Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Logística de Transporte

Edição impressa de 07/12/2018. Alterada em 07/12 às 01h00min

Bobinas de aço movimentam o porto de Porto Alegre

Movimentação do produto deve alcançar 33 mil toneladas até o final do ano

Movimentação do produto deve alcançar 33 mil toneladas até o final do ano


/EDUARDO ROCHA/DIVULGAÇÃO/JC
Os navios carregados com bobinas de aço se tornaram visitas frequentes ao porto de Porto Alegre. Desde a greve dos caminhoneiros, em maio, o material - que vem do Sudeste do País - trocou as estradas pelas hidrovias e tem ajudado a aquecer o setor portuário gaúcho.
O último navio a atracar no porto foi o Pacific Basin, que trouxe 400 bobinas de aço no final do mês passado. É o quinto desembarque na capital desde julho. Nesse período, 7 mil toneladas do produto já desembarcaram de Minas Gerais para servir de matéria-prima a indústrias gaúchas, como General Motors, Gerdau e Tramontina.
O chefe de divisão do porto, Régis Oppelt, explica que a retomada dos serviços pelos canais hidroviários alavancou a capacidade para novas cargas chegarem ao Rio Grande do Sul. "São mercadorias diferenciadas com as quais o porto não trabalhava há 10 anos. Se continuarmos neste ritmo, teremos um acréscimo de 10% na movimentação de cargas e 7% na receita", salienta.
A movimentação do produto deve alcançar 33 mil toneladas até o final do ano. A siderúrgica Usiminas pretende trazer ainda mais pedidos para o Rio Grande do Sul. "Hoje, são dois navios por mês que chegam com as bobinas, mas a nossa expectativa é de receber um por semana em 2019", projeta Oppelt.
Para retirar todas as bobinas do navio são necessários dois dias e meio, além de boas condições climáticas. De acordo com o responsável pela operação portuária da agência marítima Orion, Erivelto Pires, "a carga também requer um cuidado extremo, com uma armazenagem bem acondicionada, pois é um material delicado", destaca.
Pires avalia de forma positiva as operações realizadas na capital. "Almejamos o aumento dos serviços. A nossa previsão para 2019 é de uma parceria ainda mais expressiva com o porto gaúcho", comenta.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia