Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 04 de julho de 2018.
Dia do Operador de Telemarketing. Feriado nos EUA - Dia da Independência.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

Notícia da edição impressa de 04/07/2018. Alterada em 04/07 às 01h00min

Desaprovação a Temer é com relação a impostos

A Pesquisa CNI/Ibope divulgada na manhã desta quinta-feira (28) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), aponta que a maior desaprovação do governo Michel Temer é na área de impostos. Segundo o levantamento, 92% dos entrevistados rejeitam a administração emedebista em relação a esse tema e apenas 6% o aprovam. O índice supera o da pesquisa feita em março e divulgada em abril, de 90%.
Outra área mal avaliada do governo é a taxa de juros, com 89%. Na pesquisa, os temas "combate ao desemprego" e "saúde" aparecem entre os quatro pontos com pior avaliação, ambos registram 87% e 88% de desaprovação, respectivamente.
Das nove áreas analisadas pelos entrevistados, as melhores avaliações são em meio ambiente (76% de desaprovação e 17% de aprovação), educação (83% de desaprovação e 15% de aprovação) e segurança pública (83% de desaprovação e 15% de aprovação).
A avaliação positiva do governo Temer em relação ao governo Dilma Rousseff apresentou uma piora: subiu de 55% para 63% os que consideram o governo Temer pior que o da antecessora. O índice dos que disseram que a gestão do peemedebista é melhor que a da petista recuou de 10% para 9%. Aqueles que disseram que é igual caiu de 33% para 26%.
Questionados sobre as perspectivas em relação ao restante do governo Temer, 74% dos entrevistados disseram que a expectativa é ruim ante aos 67% registrados no levantamento feito em março, data da realização da última pesquisa. Os que disseram que a perspectiva é ótima ou boa caíram de 7% para 5% e recuou de 22% para 19% os que classificaram como regular. A pesquisa foi feita entre os 21 e 24 de junho, com 2 mil eleitores em 128 municípios. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-02265/2018.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia