Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 10 de dezembro de 2018.
Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

finanças

Edição impressa de 10/12/2018. Alterada em 10/12 às 01h00min

Previdência privada ajuda no Imposto de Renda

FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Vantagens na hora de pagar Imposto de Renda e mecanismos que ajudam o investidor a não perder a disciplina são pontos que devem ser considerados ao contratar uma previdência privada para complementar a aposentadoria.
Letícia Camargo, planejadora financeira da Planejar (Associação Brasileira de Planejadores Financeiros), diz que a possibilidade de receber boletos mensais para fazer depósitos na previdência ou de colocar os aportes em débito automático contribui para que o participante mantenha o hábito de investir para a aposentadoria. "Investir tem um lado emocional. Arranjar um dinheirinho no final do mês para contribuir de forma voluntária é difícil. Se você entra em algo automatizado, já se organiza levando em conta aquele compromisso, como se fosse a conta de luz", diz. Esse tipo de investimento também tem a vantagem de uma tributação favorável para quem deixa o dinheiro por mais tempo.
Enquanto aplicações no Tesouro Direto têm alíquota que começa em 22,5% e recua até atingir 15%, depois de 720 dias, os planos de previdência privada, na tabela de tributação regressiva, têm alíquota mínima de 10% - embora partam de 35%, para desestimular resgates precoces.
Há duas modalidades de planos de previdência privada: o PGBL e o VGBL. Daniel Calonge, presidente da empresa Monetus, gestora de investimentos digital, explica que a primeira modalidade é indicada para investidores que fazem a declaração do Imposto de Renda completa, que permite mais deduções. Isso porque até 12% do valor bruto aplicado nesses planos pode ser deduzido do Imposto de Renda (IR). No PGBL, todo o dinheiro aplicado no fundo é tributado no momento do resgate. Já no VGBL, as alíquotas só incidem sobre o rendimento obtido com a aplicação.
A escolha de um investimento desses requer bastante pesquisa e comparação. Fatores como a taxa de administração cobrada pela instituição que oferece a aplicação e o retorno sobre o investimento do fundo podem influenciar muito o resultado obtido, diz Calonge. Ele simulou aportes de R$ 100,00 mensais por 30 anos. Com uma taxa de administração de 3%, o valor acumulado ao fim do período totaliza R$ 75 mil. Se a taxa recuar para 1%, sobe para R$ 107.500,00.
A simulação considerou um fundo que rendeu 100% do CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro, valor dos empréstimos entre instituições financeiras), num juro médio de 8% ao ano. Se o percentual do CDI subir para 150% e a taxa de administração for mantida em 1%, o valor final avançará dos R$ 107.500,00 para R$ 225 mil.
Calonge diz que é preciso encontrar um equilíbrio entre essas variáveis. Um fundo com taxa de administração baixa, mas retorno ruim, pode ser mau negócio. "O maior vilão para o investidor são os fundos com baixos rendimentos", diz.
Jorge Pohlmann Nasser, diretor-presidente da Bradesco Vida e Previdência, diz que fundos com maior taxa de administração tendem a ser aqueles que exigem maior atenção do gestor - em alguns casos contendo ativos de renda variável - e podem oferecer retorno maior.
Fernanda Fonseca, economista do aplicativo Renda Fixa, de comparação de investimentos, concorda ser importante avaliar o histórico de retorno dos fundos e o perfil do gestor, mas lembra que bons resultados no passado não são garantia de bons rendimentos no futuro.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia