Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Edição impressa de 18/03/2019. Alterada em 18/03 às 01h00min

Contra a cibercensura, em benefício da comunicação on-line

Aline Wolff
A democracia pela produção de informação cresce proporcional aos avanços da web. Um conteúdo vasto é promovido hoje pelo o que chamamos de "marketing de conteúdo", que explora o digital tornando influentes os profissionais que detém conhecimento em áreas específicas. A "infodemocracia" também oportuniza pelos canais "infodigitais" que jornalistas contem suas histórias com maior propriedade. Ela destaca os blogueiros e os youtubers. E - muito importante - inclui opiniões sociais. Neste cenário está exatamente o objetivo de preservar tantos benefícios ofertados pela rede www. Também, a reflexão de uma década que celebrou em 12 de março o Dia Mundial Contra a Cibercensura.
Como tudo, a democracia pela produção de informação e publicação nos canais digitais oferece aos cibernautas os seus pós e os seus contras. Entre as objeções estão as fake news (notícias falsas ou imprensa marrom), o sensacionalismo exacerbado, o marketing digital incongruente e a poluição da informação que dificulta as pesquisas dos usuários e o destaque de produtores idôneos, como profissionais e marcas que sustentam a transmissão de conhecimento pelas multiplataformas digitais.
O ganho maior, sem dúvida, coloca todo o resto no bolso: é a liberdade de expressão. A facilidade de acesso à internet por pessoas em todo o planeta impulsiona o crescimento da comunicação online. Ainda que o Brasil esteja longe - e muito! - da salvação que resguarda a integridade e a vida de jornalistas investigativos, comemoramos a nossa atual posição distante das represálias políticas intensas experimentadas por restrições aos direitos dos cidadãos em diversos outros países. Estamos avançando no universo digital, até porque é um caminho sem volta.
O Dia Mundial Contra a Cibercensura é celebrado mundialmente desde 2009 pela iniciativa da ONG "Reporters Without Borders" - Repórteres sem Fronteiras (RSF). A organização foi criada em 1985 na França. De acordo com o site da instituição, entre os países chamados "predadores" ou "inimigos da internet" estão: Arábia Saudita, Barein, Bielorrússia, China, Coreia do Norte, Cuba, Irã, Síria, Venezuela, México e Peru.
Sobre nós, brasileiros, importa mencionar que a última pesquisa da RSF a respeito do Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa, coloca o Brasil em 104ª posição, "não estando à altura de um país que deveria ser uma referência regional. Em 2010, o País se encontrava na 58ª posição", conforme cita. Os motivos principais são os índices de violência contra jornalistas e a ausência de iniciativas governamentais de proteção aos profissionais das mídias.
Jornalista, Assessora de Imprensa, Coach de Comunicação e especialista em Marketing
leia mais notícias de Empresas & Negócios
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia