Porto Alegre, sexta-feira, 08 de janeiro de 2021.
Dia Nacional do Fotógrafo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 08 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Responsabilidade Social

- Publicada em 03h00min, 04/01/2021. Atualizada em 10h58min, 08/01/2021.

Pandemia altera o desenvolvimento infantil

Com o isolamento dos pequenos em casa, muitos estímulos ao cognitivo infantil podem ter diminuído

Com o isolamento dos pequenos em casa, muitos estímulos ao cognitivo infantil podem ter diminuído


/Divulgação/freepik/via freepik
O isolamento social pode trazer alguns prejuízos no desenvolvimento da fala e linguagem das crianças obrigadas a ficar em casa devido à pandemia, alertam especialistas. Principalmente pela falta de estímulos ambientais e sociais que estavam anteriormente expostas, como por exemplo, na escola, saída com amigos e passeios em família.
O isolamento social pode trazer alguns prejuízos no desenvolvimento da fala e linguagem das crianças obrigadas a ficar em casa devido à pandemia, alertam especialistas. Principalmente pela falta de estímulos ambientais e sociais que estavam anteriormente expostas, como por exemplo, na escola, saída com amigos e passeios em família.
Mesmo com a reabertura das escolas, muitos pequenos mantiveram sua rotina em casa com os pais trabalhando em home office ou sob os cuidados de outros adultos. Agora, com as férias escolares e o aumento do número de casos de Covid-19, muitos pequenos voltarão a ficar exclusivamente em casa, o que deve aumentar o uso de aparelhos eletrônicos como tablets, celulares ou computadores para distrair e entreter as crianças que acabam ficando privadas da comunicação verbal.
"Pode começar a haver atrasos no desenvolvimento oral, como também gráfico, dificuldades auditivas, tanto periféricas, pelo alto volume ou uso excessivo de fones de ouvido, como também de atenção e concentração e processamento auditivo central", aponta a fonoaudióloga e especialista em linguagem Lilian Papis.
Os meses de quarentena em casa provocaram mudanças nos hábitos até mesmo das crianças que não tinham uma rotina escolar, pois os parques, clubes, praças e áreas de lazer foram fechados para evitar aglomerações.
É o caso do filho da zootecnista Paula Amano Yoshisato, Roberto, de 2 anos e meio. Ela conta que os planos eram que Roberto começasse a frequentar a escola este ano, mas, com a pandemia, ele continuou em casa, aos cuidados da mãe, em tempo integral. "Tínhamos mais contato com outras pessoas e área externa. Agora, ele quer ficar mais tempo em eletrônicos."
Paula conta que, com a falta de convívio com outras pessoas e crianças, o filho deixou de falar as poucas palavras que já conhecia. Segundo os médicos e fonoaudiólogos, é um processo comum a crianças nessa idade que precisam de estímulos corretos para voltar a falar. A mãe tem se esforçado para diminuir os efeitos negativos do isolamento no garoto. "Tenho estudado mais sobre atividades, como brincar com tinta, piscina, areia, hortinha", conta Paula.
Na avaliação da fonoaudióloga Lilian Papis, crianças que estão começando a falar, por volta de 1 ano ou que estão em pleno desenvolvimento de fala e linguagem, entre os 2 ou 3 anos, devem ser diariamente estimuladas através dos cinco sentidos, audição, visão, tato, olfato e paladar.
"É primordial cantar músicas, brincar com miniaturas, fantoches, contar histórias, nomear figuras ou pedir para que as repita, falar frases relacionadas ao que estão comendo, apresentar diferentes sabores ao seu paladar e estimular o olfato através do cheiro da comida, frutas; imitar sons de animais, meios de transporte, objetos eletrodomésticos, brincar de fazer caretas, mandar beijos, estalar a língua também ajudam muito", enumera Lilian.
Durante a infância, o cérebro da criança se desenvolve com muita rapidez gerando grandes aprendizados. Com o isolamento dos pequenos em casa, muitos estímulos necessários para a ampliação do desenvolvimento cognitivo infantil podem ter diminuído. Para especialistas, essa falta de contato com outras pessoas e de vivência fora de casa pode ter prejudicado não só a fala, mas trazido alterações no sono, no humor e no apetite das crianças.
"Não podemos desconsiderar os possíveis estressores ambientais que impactam nas crianças. Sobre isso podemos pensar em mudança de rotina e novos papéis atribuídos aos pais, como perda de familiares pela covid-19, mudanças estruturais como perda de emprego e pais com pouco manejo emocional", destaca a psicóloga especialista em terapia cognitivo comportamental e neuropsicologia Roberta Alonso. "As crianças têm apresentando humor mais irritado, alterações do sono e comportamentos de impaciência, assim como regressão em sua autonomia, sobrecarregando os pais", completa a especialista.
Em razão disso, a psicóloga sugere aos pais trabalhar as próprias emoções e expectativas. "As crianças estão em desenvolvimento e têm condições de retomar e melhorar suas habilidades quando começarmos a retomar a rotina em segurança. É importante pensar que a frustração também faz parte do desenvolvimento e esse período também está a ensinar isso", afirma.
Comentários CORRIGIR TEXTO