Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de outubro de 2018.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Empreendedorismo

Edição impressa de 10/10/2018. Alterada em 10/10 às 12h56min

Abertura de MEIs no primeiro semestre é 38% maior que em mesmo período de 2015

No ranking por setor, higiene e beleza lideraram o primeiro semestre de 2018

No ranking por setor, higiene e beleza lideraram o primeiro semestre de 2018


LYNN FRIEDMAN/DIVULGAÇÃO/JC
Em comemoração ao Dia do Empreendedor, celebradono dia 5 de outubro, a Serasa fez um estudo especial para mostrar a evolução do nascimento de Microempreendedores Individuais (MEIs) desde 2015. Os resultados mostraram que essa atividade no País cresceu significativamente: 38% considerando o primeiro semestre de 2018 em comparação com o mesmo período de 2015.
Segundo o levantamento, 1.033.017 milhão de MEIs surgiram de janeiro a junho deste ano. No mesmo período de 2015, sugiram 748.371 microempreendedores individuais. Na comparação com o primeiro semestre de 2017 (902.290), o registro de MEIs na primeira metade deste ano subiu 14,5%.
Na avaliação dos economistas da Serasa Experian, o claro avanço na formalização de MEIs ao longo do primeiro semestre entre 2015 e 2018 reflete a necessidade do brasileiro na geração de novas fontes de renda e comportamento ativo no mercado como formas de driblar a crise político-econômica, que perdurou nos últimos três anos no País, trazendo desemprego recorde, alta na inflação e perda de confiança.
“Diante deste cenário, os resultados mostram que o fenômeno do ‘empreendedorismo por necessidade’ tem ganhado cada vez mais relevância, por isso é importante que o MEI busque alternativas e capacitação para que o pequeno negócio alcance o crescimento sustentável”, diz o vice-presidente de Micro, Pequenas e Médias Empresas da Serasa Experian, Victor Loyola.
No acumulado dos seis primeiros meses de 2018, os serviços de higiene e embelezamento pessoal (8,9%) lideraram o ranking de formalização de microempreendedores individuais por ramo de atividade. Em segundo lugar, aparecem os serviços de alimentação, com 8,2%.
Na sequência da lista apareceram reparos e manutenções de prédios e instalações elétricas (8,1%) e comércio de confecções em geral (7,0%). Confira abaixo o Top 10 dos ramos de atividades que ficaram em destaque entre os MEIs nascidos no País na primeira metade deste ano:
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/10/10/206x137/1_contabilidade_1-8503983.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5bbe1f8683b41', 'cd_midia':8503983, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/10/10/contabilidade_1-8503983.jpg', 'ds_midia': 'Arte matéria JC Contabilidade. Abertura de MEIs cresce no primeiro semestre deste ano. ', 'ds_midia_credi': 'Arte/JC', 'ds_midia_titlo': 'Arte matéria JC Contabilidade. Abertura de MEIs cresce no primeiro semestre deste ano. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '395', 'cd_midia_h': '309', 'align': 'Left'}
Já no primeiro semestre de 2015, o ramo de atividade líder era de reparo e manutenção de prédios e instalações elétricas (9,9%). Em segundo lugar, aparecem os serviços de higiene e embelezamento pessoal, com 9,7%.
No levantamento por regiões, apesar de o Sudeste ter mais da metade de participação no primeiro semestre de 2018 (53,0%), o Sul liderou o crescimento (18,3%) de novos MEIs na comparação com o mesmo período de 2017. O Sudeste aparece em segundo lugar, com alta de 16%, assim como o Nordeste, que subiu 12,5%. O Norte foi a única região a demonstrar decréscimo (-1,1%).
Distrito Federal (23,0%), Paraná (19,8%) e São Paulo (18,7%) apresentaram, no primeiro semestre de 2018, as maiores altas na formalização de microempreendedores individuais, frente ao mesmo período de 2017. No outro extremo, registraram quedas os estados de Amapá (-13,2%), Pará (-4,1%), Tocantins (-2,6%) e Mato Gosso (-0,5%).
O Sebrae vem monitorando o comportamento do mercado ao longo dos anos e já identificou que o cenário de crise econômica que o País tem atravessado estimula a abertura de empresas principalmente nas atividades de manutenção e reparação de bens duráveis. Além disso, mesmo em um contexto recessivo, abrir um pequeno negócio para o atendimento de necessidades básicas da população, como vestuário e alimentos, continua sendo uma alternativa promissora.
“Notamos um aumento na preocupação com a aquisição de produtos de melhor qualidade e de serviços associados às mudanças de longo prazo da sociedade, em especial, nas áreas de saúde - devido ao público consumidor que está envelhecendo, bem como de educação e informática. Também notamos o expressivo crescimento das chamadas startups, que estão oferecendo soluções inovadoras para demandas do consumidor”, comenta o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/10/10/206x137/1_contabilidade_2-8503984.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5bbe1f8683b41', 'cd_midia':8503984, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/10/10/contabilidade_2-8503984.jpg', 'ds_midia': 'Arte matéria JC Contabilidade. Abertura de MEIs cresce no primeiro semestre deste ano. ', 'ds_midia_credi': 'Arte/JC', 'ds_midia_titlo': 'Arte matéria JC Contabilidade. Abertura de MEIs cresce no primeiro semestre deste ano. ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '400', 'cd_midia_h': '360', 'align': 'Left'}
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia