Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Edição impressa de 11/03/2019. Alterada em 11/03 às 01h00min

Juro pesa menos nas prestações do consumidor brasileiro

Valor médio da parcela para bem durável de R$ 1 mil é de R$ 73,01

Valor médio da parcela para bem durável de R$ 1 mil é de R$ 73,01


/MARCELO G. RIBEIRO/JC
Nunca a prestação de um financiamento coube tanto no bolso do consumidor brasileiro. O valor médio da prestação para comprar um bem durável de R$ 1 mil, como uma geladeira, era de R$ 73,01 ao mês no fim do ano passado, conforme cálculos da Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). É o menor valor, em termos reais, descontando a inflação, desde que a CNC começou a fazer esse cálculo, em março de 2011.
O resultado sugere que as famílias estariam prontas para começar um ciclo de consumo desses produtos, mas um avanço maior é freado pelo desemprego elevado. Semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que há 12,7 milhões de brasileiros desempregados. Quando se leva em conta os desalentados (que desistiram de buscar uma vaga) e aqueles que trabalham menos do que gostariam, o contingente vai a 27,5 milhões.
Para chegar ao valor da prestação, os economistas da CNC levam em conta a taxa de juros média ao consumidor de 24,1% ao ano e o prazo médio de 16,5 meses, medidos pelo Banco Central (BC) em dezembro de 2018. Em dezembro de 2011, o valor era de R$ 100,52, pelos mesmos parâmetros.
Segundo o economista-chefe da CNC, Fábio Bentes, o peso menor das prestações é explicado pela redução das taxas de juros e um alongamento dos prazos de financiamento. A Selic, taxa básica de juros, está em 6,5% desde março de 2018. Ao longo desse ciclo de reduções na Selic, a percepção de muitos consumidores era de que o alívio não chegava ao varejo. Para Bentes, a análise da série histórica da CNC mostra que o repasse foi lento. Mas a Selic não explica todo o movimento. A redução da inadimplência e a baixa procura por crédito também levaram os bancos a reduzirem suas taxas.
Ainda assim, o consumo segue frágil. Em 2018, o consumo das famílias puxou o Produto Interno Bruto (PIB), mas a alta de 1,9% ficou pouco acima do avanço de 1,4% de 2017. A queda do valor da prestação é insuficiente para mudar o quadro porque, segundo Bentes, ainda existe "insegurança em relação ao emprego".
Segundo Viviane Seda, coordenadora da Sondagem do Consumidor, do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), houve recuperação, nos últimos três meses, do indicador de intenção de compra de duráveis, componente do Índice de Confiança do Consumidor (ICC). "As taxas de juros já estão baixas há algum tempo", diz.
Só que esse movimento parece mais associado à expectativa de melhora da economia nos próximos seis meses e à depreciação de bens como geladeira, fogão e geladeira do que à melhoria na condição financeira para comprar esses itens. O consumidor ainda não percebe que as condições de financiamento estão melhores, diz a pesquisadora da FGV. Segundo ela, isso ocorre porque o cliente tende a perceber mais a piora de condições do que os avanços.
O estivador aposentado Carlos Alberto da Silva, 58 anos, e a esposa Rosineide dos Santos, de 55 anos, estão entre os que ainda acham o juro alto. Em busca de geladeira e fogão novos, eles disseram que pretendem pagar os eletrodomésticos à vista. "Estamos olhando na loja para comprar na internet", conta Silva, que diz não ter pressa em concretizar a aquisição.
A exemplo de outros brasileiros, a crise afetou a renda do casal. Embora a aposentadoria de Silva tenha protegido os dois de uma queda significativa, Rosineide, que é diarista, conta que hoje trabalha duas vezes por semana - antes, tinha a agenda cheia de segunda a sábado.
leia mais notícias de Empresas & Negócios
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia