Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Rodovias

Edição impressa de 01/11/2018. Alterada em 01/11 às 01h00min

Empresa usa drones para inspecionar viadutos

Estruturas localizadas nas imediações da Arena do Grêmio foram consideradas seguras

Estruturas localizadas nas imediações da Arena do Grêmio foram consideradas seguras


/fotos FINGER & SOMMER ENGENHARIA/DIVULGAÇÃO/JC
Dados apresentados pela empresa Finger & Sommer Engenharia e Consultoria, de Porto Alegre, especializada em projetos e vistorias de estruturas rodoviárias e ferroviárias, concluíram que as 105 obras de arte existentes na freeway oferecem segurança aos usuários e não possuem eventuais degradações que colocam em risco suas estruturas.
"Praticamente todas foram caracterizadas com notas máximas, segundo a NBR-9452/2016, que especifica os requisitos exigíveis nas inspeções", afirmou Douglas Finger, diretor da empresa que é pioneira no uso de drones para inspeção no Rio Grande do Sul.
As inspeções, contratadas pelo consórcio Etel ATP, o qual venceu licitação promovida pelo Dnit-RS, foram iniciadas em 24 de setembro e finalizadas em16 de outubro. A equipe de campo foi composta por um coordenador (engenheiro civil especialista em obras de arte especiais), um engenheiro de campo e um auxiliar de engenharia.
A equipe de escritório contou com o mesmo coordenador e por um segundo engenheiro civil com experiência em patologia e inspeções de obras de arte especiais. Ao todo, quatro pessoas trabalharam nesse contrato diretamente.
Em todas as inspeções foram feitas fotos com câmera de alta resolução e possibilidade de zoom de até 70x. Também foram usadas câmeras termográficas, que indicam a temperatura na estrutura, o que serve para identificar pontos com possibilidade de infiltração ou umidade.
O drone foi utilizado em 23 obras de difícil acesso, tendo sido de grande apoio principalmente nas pontes sobre o rio Jacuí, sobre o lago Guaíba e nas alças de acesso à ponte do Guaíba e à BR-448. De acordo com Finger, as inspeções em obras de arte são feitas por etapas. A primeira consiste na análise dos equipamentos necessários à inspeção, a sequência de inspeção e o planejamento do trabalho para a coleta de todas informações necessárias conforme os requisitos da norma de inspeção de pontes, viadutos e passarelas.
Na segunda é feita a inspeção propriamente dita, com o levantamento de todas as manifestações patológicas da obra, fotos de apresentação da obra, além de imagens de todas as eventuais degradações, finalizando com o preenchimento da ficha de inspeção.
Por último, é feito a elaboração dos relatórios de inspeção e relatório fotográfico. Nessa etapa é definida a nota da obra, item fundamental que orienta os gestores sobre a necessidade de intervenção imediata ou até mesmo interdição da obra. A norma brasileira de inspeção de pontes e viadutos - NBR-9452/2016 - caracteriza as anomalias encontradas conforme uma nota que varia de um a cinco - a nota um é para uma obra em estado precário e cinco para um excelente estado de conservação.
A principal desconformidade atualmente entre as anomalias no País está relacionada às juntas de dilatação. "Devido à falta de manutenção desse elemento, diversas outras manifestações patológicas são iniciadas reduzindo a vida útil da obra de forma significativa. O maior inimigo das estruturas é a umidade. Todo e qualquer ponto onde ocorra o acumulo de água será um ponto potencialmente problemático", afirma Finger.
Salvo exceções, a maioria das pontes e viadutos inspecionados pela Finger & Sommer, desde 2011, não receberam qualquer tipo de manutenção, nem limpeza e desobstrução do sistema de drenagem. "A situação se agrava em obras sob jurisdição dos municípios, onde o poder público normalmente desconhece a regulamentação que exige inspeções periódicas", adverte o engenheiro.
Ele lembra que a manutenção corretiva é normalmente cinco vezes superior à manutenção preventiva. "Esse dado é amplamente conhecido no meio técnico e já foi divulgado em diversos congressos de manutenção e conservação de pontes e viadutos. Além disso, existem diversos exemplos atualmente em que o custo de adequação de uma obra existente é superior ao de construção de uma obra nova com características funcionais idênticas."
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia