Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 01 de julho de 2019.
Dia Mundial da Arquitetura.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

recursos humanos

Edição impressa de 01/07/2019. Alterada em 01/07 às 03h00min

Síndrome de Burnout atinge trabalhadores

Tipo de esgotamento psíquico deve estar na próxima revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID)

Tipo de esgotamento psíquico deve estar na próxima revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID)


/YANALYA/FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
No início dos anos 2000, o aumento do uso de computadores fez aumentar os casos de afastamento do trabalho por Lesão de Esforço Repetitivo (LER). Nos tempos atuais, outro diagnóstico começa a se tornar comum no mercado de trabalho: o estresse crônico conhecido como Burnout.
No início dos anos 2000, o aumento do uso de computadores fez aumentar os casos de afastamento do trabalho por Lesão de Esforço Repetitivo (LER). Nos tempos atuais, outro diagnóstico começa a se tornar comum no mercado de trabalho: o estresse crônico conhecido como Burnout.
A síndrome passou a atingir tantas pessoas que a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou recentemente a inclusão desse tipo de esgotamento psíquico na próxima revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID). No Brasil, uma pesquisa da Isma-BR, representante da International Stress Management Association, mostrou que 72% dos brasileiros que estão no mercado de trabalho têm alguma sequela causada por estresse. Desse total, 32% sofrem de Burnout.
A administradora Helloá Regina, de 25 anos, foi diagnosticada em 2015. Estava sobrecarregada com excesso de trabalho com cursos, voluntariado e tarefas domésticas. Um dia, entrou em colapso. "Eu estava sempre doente, minha imunidade era muito baixa. Tive uma crise de ansiedade e achei que estava enfartando, mas fiz exames que mostraram que estava tudo bem. Um dia, meu celular despertou e não tive forças para levantar e ir trabalhar. Foi quando resolvi procurar terapia e comecei a cuidar de mim", conta Helloá, que precisou se afastar do trabalho por mais de um ano.
Depois de se recuperar, a administradora decidiu ajudar outras pessoas a descobrir se estão passando pelo mesmo problema. Para isso, aprofundou estudos sobre o Burnout e criou um grupo no Facebook para a troca de experiências. Sabrina Ferrer, psicóloga-chefe do FalaFreud, plataforma virtual de terapia, observa que, embora seja reconhecida desde 1974, a síndrome ainda é negligenciada, vista como "frescura":
"Cerca de 70% dos casos são advindos do trabalho. São pessoas que vivem sob pressão, com prazos de entrega curtos, e chefes que não têm um gerenciamento adequado da equipe. A situação leva a pessoa a não ter disposição para nada, e isso pode evoluir para doenças físicas, como dores de cabeça, gastrite e alergias."
O tratamento é composto por terapia, aliada à mudança de estilo de vida: alimentação saudável, exercícios físicos e mais tempo para socialização. Também é essencial diminuir o uso de aparelhos tecnológicos - como TV e celular - para aumentar o tempo em contato com a natureza. Para Ana Paula Cunha, doutora em Psicologia e professora do IBMR, empresas que investem no ambiente de trabalho têm vantagens. "Pessoas saudáveis tendem a ter mais proatividade frente aos desafios profissionais."
 
leia mais notícias de Empresas & Negócios
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia