Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 18 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 18 de julho de 2020.

Empresas & Negócios

Compartilhar

Responsabilidade Social

- Publicada em 03h00min, 06/07/2020. Alterada em 03h00min, 06/07/2020.

Comida que alimenta o coração

Três meses após o início do projeto Amparaí, a estrutura já conta com 269 voluntários em Porto Alegre

Três meses após o início do projeto Amparaí, a estrutura já conta com 269 voluntários em Porto Alegre


/ONG MISTURAÍ/DIVULGAÇÃO/JC
Luisa de Oliveira
"Não entregamos apenas um prato de comida, mas um momento de acolhimento, um momento de afeto", é assim que a jornalista Elisa Casagrande, voluntária na ONG Misturaí há 94 dias, descreve o mais recente projeto da instituição, o Amparaí. A iniciativa tem como objetivo entregar quentinhas para pessoas em situação de vulnerabilidade, como moradores de rua e comunidades carentes de Porto Alegre, onde a organização está localizada. Até o momento já foram entregues mais de 40 mil marmitas para moradores de rua e 10 comunidades da capital.
"Não entregamos apenas um prato de comida, mas um momento de acolhimento, um momento de afeto", é assim que a jornalista Elisa Casagrande, voluntária na ONG Misturaí há 94 dias, descreve o mais recente projeto da instituição, o Amparaí. A iniciativa tem como objetivo entregar quentinhas para pessoas em situação de vulnerabilidade, como moradores de rua e comunidades carentes de Porto Alegre, onde a organização está localizada. Até o momento já foram entregues mais de 40 mil marmitas para moradores de rua e 10 comunidades da capital.
Três meses após o início do projeto, a estrutura conta com 269 voluntários. Entre eles, 100 cozinheiros, que atuam em casa ou na sede da ONG confeccionando em média 3 mil marmitas por semana. A outra parte dos voluntários cuida da logística das entregas e da locomoção dos alimentos, tanto para doações, quanto para o abastecimento dos que cozinham.
Além das quentinhas, a ONG percebeu a igual necessidade de outros elementos básicos, como: agasalhos, água, kits de higiene, cestas básicas e cobertores. Os insumos são distribuídos de segunda a sábado e têm como destino fixo algumas comunidades, como Recanto da Alegria, Bom Jesus, Tuca e Beco do Guará. Além dessas localidades, a instituição também faz doações esporádicas para outras regiões de vulnerabilidade como Cabo Rocha e Vila Mirasol.
Após alguns meses de trabalho direto com grupos vulneráveis na capital, Elisa Casagrande, voluntária da ONG, comenta que a situação tem se agravado: "a gente vê que em alguns dias as pessoas estão com mais necessidade de alimento do que em outros. E nas comunidades, por que muitos trabalham como autônomos, as pessoas estão bem mais desabastecidas".
Atualmente são mais de 2 mil pessoas vivendo em situação de rua em Porto Alegre, segundo o último levantamento feito pela Ufrgs em 2016. Elisa comenta que, com o fechamento do comércio na Capital, a situação desse grupo se agravou ainda mais. "Com o fechamento, daí surge um desabastecimento maior das pessoas em situação de rua, até de água, por exemplo. Por que vários restaurantes, vários bares, quando estão abertos, dão água para essas pessoas". A situação atual somada ao cenário de incerteza acaba tornando ainda mais importante a atuação de ONG's como a Misturaí.
A organização foi fundada em 2018 por um grupo de 20 pessoas. Sediada na Vila Planetário, na Capital, a instituição busca romper bolhas sociais e promover uma mistura entre diferentes classes. Para a presidente da ONG, Mara Luisa Freitas, a união torna o trabalho especial: "as pessoas vêm por que elas querem fazer o bem, querem fazer alguma coisa pelo próximo, a gente quer mostrar que se unindo podemos fazer essas coisas boas".
Inicialmente tendo como objetivo auxiliar a Vila Planetário, onde está inserida, a organização acabou desenvolvendo projetos de incentivo ao empreendedorismo, como o Costuraí. A ação iniciada por uma voluntária foi criada para auxiliar mães da região que buscam complemento de renda - hoje, o Costuraí conta com 5 costureiras e atende a pedidos esporádicos e produz máscaras para doação e auxílio.
Na Vila Planetário, a instituição mantém auxílios específicos, como a produção e doação para a comunidade de pães assados às quintas-feiras e almoços sociais aos sábados. Além da manutenção de projetos como o Gurizadaí, que atende crianças no contra-turno escolar, e o Batucaí, iniciativa que ensina percussão para os pequenos.
A ONG Misturaí busca constantemente doações de alimentos e insumos para a manutenção de suas atividades. Para auxiliar a iniciativa, acesse o link: https://www.apoia.se/misturai. A organização também possui parceria com o aplicativo 99 POP, basta adicionar como destino a ONG Misturaí (Vila Planetário- Rua Luiz Manoel, 229) que você recebe 50% de desconto na corrida. A sede fica aberta de segunda a sábado, das 9h às 21h. Para conhecer mais do trabalho da Misturaí, basta seguir no Instagram: @misturaí.
leia mais notícias de Empresas & Negócios
Comentários CORRIGIR TEXTO