Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Tributos

- Publicada em 14h43min, 07/07/2020. Alterada em 14h42min, 07/07/2020.

Fisco gaúcho reforça plano de ações digitais

Inovação permite que a Secretaria Estadual da Fazenda modernize e simplifique os sistemas, reduzindo a burocracia, de forma a aumentar a eficiência da arrecadação de impostos

Inovação permite que a Secretaria Estadual da Fazenda modernize e simplifique os sistemas, reduzindo a burocracia, de forma a aumentar a eficiência da arrecadação de impostos


/VISUALHUNT/DIVULGAÇÃO/JC
Roberta Mello
Uma das primeiras ações da atual gestão do governo do Estado foi estabelecer a necessidade de otimização e eficiência da arrecadação. No primeiro dia à frente do Executivo gaúcho, o governador Eduardo Leite assinou o Decreto 54.477, que mais tarde deu origem ao Receita 2030, um plano para a modernização e simplificação da arrecadação.
Uma das primeiras ações da atual gestão do governo do Estado foi estabelecer a necessidade de otimização e eficiência da arrecadação. No primeiro dia à frente do Executivo gaúcho, o governador Eduardo Leite assinou o Decreto 54.477, que mais tarde deu origem ao Receita 2030, um plano para a modernização e simplificação da arrecadação.
As contas gaúchas já vêm há alguns anos no vermelho e esta iniciativa tinha, então, o objetivo bastante ambicioso de ampliar o valor em caixa na tentativa de começar a tirar o Rio Grande do Sul da crise fiscal. Lançado em 10 de junho de 2019, o Receita 2030 não conseguiu, após um ano em vigor, resolver todos os problemas do Estado.
Mesmo assim, nesse momento em que a pandemia do novo coronavírus assola todas as atividades econômicas e acerta em cheio a arrecadação, uma outra faceta do Receita 2030 traz motivos para comemorar. A modernização em massa dos procedimentos realizados pelo Fisco gaúcho tem garantido a manutenção da prestação de muitos serviços, o cumprimento de obrigações e, com isso, a arrecadação.
O subsecretário da Receita Estadual, Ricardo Neves Pereira, salienta que, além dos resultados obtidos até o momento com o Receita 2030 nesse último quesito, já é possível perceber a importância do movimento de modernização iniciado há um ano "já que a pandemia impôs uma nova realidade na forma de trabalho e atendimento". Pereira salienta que "em tempos de distanciamento social, os avanços digitais foram imprescindíveis para manter a prestação de serviços e para a adaptação interna, viabilizando a continuidade do cronograma das 30 iniciativas com êxito".
Para ele "inovar na administração tributária significa garantir ferramentas para o desenvolvimento econômico e para a construção de um Estado mais próspero". "Acreditamos que esse processo de quebra de paradigmas, com aproximação do Fisco e dos contribuintes, deixará benefícios permanentes, com redução da burocracia e dos custos, mais simplificação e certeza tributária, aumento de competitividade e uma melhoria profunda do ambiente de negócios, também com impacto positivo na arrecadação", comentou Pereira.
Ao fazer um balanço do primeiro ano, o governador Eduardo Leite disse que o Receita 2030 é um programa estratégico de gestão, que tem como meta satisfazer as necessidades em termos de arrecadação do governo, mas que vai muito além e busca a transformação digital do Fisco, para ter um Estado mais atraente para os empreendedores. "Queremos deixar um legado de ganhos consistentes de competitividade, criando condições para a retomada econômica, cuja urgência se acentuou diante do impacto econômico da pandemia", disse Leite.
A digitalização está ajudando o governo, também, a gerar dados sobre o impacto da crise sobre os principais setores econômicos. Semanalmente são publicados boletins semanais reconhecidos em relatórios econômicos do Banco Central e do Congresso Nacional.

Receita 2030 incentiva competitividade e desenvolvimento do Estado

Ações do projeto Receita 2030 do Governo do Estado
Ações do projeto Receita 2030 do Governo do Estado
/Sefaz RS / Divulgação / JC
Há um ano, o governo do Estado lançava um plano para a modernização e simplificação da arrecadação. Com 30 medidas para serem implementadas até 2022, todas já iniciadas, o Receita 2030 é um amplo plano de modernização das estruturas de receita, que tem dirimido as perdas na arrecadação estadual. Sem a digitalização dos processos, os efeitos da pandemia talvez fossem maiores no caixa do Estado.
O secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, reconhece que se trata de um projeto com efeitos no médio e longo prazo. Mas salienta que as 30 iniciativas já estão em fase de elaboração e mantém a meta de implementar todas elas dentro dos próximos dois e meio, ou seja, até 2022.
A única que está integralmente concluída é a chamada Sala de Guerra, uma estrutura permanente instituída ainda no passado com o objetivo de comandar a controlar ações para aumento da arrecadação. Um exemplo dessas ações é a coordenação de forças-tarefa no julgamento de processos do contencioso fiscal, na gestão dos processos administrativos e no Refaz 2019.
Outras seis estão em estágio avançado. Dentre elas está uma das primeiras ações desde o ano passado: a Receita Moderna. A fim reformular a maneira de funcionamento da Receita Estadual, esse projeto culminou no fechamento de 24 unidades em todo o Estado, com base em estudo sobre atendimentos presenciais, gerando economia anual de cerca de R$ 2 milhões com despesas como aluguéis, vigilância e manutenção. Os servidores foram realocados para o desenvolvimento de projetos estratégicos de especialização e centralização.
Graças a essa medida, foi possível criar 16 Grupos Setoriais, na iniciativa Fiscalização Especializada, com atuação segmentada por setores econômicos do Estado. O foco nesse caso é estimular o cumprimento voluntário das obrigações, priorizando a prevenção, o monitoramento e o relacionamento com o contribuinte.
Com isso também foi viabilizada a criação de 16 Centrais de Serviços Compartilhados, na iniciativa Centrais de Serviços, sendo que quatro estão implantadas, oito em conclusão e quatro em fase inicial. Essas unidades centralizam atividades de todo Rio Grande do Sul, prestando serviço padronizado e especializado e liberando mais servidores para atividades-fim. O atendimento aos contribuintes faz parte da Nova Política de Relacionamento com o Cidadão, que migrou mais de 25 serviços exclusivamente presenciais para a internet, reforçando o foco na ampliação dos serviços digitais.
Outras 13 iniciativas estão em nível intermediário de implantação e 10 ainda em etapa inicial. Cardoso diz que sabe do trabalho que a Sefaz/RS ainda tem pela frente, mas explica que tornar a Receita verdadeiramente digital, e não eletrônica, demanda muito esforço de tecnologia da informação. O objetivo, diz o secretário, "é qualificar a arrecadação, que é o que se cobra de uma Receita, mas também simplificar a vida do contribuinte, racionalizar o uso de recursos, reduzir o custeio da administração tributária e, ao final, trazer mais desenvolvimento".

Digitalização facilita cumprimento de obrigações e rotina de fiscalização

Além de redirecionar as equipes para as atividades mais estratégicas, a reestruturação da Receita Estadual acabou antecipando algumas necessidades impostas pela crise do coronavírus. Mas o contribuinte deve ficar atento por que as ações de cobrança e fiscalização também estão cada vez mais fáceis de serem feitas.
Uma das medidas do Receita 2030 que teve avanços importantes foi o Contencioso Just In Time, com recorde da década nos julgamentos de processos que envolvem valores de R$ 5 bilhões, decorrentes de contestações por parte de contribuintes em relação à tributação (ainda em etapa administrativa).
O subsecretário da Receita Estadual, Ricardo Neves Pereira, salienta que o redesenho do Processo de Cobrança de Devedores proporcionou resultado histórico de R$ 3,4 bilhões na cobrança de dívidas, número 25% acima de 2018. "Também foram feitas mais de 40 operações ostensivas de fiscalização desde o ano passado e entregamos ao Tribunal de Contas (do Estado) todas informações sobre benefícios fiscais, incluindo a lista de empresas, em uma ação inédita de transparência", destaca Pereira.
O programa de refinanciamento Refaz 2019 teve ingresso efetivo de R$ 720 milhões em apenas 38 dias, em trabalho conjunto com a Procuradoria-Geral do Estado (PGE). Em 2020, com a nova estrutura da Secretaria da Fazenda, também houve mais mudanças na Receita Estadual. Como exemplo, a Divisão de Fiscalização e Cobrança foi desmembrada em três: Divisão de Fiscalização; de Recuperação de Créditos; e de Relacionamento e Serviços. Com isso, espera-se desenvolver ainda mais essas atividades prioritárias.
 

Reforma tributária do Rio Grande do Sul é prioridade do segundo semestre

A Reforma Tributária estadual é a principal prioridade do Governo do Estado para o segundo semestre. A afirmação é do subsecretário da Receita estadual, Ricardo Neves Pereira. A iniciativa faz parte do Receita 2030 e conforme a assessoria de imprensa da Sefaz/RS um projeto já partiu para análise do governador Eduardo Leite.
Pereira adianta que as áreas técnicas trabalharam forte na análise de cenários e chegou-se a um modelo que em breve será amplamente debatido pelo governo com os setores da sociedade. "O objetivo é antecipar-se às mudanças nacionais, que deverão ter um longo período de transição, para tornar o sistema tributário mais moderno, simples, justo e progressivo, melhorando o ambiente de negócios sem abrir mão do necessário equilíbrio fiscal. Estamos chamando essa ação de Reforma Tributária Digital", disse Pereira.
Outra meta ousada para os próximos anos é estabelecer a Obrigação Fiscal Única, ou seja, fazer com que o contribuinte tenha apenas que emitir um documento fiscal eletrônico. A ideia é diminuir a burocracia e deixar que o empresário se preocupe quase que exclusivamente com o negócio.
Os trabalhos são tecnicamente complexos, mas já tiveram início com a dispensa da Guia de Informação e Apuração do ICMS (GIA), que passou a ser importada a partir da Escrituração Fiscal Digital (EFD). Foi iniciada a apuração assistida do ICMS a partir da Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e), que busca calcular o ICMS mensal devido com base nas informações prestadas nos Documentos Fiscais Eletrônicos.
Nesse sentido, também está em desenvolvimento o regime especial Nota Fiscal Fácil (NFF), um projeto nacional para tornar o processo de emissão dos documentos fiscais o mais simples possível para o contribuinte. O foco especial será nos micro e pequenos empreendedores e o objetivo é tornar o processo de emissão o mais simples possível para o contribuinte por meio da disponibilização de um aplicativo que faz a solicitação de documentos fiscais. Atualmente, estão sendo realizados os primeiros testes e pilotos da NFF. Também estão sendo construídas parcerias com outros órgãos, como Receita Federal, fiscos estaduais e Sebrae, com intuito de criar um modelo nacional.
A novidade deve abranger a emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) e Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) por Transportadores Autônomos Rodoviários de Carga, de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) por produtores primários, contribuintes eventuais e não contribuintes e de Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e) nas vendas presenciais a consumidor final.
Outra medida fundamental aos negócios - a Conformidade Cooperativa, está sendo iniciada com o setor de supermercados como primeira experiência. Trata-se de um sistema de inteligência fiscal que disponibiliza aos contribuintes a certeza de cumprimento da legislação tributária por meio da "contratualização" dos parâmetros junto a segmentos econômicos, antecipando posteriores questionamentos ou divergências.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO