Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 29 de julho de 2019.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Edição impressa de 29/07/2019. Alterada em 29/07 às 03h00min

Varejo ainda precisa vencer preconceitos

Pesquisa sobre preconceito no varejo

Pesquisa sobre preconceito no varejo


REPRODUÇÃO PROCON-SP/DIVULGAÇÃO/JC
Pesquisa inédita feita pelo Procon-SP com cerca de 1,7 mil brasileiros identificou que mais da metade dos entrevistados (55%) já sofreu discriminação ao ir às compras. Na maior parte das vezes, o preconceito está relacionado à aparência e é mais frequente em lojas de rua e agências bancárias. Segundo a pesquisa, negros e mulheres estão entre os principais alvos de preconceito, ainda que a maioria (60,8%) tenha declarado ter sofrido discriminação pela condição financeira. Na prática, isso se traduz em comportamentos como recusa ou demora no atendimento, resposta dada por 37% dos entrevistados. Agressões morais e físicas foram citadas em 20% dos casos.
Pesquisa inédita feita pelo Procon-SP com cerca de 1,7 mil brasileiros identificou que mais da metade dos entrevistados (55%) já sofreu discriminação ao ir às compras. Na maior parte das vezes, o preconceito está relacionado à aparência e é mais frequente em lojas de rua e agências bancárias. Segundo a pesquisa, negros e mulheres estão entre os principais alvos de preconceito, ainda que a maioria (60,8%) tenha declarado ter sofrido discriminação pela condição financeira. Na prática, isso se traduz em comportamentos como recusa ou demora no atendimento, resposta dada por 37% dos entrevistados. Agressões morais e físicas foram citadas em 20% dos casos.
O levantamento revelou, ainda, que 62,4% dos discriminados possuem baixo poder aquisitivo e que a condição financeira foi o principal motivo da discriminação nas relações de consumo na percepção dos entrevistados (60,77%), seguidos pela cor (15,96%) e por ser mulher (8,20%).
Quanto ao local onde as pessoas foram discriminadas, os mais citados foram: 36,17% (331) declararam ter sido em uma loja (de roupas, calçados, eletroeletrônicos, entre outras), 16,28% (149) em estabelecimento financeiro (banco, financeira, seguradora e similares), 8,31% (76) em shopping center, 5,90% (54) em estabelecimento que oferece refeições e 5,14% (47) em concessionária de serviço público.
Diante da discriminação, a maioria, 56,83% (520) não tomou nenhuma atitude; 28,74% (263) apenas exigiram respeito aos seus direitos; 10,16% (93) notificaram a ouvidoria da empresa; e somente 4,26% (39) denunciaram às autoridades competentes, sendo que 18 recorreram ao Procon-SP. "O Brasil é de fato um país racista, misógino e separatista por renda. O negro sofre preconceito pela cor e pela renda, na maior parte das vezes baixa. A mulher, porque não é vista como alguém capaz de tomar sozinha decisões de compras de valores mais altos e em áreas tipicamente masculinas, como automóveis", ressaltou o sociólogo do consumo Fábio Mariano Borges, da ESPM.
A discriminação nas relações de consumo devido à condição social e à aparência é crime previsto no Código de Defesa do Consumidor e também na Constituição Federal, observa Marcus Vinicius Comenale Pujol, diretor da Escola Paulista de Defesa do Consumidor do Procon-SP. Denúncias podem ser feitas em delegacias especializadas, à Defensoria Pública e aos Procons. Mas é incomum vítimas buscarem reparação. Dos entrevistados que sofreram discriminação, 57% não tomaram nenhuma atitude. Segundo Pujol, a baixa procura por reparação é fruto da dificuldade de comprovar a discriminação, pois na maior parte dos casos ela é velada, como ocorreu com mais de 70% das vítimas ouvidas.
"Em casos extremos, quando a pessoa é levada para uma sala de revista ou é impedida de entrar no estabelecimento, é mais fácil conseguir testemunhas ou gravação das câmeras de segurança. A partir da denúncia, o caso é investigado e pode resultar até no fechamento do comércio."
Patrícia Cardoso, coordenadora do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon) da Defensoria Pública do Rio, lembra que a prática pode configurar dano moral. Ela reconhece a dificuldade de a vítima juntar provas para ir à Justiça, mas observa que há outras formas de punir a empresa. "Fazer propaganda negativa do estabelecimento, relatando o constrangimento em redes sociais, com responsabilidade e respeito, costuma ser eficaz."
A diretora executiva do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar), Patricia Cotti, reconhece que situações de discriminação são frequentes no comércio. Ela aponta três razões: o preconceito embutido na sociedade; o fato de mais de 70% do varejo estar nas mãos de pequenas e médias empresas, com menos estrutura de capacitação; e o próprio modelo de negócio. "Quando um vendedor ganha por comissão e tem metas para bater, ele otimiza seu tempo. Prefere atender bem quatro clientes com potencial para fazer grandes compras do que 10 que, acredita, farão compras de menor valor."
 
leia mais notícias de Empresas & Negócios
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia