Porto Alegre, quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021.
Dia do WebDesigner.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Opinião

- Publicada em 13h59min, 23/02/2021.

A verdadeira importância do G no ESG

Ronald Bozza, sócio fundador da BR Rating, primeira agência de classificação de risco e avaliação dos sistemas de governança corporativa do Brasila

Ronald Bozza, sócio fundador da BR Rating, primeira agência de classificação de risco e avaliação dos sistemas de governança corporativa do Brasila


/BR Rating/Divulgação/JC
Ronald Bozza*
Entre as muitas coisas que se pode dizer a respeito de 2020, uma é que o ano consolidou a importância das preocupações socioambientais no ambiente corporativo e financeiro, traduzidas pela sigla em inglês ESG, ou ASG em português. Apesar disso, a governança tem tido um papel menor entre estes critérios. Em vez de ficar restrito apenas ao controle financeiro, o G tem de ser visto como um elo de proteção, com fundamental importância para toda a estrutura relacionada ao tema.
Entre as muitas coisas que se pode dizer a respeito de 2020, uma é que o ano consolidou a importância das preocupações socioambientais no ambiente corporativo e financeiro, traduzidas pela sigla em inglês ESG, ou ASG em português. Apesar disso, a governança tem tido um papel menor entre estes critérios. Em vez de ficar restrito apenas ao controle financeiro, o G tem de ser visto como um elo de proteção, com fundamental importância para toda a estrutura relacionada ao tema.
De acordo com o relatório Risco Governança Corporativa e Compliance da Fortune Business Insights, as atividades ligadas à governança corporativa movimentam hoje cerca de US$ 21,72 bilhões no mundo e devem aumentar para US$ 57,57 bilhões até 2026.
No Brasil, o cenário é outro. A primeira avaliação feita a partir da Métrica de Governança Corporativa, do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) mostrou que as empresas de capital fechado se encontram em estágio inicial no que diz respeito à adoção das boas práticas de governança corporativa. Em média, a pontuação é de 34,6 em uma escala que vai de zero a 100.
Ao olharmos o mercado brasileiro como um todo, o percentual das empresas que atuam com governança é baixo, indicando, portanto, grandes espaços para melhorias. No entanto, é preciso chamar a atenção para o fato de que o S (Social) e o E (Environmental), parecem ter ganhado papel central nas discussões, enquanto o G (Governance) ocupa um papel secundário, muitas vezes, só figurando na sigla. Essa postura é equivocada porque, ao negligenciar a governança, as empresas não conseguem sequer garantir que suas políticas de boas práticas nas esferas sociais e ambientais foram debatidas e aprovadas.
A governança é justamente o elo que faz a conexão com as outras partes da engrenagem para assegurar que os valores de uma organização estejam estabelecidos em uma sólida gestão de risco e, portanto, preparados para evitar desvios de conduta.
O resultado da falta de uma maior conexão da governança com as demais iniciativas do ESG foi captado em um estudo da ONG ambientalista Ceres. A entidade apontou que 62% das organizações declaram ter supervisão sobre as questões de sustentabilidade no Conselho. Apesar disso, apenas 13% delas apresentam práticas robustas a esse respeito. O estudo ainda indica que somente 18% das companhias discutem questões de sustentabilidade nos Conselhos, comitês de risco ou de auditoria. Tal postura é claramente um equívoco.
O Código Brasileiro de Governança Corporativa afirma que os temas da sustentabilidade precisam estar vinculados às questões estratégicas, aos processos decisórios, aos impactos na cadeia de valor e aos relatórios periódicos. Isso só é possível com uma estrutura sólida de governança e com a presença de conselheiros comprometidos.
A governança bem executada deve desempenhar um papel transversal junto aos projetos sociais e ambientais das corporações. As decisões de uma companhia passam, ou deveriam passar, por um planejamento estratégico bem estabelecido que somente uma estrutura sólida de governança pode oferecer. É necessário que haja governança em iniciativas sociais, assim como é imprescindível a governança em ações ambientais.
Que em 2021 o ESG conquiste ainda maior espaço nas decisões das empresas por todo o mundo. Certamente os valores inseridos nesta sigla representam a contribuição do setor corporativo para o compromisso de entregar um mundo melhor às futuras gerações. Mas isso só será uma verdade prática se o G obtiver o reconhecimento de sua verdadeira importância.
*Sócio fundador da BR Rating, primeira agência de classificação de risco e avaliação dos sistemas de governança corporativa do Brasil
Comentários CORRIGIR TEXTO