Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de dezembro de 2018.
Dia do Atleta. Início do Verão.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Aviação

Edição impressa de 21/12/2018. Alterada em 21/12 às 01h00min

Governo alerta sobre a saturação de aeroportos

21 voos se atrasaram e dois foram cancelados por problema no sistema

21 voos se atrasaram e dois foram cancelados por problema no sistema


YASUYOSHI CHIBA/YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
A gestão Michel Temer alertou a equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), sobre a saturação que o novo governo encontrará nos principais aeroportos do País. Integrantes da equipe do eleito compareceram já no fim de novembro à apresentação de um estudo feito pelo Ministério dos Transportes e pela Secretaria de Aviação Civil.
De acordo com as projeções, os aeroportos de Congonhas e Guarulhos irão atingir o limite de suas capacidades de movimento de aeronaves nas pistas em 2020 e 2022, respectivamente.
O aeroporto de Viracopos, em Campinas, teria capacidade suficiente para absorver a demanda reprimida caso fosse considerado o investimento para a implementação de uma nova pista em 2026.
Juntos, os três aeroportos concentram hoje 36% da demanda nacional e devem fechar o ano com 72 milhões de passageiros. Esse número deve ultrapassar 180 milhões em 2038, conforme projeções do ministério.
Para companhias aéreas, na prática, Congonhas e Guarulhos já têm escassez de vagas para pousos e decolagens nos horários de maior demanda. Há diversas alternativas na mesa - como a construção da terceira pista em Guarulhos, mais duas pistas em Viracopos ou a redistribuição do excedente de demanda para o Rio de Janeiro.
No entanto, segundo Dario Rais Lopes, secretário nacional de Aviação Civil, essas saídas não são consistentes. Para ele, a construção da terceira pista de Guarulhos é um empreendimento de viabilidade duvidosa. Hoje, o terminal está sob concessão.
"Uma possível extensão do prazo de concessão em cinco anos não seria suficiente para reequilibrar o contrato, porque ela não se paga em cinco anos", disse Rais Lopes. O custo estimado da obra é de mais de R$ 500 milhões.
A absorção do excedente de passageiros da Grande São Paulo por Viracopos ou aeroportos do Rio de Janeiro também é vista como solução ruim, porque o deslocamento representa menos conforto, segundo o secretário.
"Existem paliativos que podem ser aplicados em alguns aeroportos, mas não em todos. E a solução não envolve só o aeroporto, é preciso pensar no entorno. É espaço aéreo, pátio, terminal e acesso", disse Rais Lopes.
Uma das alternativas é aumentar de 34 para 39 o número de slots (autorizações de pousos e decolagens) por hora no aeroporto de Congonhas, medida que deve entrar em prática no ano que vem.
A expansão, no entanto, levanta preocupações em relação ao aumento do trânsito na Zona Sul de São Paulo e foi criticada por companhias aéreas.
O presidente da Latam Airlines, Jerome Cadier, disse que a infraestrutura de Congonhas não tem mais espaço para embarcar passageiros com agilidade. Especialistas afastam riscos para a segurança dos voos, mas alertam para possibilidade de atrasos.
Para o caso de Guarulhos, o estudo do ministério afirma que se "almeja que a capacidade aumente de 52 movimentos (de pousos e decolagens) na hora do pico para 60 movimentos". Uma saída para evitar a construção de um novo aeroporto na Grande São Paulo é ampliar para 75 slots.
A GRU Airport, concessionária do aeroporto de Guarulhos, inaugurou um procedimento que permite que pousos e decolagens ocorram simultaneamente, em duas pistas. Chamada de projeto Agile, a tecnologia busca elevar a eficiência do tráfego aéreo como parte do esforço de aumentar a capacidade do aeroporto.
Procurada, a concessionária informa que o terminal recebeu autorização para operar 55 voos por hora a partir de março de 2019. Segundo Rais Lopes, o número deve ser impulsionado para 60 também já no ano que vem. A Infraero diz que não responde sobre o assunto porque o plano foi desenhado pela área técnica do ministério.
A ausência de soluções equilibradas leva ao resgate de uma antiga discussão sobre a construção de mais um aeroporto no estado. Segundo Rais Lopes, ainda é cedo para discutir local. O município de Caieiras foi aventado durante o governo Dilma Rousseff (PT).
"O importante agora é ter consciência do tempo de ciclo de um aeroporto. Entre começar a discutir e entregar leva mais de 10 anos. É preciso começar a discutir agora", diz o secretário.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia