Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 25 de setembro de 2019.
Dia do Trânsito.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Fala Profissional

Edição impressa de 25/09/2019. Alterada em 24/09 às 15h08min

Robotização aumenta presença na rotina de contadores

Negruni alerta para os perigos do desconhecimento sobre os resultados obtidos via automação

Negruni alerta para os perigos do desconhecimento sobre os resultados obtidos via automação


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Roberta Mello
Segundo pesquisa da Gartner, até 2022 o mercado de soluções de RPA (Robot Process Automation) movimentará um total de US$ 2,4 bilhões e estima-se que 85% das grandes organizações terão adotado alguma forma de automação. Diante desse cenário, pode-se dizer que já não é mais novidade que essas soluções estão modificando o modelo de trabalho das empresas, inclusive as brasileiras.
Segundo pesquisa da Gartner, até 2022 o mercado de soluções de RPA (Robot Process Automation) movimentará um total de US$ 2,4 bilhões e estima-se que 85% das grandes organizações terão adotado alguma forma de automação. Diante desse cenário, pode-se dizer que já não é mais novidade que essas soluções estão modificando o modelo de trabalho das empresas, inclusive as brasileiras.
Não é preciso mais imaginar como seria automatização dos cálculos dos tributos ou até mesmo a geração e validação dos livros fiscais, pois essas e outras atividades já podem ser robotizadas e executadas com precisão. Mas como trazer essa tecnologia, que muitos acreditam ser um alto investimento, para dentro da organização e fazer com que as equipes contábeis e fiscais comecem a usufruir desses benefícios?
Já existem diversos cases de empresas brasileiras, que estão conseguindo implementar a robotização em seus processos. A Decision IT é uma das empresas brasileiras especializadas em prover soluções fiscais inteligentes e focadas no atendimento ao Sped. Ela oferece soluções para importantes organizações, como a Gerdau e as varejistas Lojas Koerich e Lebes, dentre outras.
Essas empresas são alguns exemplos de que é possível inserir a robotização em seus processos e conseguir resultados a curto prazo. Para o diretor de Conhecimento e Tecnologia, Mauro Negruni, a utilização das novas tecnologias é um caminho sem volta tanto para as empresas quanto para os profissionais das áreas contábil e fiscal.
JC Contabilidade - O que é robotização?
Mauro Negruni - O que eu tenho colocado especialmente para as áreas que temem a ideia da robotização ou que desconhecem o conceito - e o desconhecido é temido de maneira geral, o que faz com que essas duas coisas estejam combinadas, é que as pessoas devem se livrar da ideia de que os robôs são apenas aqueles dos filmes de ficção científica. Eles estão presentes no âmbito tributário e contábil e podem ser tudo aquilo que está embarcado em um computador e que passa a fazer o trabalho de um ser humano. Hoje, todo aquele trabalho repetitivo que um humano faria, como, por exemplo, comparar planilhas, comparar relatórios, comparar leis, sentenças e documentos, são trabalhos que podem ser feitos através de RPA. A gente usa uma técnica chamada de Robot Process Automation (RPA), que é e que uma das técnicas mais comuns e é própria da robotização de processos. Ela é específica para qualquer área de processo e já vem sendo usada na área tributária, no direito e em outras tarefas administrativas.
Contabilidade - Então se justifica que as pessoas temam um pouco perder seu espaço nas empresas?
Negruni - Elas temem por que imaginam que o programa robô vai tirar o lugar dela, o posto de trabalho dela. Minha dica para os profissionais de contabilidade que fazem o trabalho rotineiro é que eles vão trabalhar em uma empresa que faz automação de processos para que aquele conhecimento que ele tem seja possível de entregar para um robô. Parece muito paradoxal. O robô tira meu emprego e eu vou trabalhar em uma empresa que faz robô para treinar o robô para tirar o emprego de outros. Se esse profissional não fizer isso, outros vão fazer.
Contabilidade - Ou os profissionais podem buscar qualificação e virar o jogo?
Negruni - Há dois caminhos. Para aquele profissional que faz efetivamente tarefas burocratizadas, que envolvem papel e serviços que são manuais exclusivamente, certamente vão perder o posto de trabalho dele. A pessoa que faz só preenchimento de guia e apuração de impostos, está fadada a ter seu trabalho substituído por um programa-robô. Já aqueles profissionais que trabalham em um ambiente que exigem mais conhecimento, onde parte do trabalho deles é manual e outra parte é intelectualizado, no sentido de propor melhorias, de entender as leis, prestar consultoria e orientar clientes, o robô não consegue fazer de forma fácil e com empatia.
Contabilidade - Essa empatia é essencial, inclusive para ir além do que a programação já faz e pensar nas pessoas que trabalham na empresa, em como melhorar aquele negócio com uma visão global?
Negruni - Sim, é a visão da cultura da empresa. Levaria muito tempo para ensinar um robô a fazer isso e nem é a ideia, por que ele apenas repete o que a gente ensina e não trará visões inovadoras. Um bom exemplo é a realização da conciliação bancária. Hoje em dia tem 500 programas que fazem isso. São coisas que vão fazer parte do nosso dia a dia, por que o robô tem uma grande vantagem em relação ao ser humano. Ele é muito disciplinado, então vai fazer exatamente como a gente programou. Além disso, ele é infinitamente mais rápido do que o nosso cérebro e funciona quase na velocidade da luz.
Contabilidade - Você acredita que a robotização pode criar ou abrir espaço para outras formas de prestação de serviços contábeis, como a contabilidade digital, bastante comentada? Tem outras tendências que você acredita que podem se fortalecer com a maior robotização?
Negruni - Eu acho que sim. Eu não gosto muito do termo contabilidade digital, por que para mim isso é meio de fazer e não um conceito novo. É como no caso do banco. Banco hoje só existe no meio digital. Existe a agência física, mas ali tem uma pessoa que opera um computador. Não tem como não ser assim e a gente não chama de banco digital. Tem as fintechs, que são os chamados bancos digitais, mas todos são digitais em essência. E isso já está acontecendo assim. Aqui na nossa empresa, e em várias outras, nós temos vários robôs que fazem essa parte da conciliação tributária e de captura das informações dos ERPs através de robôs.
Contabilidade - Mas no caso da contabilidade online, quando usamos esse termo, estamos nos referindo especificamente àquele tipo de serviço contábil que é prestado quase exclusivamente online. Assim como existem as "fintechs", como são chamados os bancos digitais?
Negruni - Sim, isso já existe. Tem vários exemplos: a Roit, a Contabilizei, que é precursora desse modelo. Mas o que quero dizer é que mesmo os escritórios de contabilidade ditos tradicionais não vão receber papel. Agora, por outro lado, eu não acredito que a relação entre o cliente e o escritório de contabilidade vai se dar exclusivamente pelo meio digital. Mesmo as empresas de comércio eletrônico (e-commerce) têm pelo menos um chat para você poder falar com alguém lá quando precisa fazer uma devolução, tirar uma dúvida, cancelar, etc. Se tudo der certo eu uso o meio digital, mas se alguma coisa der errado eu quero falar com alguém. Isso é do ser humano. Ela poderá se sentir desamparada se não houver uma pessoa disposta a escutá-la.
Contabilidade -Todas essas mudanças ainda vão levar quanto tempo para acontecer?
Negruni - Estamos só começando essa caminhada. A cada três anos, temos uma revolução tecnológica, então quando passarmos a ter a computação quântica, os nossos processadores serão aumentados em 250 vezes a sua velocidade. Isso ainda vai demorar. Em compensação, os riscos que nós temos na utilização de redes abertas sem fio, já são iminentes.
Contabilidade - A segurança digital deve preocupar bastante o setor contábil?
Negruni - Deve preocupar, até por que o contador é um dos principais alvos da nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Ele tem dados muitos sensíveis na mão e no momento em que isso vaza é um problema. Isso serve para o escritório de contabilidade, para a empresa de auditoria, enfim, para uma série de profissionais que vão precisar ter esse cuidado ainda maior ao utilizar novas tecnologias.
Contabilidade - E como se proteger?
Negruni - Algumas recomendações são bastante básicas: senhas longas, senhas individuais e cada equipamento sendo monitorado pelo Wi-Fi. Hoje existem programas que fazem a monitoração do tráfego do Wi-Fi para ver se nenhum elemento está consumindo mais do que deveria. Os dois ativos mais valiosos hoje em dia são Informação e Reputação e eles estão bastante relacionados. Já houve casos de sequestro de dados de grandes companhias que perderam sua credibilidade. É um tema a ser explorado e a se manter em pauta.
leia mais notícias de Contabilidade
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia