proveito da data precisam entender o comportamento do consumidor para entender o que ele busca. Foi esse o objetivo da Google com sua pesquisa: auxiliar os parceiros a conhecer o desejo do público comprador. A pesquisa entrevistou, em julho, 1,5 mil consumidores on-line de todas as regiões do País. O objetivo da consulta é entender o comportamento do consumidor para auxiliar os parceiros do Google a terem melhor desempenho na Black Friday deste ano.
De acordo com o gerente de Insights para Indústria do Varejo do Google Brasil, Diego Venturelli, 76% dos consumidores também passaram a perceber que a Black Friday, a cada ano, se transforma em um evento de mais de um dia, incluindo os dias anteriores e posteriores. "Para o movimento de crescimento das vendas nas lojas físicas, o aumento de sortimento de produtos e a expansão, 24 horas é muito pouco ou muito competitivo para que os brasileiros façam tudo o que querem fazer."
Venturelli destacou que, por ser um evento de preço, esse é o atrativo do período, com 53% das pessoas dizendo que o valor das mercadorias é o principal atributo de compra. Entretanto, ele disse que esse número vem caindo ao longo dos anos, porque o consumidor começa a entender que outros atributos, como confiança na loja, entrega, logística, experiência do consumidor e inovação ganham relevância no momento da compra.
"O ambiente da loja física consegue ter alguns desses atributos. Está crescendo muito a compra feita no ambiente digital, com retirada na loja física. Isso é uma experiência para o consumidor. Não ter que esperar o produto chegar na sua casa, poder visitar a loja e retirar o produto. Muitas lojas estão configuradas para a Black Friday, e isso se torna um lazer."
leia mais notícias de Logística
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia