Porto Alegre, terça-feira, 03 de maio de 2022.
Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.
Porto Alegre,
terça-feira, 03 de maio de 2022.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Previdência

- Publicada em 03/05/2022 às 14h45min.

INSS perde recursos com ratificação de vetos a orçamento

Manutenção dos vetos atende ao interesse do governo de manter um espaço no teto de gastos

Manutenção dos vetos atende ao interesse do governo de manter um espaço no teto de gastos


Portal Gov.BR/Reprodução/JC
O Congresso Nacional manteve a maior parte dos vetos do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao Orçamento de 2022, cortando verbas de R$ 3,1 bilhões que atingem as atividades do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e outros recursos de emendas de comissões e bancadas do Legislativo.
O Congresso Nacional manteve a maior parte dos vetos do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao Orçamento de 2022, cortando verbas de R$ 3,1 bilhões que atingem as atividades do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e outros recursos de emendas de comissões e bancadas do Legislativo.
Do total de vetos, apenas R$ 88 milhões foram recuperados para obras de esporte e lazer no Ministério da Cidadania. A decisão abre caminho para a aprovação de um projeto de lei apresentado pelo governo para recompor despesas de R$ 2,6 bilhões com o pagamento de funcionários públicos e com o Plano Safra, destinado ao setor agrícola.
Os vetos de Bolsonaro foram alvo de críticas no Congresso, mas o governo mobilizou a base de aliados na Câmara para mantê-los. A tesourada atingiu áreas como Previdência e Educação. Por outro lado, o presidente preservou os recursos do orçamento secreto, somados em R$ 16,5 bilhões, e do fundo eleitoral de R$ 5 bilhões neste ano - de maior interesse dos congressistas.
O corte de R$ 988 milhões no INSS pode criar problemas para as atividades no órgão, responsável por fiscalizar e autorizar o pagamento de aposentadorias e benefícios da Previdência Social. Ontem, o ministro do Trabalho e Previdência, José Carlos Oliveira, afirmou que recebeu a promessa de recomposição do orçamento até o fim do ano. O Planalto fez essa mesma promessa para outros recursos vetados. No Ministério da Educação, os cortes foram de R$ 558,5 milhões.
A manutenção dos vetos atende ao interesse do governo federal de manter um espaço no teto de gastos, regra que atrela o crescimento das despesas à inflação, para áreas de maior interesse político neste ano eleitoral. Bolsonaro prometeu, por exemplo, conceder 5% de reajuste salarial aos servidores públicos, decisão que depende de uma abertura de espaço nas contas públicas da União.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO