Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de outubro de 2018.
Dia do Enólogo.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

empreendedorismo

Edição impressa de 22/10/2018. Alterada em 22/10 às 01h00min

Aumenta número de pessoas que buscam renda extra no Brasil

DRAGANA GORDIC - FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO
Adriana Lampert
O número de pessoas que busca uma renda extra no Brasil cresceu mais de 20% no ano de 2018, em meio a um cenário conturbado na economia e na política do País, que levou mais de 61,8 milhões de brasileiros à inadimplência de janeiro a julho, segundo a Serasa Experian.
De acordo com informações da empresa de contratação de serviços Getninjas, cerca de 23% da população inadimplente buscou novas formas de inserção no mercado de trabalho somente neste ano, tornando-se pessoas multitarefas. "Atualmente, dos 450 mil profissionais cadastrados, um terço faz da atividade uma renda extra para equilibrar as contas de casa", afirma o CEO da empresa, Eduardo L'Hotellier. Aí vale tudo: desde pequenos reparos (o chamado serviço de marido de aluguel) até aulas de inglês.
"A necessidade de renda extra se deu quando me deparei com dois filhos pequenos e necessitava de tempo para acompanhar a educação deles e ao mesmo tempo precisava trabalhar de uma forma flexível", comenta a empreendedora Madeleine Lisboa Beinlich, atualmente administrando a Central de Diaristas, em Santa Catarina. Ela conta que antes da empreitada, as finanças eram "muito apertadas".
"Um dos meus últimos empregos foi em uma empresa de telefonia e a renda não era o suficiente. Meu carro ficava mais na garagem, porque não tinha dinheiro para gasolina - era complicado, eu trabalhava o mês inteiro (26 dias), oito horas por dia e o salário que eu ganhava não dava para driblar as contas do mês e gastos com filhos."
Para mudar esse quadro, Madeleine começou um novo momento financeiro, fazendo faxina, mas logo percebeu que sozinha não conseguiria crescer muito, pois os pedidos entravam e não tinha como atender. "Foi assim que resolvi montar uma equipe de mulheres com o mesmo perfil que o meu (mães que precisavam trabalhar e moravam nas redondezas)."
O negócio expandiu e atualmente Madeleine fatura entre R$ 3 mil e R$ 5 mil. "Como moro em Florianópolis, que é uma cidade turística, na alta temporada também presto o serviço de check in e check out para clientes que têm imóveis para locação - esse serviço sou eu mesma que faço. Tenho a responsabilidade de ficar com as chaves e receber os hóspedes."
Segundo a gerente de Sustentabilidade Corporativa da Serasa Experian, Andréa Regina, o enfraquecimento do ritmo de crescimento econômico contribui para manter em patamares elevados as taxas de desemprego no País e, consequentemente, os níveis recordes de dívidas atrasadas. Neste sentido, buscar uma renda extra é uma atitude de quem já entendeu que é preciso se reeducar financeiramente.
"Além de evitar comprar por impulso, e analisar muito bem o crédito antes de entrar em um cheque especial ou usar o cartão, empreender tem sido a saída para muitas pessoas que precisam sanar dívidas no Brasil", avalia. Ela comenta que o número de empreendedores por necessidade vem crescendo ano a ano no País. Somente em junho de 2018, foram 156,5 mil novos microempreendimentos, o que apontou crescimento de 7,2%, em relação ao mesmo mês de 2017 (146 mil), e queda de 14,3% diante do número apurado em maio de 2018 (182,5 mil).

Empreender por necessidade é um dos resultados da crise

Andréa destaca a importância de ter uma reserva financeira

Andréa destaca a importância de ter uma reserva financeira


SERASA EXPERIAN/DIVULGAÇÃO/JC
Pequenos e médios empreendedores no Brasil representam quase 80% da economia - e muitos deles entraram no negócio por necessidade, segundo a gerente de Sustentabilidade Corporativa da Serasa Experian, Andréa Regina.
"Eu já trabalhava por conta própria, me cadastrei como Microempreendedor Individual (MEI) em 2010, pois o mercado estava fraco - mesmo assim não tive medo e acreditei", recorda o técnico em paisagismo Luiz Henrique Alves, que hoje exerce serviços como pintor. Antes de vingar na atividade - vinculada ao Getninjas -, ele havia feito diversos investimentos em outros aplicativos. "Decidi tentar mais uma vez, deixei de gastar dinheiro com hobbies e investi de início uma quantia e logo surgiu o primeiro cliente, era pouca coisa, mas já estava ótimo."
De MEI, Alves se tornou um "grande empresário", como ele gosta de se definir. Fato é que a maioria dos assalariados vê o ganho mensal entrar na conta-corrente e escorrer em coisas pequenas. "Ter controle de receita e despesa torna-se básico", destaca Andréa.
"É preciso entender quais os principais custos fixos se tem no dia a dia e quais as oportunidades de reduzir gastos, como mudar o plano de TV a cabo ou de telefonia móvel." Para a gerente da Serasa, o hábito diário de controle orçamentário é fundamental, seguido pelo hábito de poupar. "É importante ter um fundo de reserva de pelo menos três a seis meses do salário." Andréa ressalta que o planejamento passa por pequenos sacrifícios. "Desta forma, até quem recebe salário mínimo é capaz de comprar uma casa própria, por exemplo."

Educação financeira passa por atitude além do conhecimento

A gerente de Sustentabilidade Corporativa da Serasa Experian, Andréa Regina, destaca que o fator conscientização é apenas um dos aspectos da reeducação financeira. "Neste sentido, não mudou nos últimos três anos. Hoje em dia, as pessoas têm mais acesso a dicas de educação financeira e a concessão de crédito está mais consciente. Mas não basta o conhecimento, tem que ter atitude", adverte. Na avaliação da especialista, a maioria da população endividada ainda peca pela falta de atitude ideal, motivo pelo qual no ano passado o índice de inadimplência também foi bem significativo, com 61,1 milhões de brasileiros devendo sem ter como pagar.

Segundo outro economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, a estabilidade do nível em dois anos, considerando que no período a população sofreu os impactos do cenário de crise econômica e política no País, é sinal de que o brasileiro se comportou financeiramente de maneira adequada. "De alguma forma, o consumidor não se deixou abalar e buscou superar as dificuldades crescentes por meio de caminhos alternativos, como a iniciativa de enxugar o orçamento, por exemplo. Atitudes como esta não deixaram que a média do índice caísse em 2017". "Por outro lado, é importante dizer que o nível de educação financeira no Brasil ainda continua regular", diz Rabi.

A supervisora de uma instituição bancária de caráter privado, Tiene Seibitz Ferreira, lembra que a regra número um para quem quer buscar a reeducação financeira é não gastar mais do que se ganha. "Tenho visto aumentar o número de pessoas que gasta mais do que ganha, e está cada vez mais difícil cobrar os clientes", admite. Tiene comenta que em situações onde o banco libera o limite do cheque especial e do cartão de crédito, muitas vezes as pessoas acabam achando que o dinheiro é delas, e não entendem como um valor que está ali apenas para ser usado em uma emergência.

Tiene destaca que é preciso ensinar o "beabá" na maioria dos casos. "Para organizar a vida financeira é preciso colocar em uma planilha de aplicativo, ou folha de ofício mesmo, tudo que se gasta, desde as contas de água, luz, telefone até o cafezinho diário - ao lado disso é preciso colocar o salário líquido, não o bruto, que é uma ilusão." O coordenador do MBA em gestão financeira da Fundação Getulio Vargas (FGV) Ricardo Teixeira, concorda: "Beber um cafezinho de R$ 5,00 todos os dias é gastar R$ 150,00 no mês - essa é a visualização necessária".


Planejamento é a base da organização

L'Hotellier diz que segunda atividade pode ocasionar até 30% de renda extra

L'Hotellier diz que segunda atividade pode ocasionar até 30% de renda extra


/GETNINJAS/DIVULGAÇÃO/JC
Para o coordenador do MBA em gestão financeira da FGV, Ricardo Teixeira, o que falta não é educação, mas planejamento das pessoas para os gastos mensais, "aspecto que leva ao endividamento, por não cumprirem seus compromissos". "Não tem como escapar: é preciso colocar tudo na ponta do lápis. Principalmente em um cenário onde cresceu o número de desempregados, pois sempre acaba afetando os membros da família, que irão ter que ajudar com as despesas de quem está sem recursos - o que complica as contas de todos."
Teixeira acredita que, no que se refere ao conhecimento em educação financeira, ocorreram muitos avanços no Brasil nos últimos anos. Mas, assim como a gerente da Serasa Experian, ele percebe que enquanto muitos têm informação, poucos fazem efetivamente a lição de casa. "Buscar uma renda extra é uma possibilidade, mas com o número de desemprego vigente, nem sempre é possível."
A carência de vagas pode gerar a busca por uma atividade que não necessite formação, mas que possa ser suprida por determinada habilidade. Publicitários dando aula de inglês, jornalistas dando aulas de matemática, fazendo traduções, e - em alguns casos - até trabalhando como passeadores de cães nas horas vagas, não são situações difíceis de se encontrar. "Vemos muitas pessoas procurando renda extra, independentemente da formação - inclusive tem gente com mestrado buscando novas oportunidades na nossa plataforma", comenta o CEO da Getninjas, Eduardo L'Hotellier.
"Existem muitas atividades que possam ser exercidas pela internet, nas poucas horas noturnas disponíveis, e que não exigem interação ou atendimento ao público em tempo real, estas são as melhores opções, como a venda de produtos on-line, ou qualquer outra atividade que possa ser executada nas poucas horas úteis do início da noite e fins de semana", indica.
Segundo L'Hotellier, quem se dedica a uma segunda atividade para incrementar a receita, pode atingir uma média de 20% a 30% extras, trabalhando duas horas por dia, incluindo os fins de semana (e assim podendo cobrar mais caro a hora, em casos de prestação de serviços), além de cumprir a jornada de trabalho no emprego principal.
 

Mudar o padrão é desafio

Diante da crise, profissionais dos mais diversos setores passaram a buscar alternativas para conseguir remuneração extra, e os aplicativos Uber e Cabify têm atraído muita gente para o transporte de pessoas. A facilidade no cadastro possibilita que em poucos dias o engenheiro se torne motorista parceiro do aplicativo, razão pela qual as empresas vêm expandindo seus serviços. No entanto, não suprem o número de pessoas que está passando por dificuldade e o número de desempregados.
"Para piorar, vive-se uma situação em que mesmo se estando empregado e faturando, a inflação pode vir a reduzir o poder de compra do brasileiro", observa o coordenador do MBA em gestão financeira da FGV, Ricardo Teixeira. Para ele, mais que buscar renda extra - ainda que em serviços como Uber, onde ainda há boa demanda, é preciso fazer sacrifícios maiores para sair da situação de endividamento. "Além de negociar, eventualmente talvez seja necessário vender um bem para pagar as dívidas, e se planejar para viver melhor com a renda que se tem - isso pode exigir mudança de padrão, e muita gente não quer, mas mesmo protelando uma hora vai precisar."
Dentre os conselhos que Teixeira cita para planejamento financeiro, fazer lista com todos os gastos não é suficiente; "Precisa destacar os que se pode abrir mão; os que se pode, mas não se gostaria; e os que não se pode abrir mão - assim fica mais fácil visualizar os tipos de sacrifícios viáveis." Para o especialista, todas as pessoas precisam ter algum tipo de reserva por menor que seja - mesmo aquelas que recebem salário mínimo. "Além disso, de preferência evitar fazer empréstimo - de preferência nunca, a não ser que se saiba que vai ser possível pagar muito rapidamente. Sou do pensamento que pagar juros é algo que as pessoas deveriam deletar de suas vidas, exceto em situação de emergência ou de compra da casas própria."
Deixar de comprar por impulso, analisar o crédito antes de entrar no cheque especial ou cartão de crédito e ter consciência do dinheiro que se gasta passou a ser o desafio na vida financeira do brasileiro médio. "Em casos graves, aconselho procurar um especialista para ver como sanar a sangria, a exemplo de um empréstimo consignado - mas com muita parcimônia, para não extrapolar o valor limite (30%) do orçamento.
"É importante também administrar a quantia do mês de acordo com as despesas pessoais para não haver confusão ao final do mês. Uma sugestão é que a renda fixa principal fique destinada às principais contas da residência como luz e água, por exemplo, e a extra pode ser a melhor solução para socorrer uma emergência, cobrir gastos imprevistos e até mesmo utilizar para as férias da família. Ser uma pessoa organizada e dedicada a controlar as finanças é essencial", aconselha o CEO da Getninjas, Eduardo L'Hotellier.
"Os chefes da família, tendo uma segunda renda ou não, devem anotar e registrar religiosamente todos os gastos, todos os pagamentos, os valores das contas e faturas, seus vencimentos, e as datas em que foram pagas. Assim, em pouco tempo, eles passam a ter um domínio e conhecimento mais próximo de suas despesas. O Excel, por exemplo, pode ser preenchido e editado com facilidade, utilizando uma aba para cada mês", reforça L'Hotellier.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia