Porto Alegre, terça-feira, 23 de novembro de 2021.
Porto Alegre,
terça-feira, 23 de novembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 23/11/2021 às 16h49min.

Outubro registra nova alta nos custos de produção

Insumos vêm apresentando altas consecutivas desde o início de 2021

Insumos vêm apresentando altas consecutivas desde o início de 2021


TALINE SCHNEIDER EMATER SANTA ROSA/DIVULGAÇÃO/JC
O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) registrou nova alta em outubro. O aumento foi de 5,90% em relação ao mês de setembro. O movimento de elevação segue como consequência da menor oferta de insumos, o que encarece os preços, além da taxa cambial que se mantém elevada. Os dados foram divulgados pela Farsul nesta terça-feira (23).
O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) registrou nova alta em outubro. O aumento foi de 5,90% em relação ao mês de setembro. O movimento de elevação segue como consequência da menor oferta de insumos, o que encarece os preços, além da taxa cambial que se mantém elevada. Os dados foram divulgados pela Farsul nesta terça-feira (23).
Os custos de produção vêm apresentando altas consecutivas desde o início de 2021. No acumulado de do ano, o IICP cresceu 39,08% e no acumulado em 12 meses atingiu 41,09%, novo recorde da série histórica que teve início em 2010. O resultado é bem superior ao IPCA que registrou 8,24% no acumulado do ano e 10,67% em 12 meses.
Já o Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores Rurais (IIPR) apresenta o segundo mês consecutivo de retração, com uma deflação de - 0,20% em outubro na comparação com o mês anterior. A maior queda registrada segue sendo do preço do boi em decorrência do aumento da ociosidade dos frigoríficos.
No acumulado em 12 meses, o indicador apresentou variadas quedas, saindo de 85,11% em janeiro para 0,64% em outubro. Isso aponta que os preços atuais são semelhantes aos praticados no mesmo período de 2021, confirmando a tendência de estagnação que havia sido prevista pela Assessoria Econômica da Farsul. O resultado mostra o descolamento com o IPCA Alimentos que teve alta de 11,71% em um ano.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO