Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

Edição impressa de 12/02/2020. Alterada em 12/02 às 03h00min

Incentivômetro aponta perdas de R$ 1 bilhão via incentivos fiscais ao Estado já em 2020

Em pouco mais de um mês (1 de janeiro a 7 de fevereiro), o governo já deixou de arrecadar mais de R$ 1,2 bilhão em incentivos fiscais. Os cálculos são feitos pelo Incentivômetro, portal desenvolvido pela Associação dos Fiscais de Tributos Estaduais (Afisvec), que mede, por segundo, através de um contador, os valores investidos pelo Estado na iniciativa privada via incentivos fiscais, ou seja, valores que deixam de ser arrecadados aos cofres públicos.
Em pouco mais de um mês (1 de janeiro a 7 de fevereiro), o governo já deixou de arrecadar mais de R$ 1,2 bilhão em incentivos fiscais. Os cálculos são feitos pelo Incentivômetro, portal desenvolvido pela Associação dos Fiscais de Tributos Estaduais (Afisvec), que mede, por segundo, através de um contador, os valores investidos pelo Estado na iniciativa privada via incentivos fiscais, ou seja, valores que deixam de ser arrecadados aos cofres públicos.
Em 2018, as desonerações ultrapassaram os R$ 12 bilhões. Em 2019, a estimativa é um pouco menor, mas pode ultrapassar os R$ 11 bilhões. As desonerações fiscais do ano passado ainda não foram publicadas pelo Estado. De acordo com o Incentivômetro, 2020 deverá ultrapassar os R$ 11 bilhões. "Este valor é investimento puro do Estado pois, traduzindo em linguagem leiga, significa dizer que as empresas abateram do ICMS o que deveriam pagar", comenta o diretor adjunto de Comunicação, Paulo Guaragna.
Para o presidente da Afisvec, Marcelo Ramos de Mello, o momento é de repensar a política de incentivos fiscais. "Não somos contra os incentivos fiscais, ao contrário, são necessários muitas vezes para o crescimento da economia, mas há que se fazer uma revisão", sugere Mello.
Os cálculos são baseados nos dados do Demonstrativo das Desonerações Fiscais elaborado pela Receita Estadual. A iniciativa inédita no País foi desenvolvida pela entidade e lançada neste ano.
 
leia mais notícias de Contabilidade
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia