Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 02 de outubro de 2019.
Dia Internacional do Notário.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Fisco

Edição impressa de 02/10/2019. Alterada em 01/10 às 18h09min

Governo estuda rever isenção de impostos da cesta básica

Plano é voltar a cobrar impostos de alimentos como salmão em postas

Plano é voltar a cobrar impostos de alimentos como salmão em postas


CPM/ESPECIAL/JC
A equipe econômica estuda rever a política de desoneração da cesta básica para restringir o benefício a produtos mais voltados às famílias de menor renda. O plano é voltar a cobrar impostos de itens como queijo brie, salmão em postas e chantilly, que hoje são isentos e, na avaliação dos técnicos, são mais consumidos pela parcela mais rica da população.
A equipe econômica estuda rever a política de desoneração da cesta básica para restringir o benefício a produtos mais voltados às famílias de menor renda. O plano é voltar a cobrar impostos de itens como queijo brie, salmão em postas e chantilly, que hoje são isentos e, na avaliação dos técnicos, são mais consumidos pela parcela mais rica da população.
A reoneração parcial garantiria uma economia de R$ 1,2 bilhão por ano, dinheiro que seria destinado para o Bolsa Família. As sugestões constam no Boletim Mensal sobre os Subsídios da União, produzido pelo Ministério da Economia. De acordo com o estudo, a reoneração afetaria 11,2% dos produtos consumidos pelas famílias que estão entre as 20% mais ricas do País. Para os 20% mais pobres, o impacto seria de 2,3%.
Hoje, o sistema de desoneração da cesta básica custa aos cofres públicos R$ 15,4 bilhões por ano, o equivalente a 5,4% de toda a renúncia fiscal. Instituída em 2004, a isenção para os alimentos era restrita aos seguintes produtos: leite, feijão, arroz, farinha de trigo ou massa, pão, batata, legumes e frutas. A partir de 2013, o rol de itens beneficiados começou a ser ampliado.
Na prática, segundo o estudo, isso fez com que o custo da desoneração beneficiasse os mais ricos. De acordo com o estudo, os benefícios destinados aos 20% mais pobres da população correspondem a 10,6% da renúncia fiscal. Enquanto isso, os voltados para os 20% mais ricos representam 28,8% desse custo.
De acordo com o documento, ao passar a taxar parte dos produtos da cesta básica, seria possível aumentar a arrecadação de R$ 1,17 bilhão. Só a reoneração dos vários tipos de queijo hoje isentos representaria um acréscimo de R$ 640 milhões. O segundo maior impacto seria a da taxação de outros derivados de leite (como iogurte e creme de leite), com impacto de R$ 448 milhões.
A desoneração da cesta básica está prevista nas duas propostas de reforma tributária em análise pelo Congresso. A ideia dos projetos é que o novo imposto, resultado da unificação de tributos atuais, não tenha qualquer tipo de benefício fiscal. Técnicos por trás da proposta defendem que o dinheiro seja usado em programas mais focalizados nos mais pobres, como o Bolsa Família.
leia mais notícias de Contabilidade
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia