Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Trajetória

- Publicada em 15h47min, 15/09/2020. Atualizada em 08h33min, 16/09/2020.

JC Contabilidade consolida-se como referência jornalística da classe contábil

Caderno consolida-se como referência jornalística nos principais temas de interesse da classe contábil

Caderno consolida-se como referência jornalística nos principais temas de interesse da classe contábil


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
Roberta Mello
Nesses 18 anos de existência, o JC Contabilidade levou até as empresas, escritórios e casas dos leitores informação sobre uma série de mudanças legais, tributárias, tecnológicas e de gestão. Cada pessoa que lê o caderno tem suas preferências na hora de se informar. Alguns optam pela versão impressa, outros, pela digital. Consenso é que, desde a criação do caderno, em setembro de 2002, toda semana os principais assuntos do setor têm espaço nas matérias, artigos, entrevistas e colunas do suplemento.
Nesses 18 anos de existência, o JC Contabilidade levou até as empresas, escritórios e casas dos leitores informação sobre uma série de mudanças legais, tributárias, tecnológicas e de gestão. Cada pessoa que lê o caderno tem suas preferências na hora de se informar. Alguns optam pela versão impressa, outros, pela digital. Consenso é que, desde a criação do caderno, em setembro de 2002, toda semana os principais assuntos do setor têm espaço nas matérias, artigos, entrevistas e colunas do suplemento.
Desde a primeira reportagem de capa do caderno JC Contabilidade, que trazia as discussões em torno das mudanças na lei das sociedades por ações - a Lei das S.A., já ganhava espaço uma busca que só se intensificou desde então: a de tornar o ambiente de negócios brasileiro mais moderno, seguro e transparente. E ficava evidente, também, o papel do contador enquanto protagonista nessa transformação.
A alteração na lei, iniciada por meio do projeto de Lei nº 3.741/2000 só viria a se concretizar algum tempo depois - no final de 2007, após sete anos de tramitação no Congresso Nacional, foi concebida a lei ordinária nº 11.638/07, que alterou a Lei das S.A. Mesmo assim, a escolha do tema é simbólica e reflete o quanto se evoluiu de lá para cá. Essa alteração criou novas subdivisões no balanço patrimonial, substituiu a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) pela Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC), instituiu oficialmente a Demonstração do Valor Adicionado (DVA) e criou o conceito de grandes empresas, para efeito de confecção e publicação das demonstrações financeiras.
A presidente do Conselho Regional de Contabilidade, Ana Tércia Lopes Rodrigues, lembra que a consolidação desses aspectos da Lei das S.A. abriu as portas para a total adaptação às normas internacionais de contabilidade (International Financial Reporting Standards - IFRS) no Brasil a partir de 2008. Esse fato, inclusive, é encarado até hoje como um importante divisor de águas para a contabilidade brasileira.
A criação do Comitê de Procedimentos Contábeis (CPC) em 2005 com o objetivo de elaborar normas em conformidade com os padrões internacionais de contabilidade, permitindo a harmonização e convergência a esses padrões, dava sinais de que em breve haveria uma verdadeira revolução na prática contábil. "Algo que até hoje é um desafio", comenta Ana.
Também nessa época estavam começando a se desenvolver os conceitos de governança corporativa, assistíamos ao crescimento do mercado de capitais no Brasil e, consequentemente, se consolidava o papel da auditoria, e os contadores despertavam para a importância de assumir a posição de consultores dos seus clientes - tanto pessoas físicas quanto jurídicas. O mundo via o acesso a uma série de ferramentas tecnológicas se democratizar e invadir o mundo trabalho.
Na profissão contábil não foi diferente. Os softwares de gestão tomaram conta dos escritórios contábeis, os arquivos cederam espaço aos computadores e os documentos em papel passaram a ser enviados ao Fisco sem ter que sair do escritório. Basta um clique para transmitir uma declaração de Imposto de Renda ou enviar os dados dos trabalhadores de uma empresa através do eSocial, por exemplo.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2020/09/15/206x137/1_jc_contabilidade-9138709.png', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5f613d76c77fb', 'cd_midia':9138709, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/png/2020/09/15/jc_contabilidade-9138709.png', 'ds_midia': 'jc contabilidade linha do tempo', 'ds_midia_credi': 'REPRODUÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'jc contabilidade linha do tempo', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Comentários CORRIGIR TEXTO