Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Edição impressa de 27/01/2020. Alterada em 27/01 às 03h00min

Como o e-commerce pode faturar no 1º semestre?

CEO e co-fundador do Promobit
CEO e co-fundador do Promobit
O início do ano costuma trazer sentimentos distintos para quem trabalha com varejo online, a felicidade do resultado do último trimestre do ano anterior (Black Friday e Natal) e a preocupação com as vendas no primeiro trimestre do ano. Esses primeiros meses são os mais fracos para a maioria dos e-commerces, o que se deve aos gastos dos consumidores com impostos (IPVA, IPTU, DPVAT etc) e por já terem comprado muito do que queriam no final do ano.
Mas não dá para ficar de braços cruzados esperando por uma melhora natural nas vendas. Apesar de ser bem difícil manter os resultados dos últimos meses, é possível sim melhorar os números e começar o ano com o pé direito.
Uma das estratégias mais antigas e efetivas, oferecer bons descontos é sempre um excelente chamariz para atrair consumidores. Mas antes de sair colocando plaquinhas ou banners de promoção, é preciso analisar os impactos da redução da margem no faturamento para gerar mais vendas sem comprometer a saúde das suas finanças.
Uma dica é trabalhar produtos que não conseguiu vender no final do ano e pode oferecer descontos que realmente chamem atenção dos consumidores. Outra estratégia é utilizar bundles com um item de grande interesse pelos consumidores e outros que vendem tão bem.
Além das vendas, Black Friday e Natal são oportunidades para aumentar as bases de consumidores cadastrados na sua loja, que já conhecem e, se fez um bom trabalho de pós-vendas, confiam no seu serviço. Os esforços de marketing para levá-los a realizar uma nova compra será bem menor que em relação a um novo cliente, principalmente se oferecer produtos que tenham relação com o que eles já compraram.
O início do ano marca o retorno ou início às aulas e isso gera necessidades de compra. Saindo um pouco da categoria de papelaria, que é um nicho em que essa lógica de começo de ano ruim é inexistente, a volta às aulas também estimula a compra notebooks, mochilas, roupas, calçados e muitos outros segmentos.
Quase todo mundo possui uma listinha de promessas para 2020 e isso pode ser muito bom para alavancar vendas, ao focar em trabalhar produtos que possam ajudar nessas tarefas. Um exemplo são as pessoas que tem a meta de emagrecer e para isso procuram academias, compram tênis para correr, smartband e outros itens. Há também aqueles que vão começar ou retomar os estudos - falamos no tópico anterior - e aqueles que planejam viagens, aí entram passagens, pacotes, malas e serviços para ajudar a guardar dinheiro.
Essas são algumas estratégias, mas existem outras que opções interessantes para melhorar o desempenho no início do ano. O importante é analisar a situação, possibilidade e oportunidades de mercado e tomar a melhor decisão para o seu negócio.
 
Fabio Carneiro
leia mais notícias de Empresas & Negócios
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia